terça-feira, 14 de agosto de 2012

Folha e UOL enlouqueceram

Expõem-se ao Ridículo

Faz tempo que não vejo tanta estupidez junta.

Dar manchete a uma declaração inconsistente de um advogado declaradamente mal intencionado é, intencionalmente, mancomunar-se com a malandragem ou desonestidade jornalística.

Para completar o delírio da Folha e de sua empresa UOL, às 11 horas eu li uma chamada na capa da UOL:
“Avaliação de Dilma fica estável após começo de julgamento, diz Datafolha.”

O quê evidencia que havia intenção da Folha em forçar o noticiário do mensalão como forma de desgastar o Governo Dilma e a imagem do PT. E o texto analítico foge da manchete de capa, abordando a avaliação do governo de forma genérica. Mas o “ato falho“ já estava registrado na chamada.

Será que o futuro da Folha e da UOL é ficar igual a Rede Globo?

Estupidez No. 1 – Capa da Folha de São Paulo – 14/08/2012

Lula ordenou esquema, diz defesa de Jefferson

A defesa do ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, delator do mensalão, afirmou aos ministros do Supremo que o ex-presidente Lula não só sabia como foi o "mandante" do esquema. Lula não comentou. O advogado Luiz Corrêa Barbosa disse que Lula teria de ser "pateta" para não saber do mensalão e que ele não é um dos investigados porque o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, "não fez o seu trabalho".

Estupidez No. 2

Avaliação de Dilma fica estável após começo de julgamento, diz Datafolha.

- O texto acima é a chamada de capa da UOL, às 11:03 de 14/08/2012.
Na parte interna temos:

Avaliação do governo Dilma fica estável

Folha e UOL - RICARDO MENDONÇA - DE SÃO PAULO -14/08/2012 - 06h00

Após atingir seu recorde em abril, a taxa de aprovação do governo Dilma Rousseff oscilou dois pontos para baixo. De acordo com pesquisa realizada pelo instituto Datafolha no dia 9 de agosto, o governo agora é classificado como ótimo ou bom por 62% dos eleitores. Outros 30% avaliam que a administração Dilma é regular. A desaprovação (soma de ruim e péssimo) está em 7%.

O Datafolha ouviu 2.562 pessoas com 16 anos ou mais em 159 municípios. A margem de erro é de 2 pontos.

Na comparação com os quatro mandatos presidenciais anteriores, só o ex-presidente Lula atingiu mais de 60% de aprovação no período equivalente. Em setembro de 2008, já em seu segundo mandato, Lula tinha 64% de ótimo e bom.
No primeiro mandato de Lula, a aprovação do governo 1 ano e 8 meses após a posse era bem menor que a atual taxa de Dilma, 35%.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tinha 43% de ótimo e bom em setembro de 1996, mas caiu para apenas 23% no período equivalente do ano 2000, durante seu segundo mandato.

A aprovação do governo Dilma varia pouco conforme o nível de conhecimento das pessoas em relação ao julgamento do mensalão, em curso no STF (Supremo Tribunal Federal).
Entre os que dizem ter tomado conhecimento do julgamento do caso, o governo é aprovado por 62%. Entre os que não tomaram qualquer conhecimento, a aprovação é quase idêntica, 63%.

RECORTES

A taxa mais baixa de aprovação da administração Dilma está entre os eleitores mais instruídos. No universo dos que responderam ter ensino superior completo (14% da amostra), o governo tem 52% de ótimo e bom. A margem de erro nesse grupo, porém, é maior.
No recorte conforme as regiões do país, a maior aprovação está no Nordeste, onde 68% dos eleitores classificam o governo como ótimo ou bom. A taxa mais baixa está no Sul, com 54%.

Conforme a renda familiar, o maior índice de aprovação do governo Dilma ocorre entre os que recebem até dois salários mínimos, 66%.

Quem mora em município do interior do país tende a avaliar melhor o trabalho da presidente Dilma do que quem mora em capitais ou em cidades próximos de capitais. No interior, a aprovação chega a 68%. Nas regiões metropolitanas, a taxa é de 54%.

O Datafolha também pediu para cada entrevistado atribuir uma nota de 0 a 10 ao desempenho da administração Dilma Rousseff. A nota média foi 7,4. Em abril, a nota foi só um pouco melhor: 7,5.

Um comentário: