segunda-feira, 16 de julho de 2012

Eleazar de Carvalho e o Padrão Internacional

Pensando no Brasil

Eleazar de Carvalho, que poderia ter ficado nos Estados Unidos fazendo fama, preferiu voltar a morar no Brasil e trazer sua experiência internacional para qualificar os músicos brasileiros.

Em 1973, mesmo o Brasil estando ainda numa ditadura militar, com eleições indiretas, Eleazar foi chamado ao Brasil para assumir a direção do Festival Internacional de Inverno de Campos de Jordão, criado três anos antes. Eleazar tinha dirigido por cerca de 15 anos o Festival de Tanglewood, onde a Orquestra Sinfônica de Boston exercia um papel central, promovendo o festival e atuando como conjunto residente.

Para implementar este modelo em Campos de Jordão, Eleazar precisava contar com uma orquestra de alto nível. É neste contexto que ocorre a primeira reestruturação da Sinfônica Estadual, que passa a se chamar Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – OSESP.

Com a reestruturação da OSESP, após três meses de intensos ensaios, a orquestra renascida fazia sua estreia em Campos de Jordão. O maestro Diogo Pacheco, emocionado escreveu:

“O milagre aconteceu.
E foi feito por um santo de casa. Quando Eleazar de Carvalho surgiu no palco e abriu seus braços no gesto de inauguração da recém-estruturada OSESP, ainda havia um resquício de descrença entre o público.
No entanto, nos primeiros compassos do Hino Nacional Brasileiro, peça que abriu oficialmente o Festival de Inverno de Campos de Jordão, toda a plateia já estava absolutamente conquistada.
A sonoridade da orquestra, bela e precisa, era surpreendente, inédita mesmo em concertos no país, digna de teatro no exterior”.

A mão forte de Eleazar, conduzindo a OSESP com paixão e empenho por mais de duas décadas, foi a principal responsável pela sobrevivência do grupo.

O nome de Eleazar de Carvalho ficou para sempre ligado ao Festival de Inverno de Campos de Jordão, que dirigiu por mais de dez anos, em diferentes períodos.

(A partir dos textos do Caderno da OSESP – Centenário de Eleazar de Carvalho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário