quinta-feira, 31 de maio de 2012

Santander, Celso Ming e a Espanha

O problema dos bancos espanhóis

Confesso que depois que divulguei a matéria do jornal Valor, onde o presidente do Santander Brasil foi tão enfático ao dizer que o banco não estava à venda, fiquei bastante otimista e acreditando na “palavra do presidente”.

Mas, ao ler esta matéria de Celso Ming no Estadão de hoje, fiquei pensando:
Será que a situação da Espanha é tão grave que pode afetar o Santander no Brasil?

Mas a matéria está muito bem fundamentada. Será que Celso Ming está errado?
Será que não é melhor esperar a reunião do presidente do Santander Brasil com os Sindicatos brasileiros para falar sobre a situação do Banco?

Por vias das dúvidas, reproduzo abaixo a matéria de Celso Ming.


A Espanha sob pressão
31 de maio de 2012 | 21h15 – Estadão - Celso Ming

O problema dos bancos da Espanha exige soluções até agora não admitidas, que podem mudar o rumo e a qualidade das intervenções.
Enquanto a busca de uma saída para a Grécia fica adiada para depois das eleições de 17 de junho, a Espanha afunda na areia movediça. Esta quarta-feira foi mais um dia de agonia, de perda de depósitos nos bancos e de queda do valor dos títulos soberanos.
O presidente do governo, Mariano Rajoy, parece vacilar. É que todas as soluções que poderia propor esbarram em fortes obstáculos.

A encrenca original da Espanha não tem a ver com o excesso de despesas públicas – casos de Grécia e Portugal. Tem a ver, sim, com a enorme fragilidade dos bancos, que se atiraram ao financiamento imobiliário no início da primeira década deste século – para aproveitar a abundância de recursos que veio com a derrubada dos juros logo após a emissão do euro. O boom hipotecário gerou procura artificial de mão de obra e elevou o consumo. Com a eclosão da crise, a bolha imobiliária explodiu e os preços dos imóveis caíram abaixo do valor das hipotecas (saldo do financiamento). A economia entrou em recessão, veio o desemprego (24% da força de trabalho, hoje), a arrecadação caiu e, como o Tesouro teve de bancar o seguro-desemprego, as despesas saltaram. E isso levou a dívida para níveis perigosos.

A Espanha está na mesma situação da Irlanda há três anos.

Tem de salvar os bancos, atolados em encrencas mais sérias do que simples colapsos de caixa. Assumiram riscos de crédito maiores do que poderiam suportar. Seus problemas são de insuficiência patrimonial. Têm de ser urgentemente capitalizados. A conta, avaliada entre 60 bilhões e 70 bilhões de euros, pode ser muito mais alta.

Não se fala mais em deixar algum banco quebrar.
Seria o início de uma catástrofe perfeita. O tombo da primeira peça do dominó derrubaria as demais.
Também não há mais a hipótese de obrigar os atuais acionistas a subscrever capital novo. Alguns bancos precisam de mais capital do que seu atual valor de mercado (caso do Bankia).

Não se pode obrigar o já sangrado Tesouro da Espanha a fazer maciças transfusões de capital.
Esticaria a corda do déficit público para além do suportável. Rajoy sugeriu que a recapitalização dos bancos fosse feita por meio de emissão de títulos públicos, proposta que teria duas consequências. Primeira, puxaria o endividamento para níveis perigosos. Segunda, como os bancos não precisam de mais títulos (de mais ativos), mas de mais dinheiro vivo, o despejo desses bônus no mercado implicaria sua desvalorização e novo esticamento dos juros. Se o Banco Central Europeu (BCE) recomprasse esses títulos, estaria financiando despesas do Tesouro da Espanha – algo inadmissível. Esse precedente obrigaria o BCE a recomprar títulos públicos a cada operação de resgate de banco.

Outra opção que parece contar com o apoio da Comissão Europeia seria levar um fundo europeu a subscrever a elevação de capital dos bancos, o que esbarra no veto da Alemanha. Mas pode ser a saída inevitável, com efeitos importantes.

Grandes bancos espanhóis seriam controlados pelo bloco. Seriam bancos públicos, mas com controle partilhado pelos sócios do euro e, obviamente, com supervisão também da área do euro. Mas não seria este um novo passo decisivo rumo à integração, desta vez financeira?

Um comentário:

  1. Pois é... só que para a Revista Veja, a culpa é do excesso de benefícios sociais, e pega uma cidade da Espanha, que é um país do tamanho de Minas Gerais, para tentar exemplificar:

    http://www.relacoesdotrabalho.com.br/profiles/blogs/na-revista-veja-que-crise-e-es

    Veja = desinformação pura

    ResponderExcluir