terça-feira, 19 de junho de 2012

Erundina disse "Sim" à VEJA

E "não" ao PT

Vou reproduzir o que está escrito no Estadâo:

“Depois que Lula e Haddad posaram para fotos com Maluf, Erundina iniciou uma rebelião: disse não aceitar a aliança e ameaçou abandonar Haddad. “Eu, pessoalmente, não vou aceitar. Vou rever minha posição”, AFIRMOU NO SITE DA VEJA”.

O circo está formado! Todos os jornais, rádios e TVs passaram a enaltecer a “coerência” de Erundina e o “oportunismo” do PT.

O conteúdo da discussão está correto, o fato de ter sido feito pelo site da VEJA, tem vários significados:

1 – Já que Veja e Maluf são equivalentes,
como Lula e Haddad estiveram com Maluf, Erundina respondeu com a mesma moeda, falando com o maior inimigo do PT: a VEJA;

2 – Talvez ela tenha sido movida mais pela sensação de revolta por “não ter sido consultada antes”, e reagiu intempestivamente falando com o primeiro que apareceu, sem medir as consequências;

3 – O que também pode ser muito provável, é que Erundina não quer ser uma vice “pró-forma”, ela quer TER PODER, tanto durante a campanha como, se ganhar, no governo.

Se esta terceira hipótese for a verdadeira
, creio que tanto Haddad, como seu tutor, como o próprio PT, devem avaliar com muito cuidado, entre os custos e benefícios, qual é o melhor para a campanha e para a governabilidade.

O apoio do PSB, com seu tempo na TV e nos rádios, o partido já ganhou
, agora, precisa “ganhar” a governabilidade eleitoral e do mandato, com Erundina.

Mesmo com todas as considerações acima, o mais intrigante para mim,
foi o fato de a VEJA ter sido a porta-voz de Erundina.

Será que temos que depender de Maluf e da VEJA?

Se for assim, quem tem autoridade para atirar a primeira pedra?

Quanto ao conjunto do noticiário, vou abordar em outras matérias.

Só sei que, quanto mais eu vivo,
mais sinto que os partidos políticos não representam mais os anseios da população, são meros instrumentos e aparelhos para se apoderarem dos governos e do parlamento. Além do Judiciário e das empresas estatais. É muito orçamento para pouca dignidade.
E a imprensa, que funciona como grande partido político, acaba ficando com a mesma imagem cínica.

4 comentários:

  1. Menos, Camarada Gilmar!

    Cuidado com a Veja. Todo cuidado é pouco. Cuidado que deve ser estendido ao Estadão e parceiros do PIG, todos tentando salvar a imagem da revista da Abril.

    Segundo o site IG, Erundina disse a integrantes da direção do PSB ter se sentido despretigiada por Lula, que se deslocou até a casa de Maluf hoje mas não foi à cerimônia de formalização de sua candidatura à vice de Haddad na sexta-feira, alegando recomendações médicas (ele passou pelo hospital onde fez uma biópsia e retirou um cateter na quarta-feira).

    Logo, não é totalmente verdadeira a premissa de que Erundina teria procurado a Veja para dar "um troco ao PT".

    Antes de mais nada, Estadão, Folha, Veja, Globo não querem o PT com possibilidade de vencer em São Paulo. Esta sim é a premissa. E para tanto, qualquer tema, assunto, polêmica, discussão, debate, aresta, vai ser explorado "ad infinitum" CONTRA o PT e seu candidato.

    Quem tem alta rejeição é Serra. Haddad, neófito em disputa eleitoral, tem baixa rejeição. Logo, daqui até 7 de outubro os porta vozes da candidatura Serra trabalharão o aumento da rejeição a Haddad. Para equivaler a disputa neste campo num eventual segundo turno.

    Para concluir (bordão de discurso em plenária...kkk), toda aliança tem suas barafundas.

    Tem o Maluf, tem a Erundina, tem a Marta, tem a militância petista (ciosa de seus gloriosos tempos de coerência ética), tem a... na verdade, tem que administrar. E o Haddad está preparado para administrar conflitos, já o fez no Ministério da Educação.

    E todo petista (e os não petistas que não querem mais Serra) precisam manter o foco: O candidato é do PT, e o vice é do PSB. Esse é o projeto pra São Paulo.

    ResponderExcluir
  2. ERUNDINA DISSE SIM AO PT

    Gilmar, agora há pouco (19.junho.2012 10:03:48), Erundina falou. Veja:

    “Vou manter a decisão, porque é uma decisão partidária. Vou me empenhar e fazer o melhor que puder para dar minha contribuição, mas vou procurar demarcar campos. De um lado está o seu Maluf; de outro lado estaremos nós e os setores da sociedade que não concordam, ao meu ver, com essa aliança”, disse em entrevista à Rádio Brasil Atual.

    ResponderExcluir
  3. Erundina deu uma entrevista a um órgão de comunicação, que podia ser a Veja, o Globo, a Carta Capital... isso não muda o ato nefasto e incoerente do Lula ao apertar a mão do Maluf.

    ResponderExcluir