quarta-feira, 23 de maio de 2012

SP e a Violência Diária

Três casos graves

Assaltaram um grande empresário, em pleno Jockey Clube,
mataram e roubaram um engenheiro e presidente do PSDB do Jardim Saúde-SP, e mataram e feriram estudantes emigrantes angolanos.

O governador Alckmin, mesmo prometendo esforços nas investigações, até agora, ninguém foi preso...

E aí, governador? De quem é a culpa?

O povo aceita sacrifícios materiais, mas não aceita falta de segurança.
Este é um princípio fundamental para qualquer político ou gestor público. Se a cidade de São Paulo está sem segurança, refém do PCC, logo, logo, a população começará a pagar para Milícias legalizadas, como a Haganá,outras empresas pertencentes a militares, e milicias não legalizadas. E aí ninguém sabe como acaba...

Vejam as três notícias da nossa insegurança,
que atinge todas as classes sociais:

1 – Assaltaram o presidente do Jockey Clube, no próprio Jockey

Mônica Bergamo – Folha SP
– 23/05/2012 - MÃOS AO ALTO

Um assalto à mão armada em plena luz do dia assustou os frequentadores do Jockey Club de SP, em Cidade Jardim, uma das regiões nobres da capital.

A vítima foi o próprio presidente da entidade, Eduardo da Rocha Azevedo.
Ele estava no último lance da escada principal quando um homem que subia ao seu lado tirou um revólver da cintura e pediu seu Rolex.

CRACHÁ - Azevedo diz que, como a entrada do Jockey serve de acesso aos restaurantes do lugar, qualquer um entra por ela sem se identificar - o que dificultaria o trabalho dos seguranças. "E os restaurantes de São Paulo estão visados."


2 – Mataram o presidente do diretório do PSDB
do bairro Jardim da Saúde


Engenheiro é morto em assalto na porta de casa na zona sul da capital paulista
Não se sabe ainda se a vítima reagiu; dupla fugiu com o carro do agrônomo José Sidnei Gonçalves

22 de maio de 2012 | 6h 24 - Ricardo Valota, do estadão.com.br

SÃO PAULO - Um técnico do Ministério da Agricultura foi morto a tiros, na noite de segunda-feira, 21, no Jardim da Saúde, zona sul da capital paulista, por dois assaltantes na porta de casa, localizada na Rua Vitor Costa.

O engenheiro agrônomo José Sidnei Gonçalves, de 55 anos, foi atacado quando chegava à residência, momento em que foi surpreendido pela dupla, que exibiu as armas, exigindo que ele entregasse as chaves do carro, um Chevrolet Astra.
Não se sabe se houve reação por parte do técnico, que foi baleado no tórax e morreu quando era atendido no pronto-socorro do Hospital São Paulo. Os criminosos fugiram, levando o carro da vítima, e ainda não foram identificados.
O latrocínio foi registrado no plantão do 16º Distrito Policial, da Vila Clementino, e deve ser investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

O Estadão de hoje complementa a notícia, na página C4, Cidades:


José Sidnei Gonçalves é presidente do diretório do PSDB na Saúde. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), compareceu ao velório na tarde de ontem e prometeu esforços na investigação.
Gonçalves era um dos mais respeitados analistas do agronegócio paulista. O pesquisador deixa mulher e três filhas.


3 – Mataram angolana, estudante de engenharia, e feriram seus amigos, inclusive uma grávida de oito meses.


Discussão de bar no Brás
deixa universitária morta e angolanos feridos
Após ofender africanos, chamando-os de 'macacos',
desconhecido voltou de carro e atirou

Quarta, 23 de Maio de 2012, 05h11 - Pedro da Rocha, do estadão.com.br

SÃO PAULO - Uma discussão de bar na Rua Cavalheiro, no Brás, região central de São Paulo, terminou com uma universitária angolana morta e três outros angolanos feridos na noite de terça-feira, 22. Até as 3h30 ninguém havia sido preso.
Segundo testemunhas contaram à polícia, os angolanos estavam bebendo em um bar, no número 80 da rua, quando dois outros clientes, brasileiros, teriam xingado o grupo, com termos como "macacos". Houve uma discussão e os brasileiros foram embora.

Cerca de 20 minutos depois, um dos brasileiros voltou, em um Golf prata, desceu do veículo e atirou contra o grupo de angolanos.
Zumira de Souza Borges Cardoso, de 26 anos, estudante de engenharia na Uninove, foi atingida e morreu no local. Celina Bento Mendonça, de 34, grávida de cerca de oito meses, acabou ferida por pelo menos dois tiros, um deles na barriga. Gaspar Armando Mateus, de 27, foi baleado na perna.
Renovaldo Manoel Capenda, de 32, também foi atingido. Celina e Gaspar foram socorridos no Hospital João XXIII, na Barra Funda, e Renovaldo no Hospital Vergueiro, região centro-sul. O caso foi registrado no 8º Distrito Policial (DP), do Brás/Belém.

O atirador ainda não foi identificado pela polícia.

Um comentário:

  1. PRESO EM TIMON-MA por ter matar ENGENHEIRO EM SÃO PAULO-SP
    A POLÍCIA CIVIL de Timon-MARANHÃO, identificou o foragido da Justiça Paulista IGOR MARCELO FERREIRA DE SOUSA, vulgo SMILE , natural de Timon-MA, que foi preso por policiais militares no dia 10/02/2013 (domingo) por roubo e se apresentou com nome falso (BRUNO GUSTAVO FERREIRA SOUSA). O chefe de investigação da Delegacia da Mulher desconfiou da presença da avó de IGOR no 1ºDP de Timon, e resolveu verificar com outros policiais. IGOR MARCELO FERREIRA DE SOUSA, vulgo SMILE possui mandado de prisão expedido pela Comarca de São Paulo, 26ª Vara Criminal de Barra Funda, por ter matado o engenheiro agrônomo JOSÉ SIDNEY GONÇALVES, 55 anos em um assalto no dia 21/05/2012, no Jardim Saude, Zona Sul da Capital Paulista, quando o engenheiro chegava em casa. Os assaltantes em número de dois levaram o carro da vítima. Outro assaltante, Heriberto Cesar Nagliati, 30 anos, foi preso e entregou mais dois comparsas que queimaram o carro para tirar as impressões digitais. Somente IGOR MARCELO estava foragido. A vítima JOSÉ SIDNEY GONÇALVES era presidente do diretório do PSDB Paulista e amigo particular do Governador Geraldo Alckmin (PSDB). Os policiais maranhenses entraram em contato com o Delegado ITAGIBA FRANCO da DHPP e no mais curto prazo deverá ser recambiado para São Paulo.
    NUNES - Invetigador (99)3212 1366

    ResponderExcluir