domingo, 27 de maio de 2012

Santander - Agora é a REDE GLOBO

Bradesco está próximo a fechar a compra

Oh Deus, onde estás que não respondes?
Em que céu, em que mar, Tu te escondes?
Já dizia o poeta Castro Alves.

Se a presidente Dilma Rousseff desautoriza o Banco do Brasil

e até a REDE GLOBO informa que o BRADESCO ESTÁ PROXIMO A FECHAR A COMPRA do Santander no Brasil,

quem sou eu, mero ex-sindicalista, que gosta de fazer análise de conjuntura e de se preocupar com as pessoas, para dizer que não é verdade?

Jamais quis “jogar praga” no pessoal do Santander,
quis apenas que eles soubessem o quê andam dizendo sobre o banco e sobre a Espanha.

Hoje, é domingo, acabei de tirar dezenas de fotos de flores “divinas e maravilhosas”,
e quando vou postar uma matéria sobre os investimentos do governo federal no transporte de São Paulo,
os espíritos ou os anjos me mandam olhar novos comentários que os amigos do blog colocam nas matérias.

Eu raramente olho o site de O Globo, mas, alguém colocou o endereço e eu copiei e aí está a matéria.
Para o bem ou para o mal. Precisamos enfrentar a realidade.
Coloco-me à disposição e continuo desejando boa sorte para todos.

Vejam a matéria de O GLOBO:

Bradesco negocia compra do Santander no Brasil


Operação levaria instituição ao primeiro lugar do ranking de bancos do Brasil
O GLOBO – ECONOMIA - Aguinaldo Novo

Publicado: 26/05/12 - 23h26 - Atualizado: 27/05/12 - 1h22

SÃO PAULO — O Bradesco está próximo de fechar a compra das operações do Santander no Brasil.
O negócio para o banco espanhol, que já se desfez de operações no Chile e na Colômbia, passou a ser imperativo em razão do agravamento da crise bancária na Espanha, que tem exigido novos aportes de capital para fazer frente ao aumento da inadimplência.
Procurado pelo GLOBO, o Bradesco não quis comentar a informação, e nenhum representante do Santander foi encontrado. Se confirmada, a operação catapultaria o Bradesco da terceira para a primeira posição no ranking dos maiores bancos de varejo do Brasil, ultrapassando de uma só vez o Itaú Unibanco e o Banco do Brasil (BB).

Pelos números de março, Bradesco e Santander, juntos, somariam R$ 1,2 trilhão em ativos e R$ 108,4 bilhões em patrimônio líquido, contra R$ 896,8 bilhões e R$ 72,5 bilhões, respectivamente, do Itaú Unibanco. Já o BB fechou seu balanço no primeiro trimestre com R$ 1 trilhão em ativos (por ora, é a única instituição latino-americana a atingir essa marca) e R$ 60 bilhões de patrimônio líquido.

Negócio ajudaria a capitalizar matriz

A princípio, os controladores do Santander dizem não ter a intenção de deixar completamente suas operações no Brasil, que hoje responde por mais de 30% do resultado global do grupo. A primeira informação que circulou no mercado dava conta do interesse do Santander de abrir mão de uma fatia entre 30% e 40% do seu capital no Brasil. Considerando as estimativas feitas por alguns executivos sobre o valor do banco (entre R$ 100 bilhões e R$ 160 bilhões, neste caso incluindo o ágio pago na aquisição do antigo ABN Amro/Real), a transação poderia chegar a R$ 64 bilhões.

O Banco do Brasil estava entre os principais interessados e vinha negociando com a instituição espanhola. Mas as conversas esbarraram na falta de acordo sobre preço. Não se descarta no mercado a hipótese de o Bradesco, que é apontado até agora como a instituição com mais chances de fechar a negociação, abocanhar o controle total.
— Não vejo o Bradesco como minoritário no negócio. Antes de ser vendido para o Itaú, o Unibanco chegou a negociar com o Bradesco e a proposta colocada na mesa era uma administração compartilhada. O Bradesco não aceitou na época — disse um desses executivos a par das conversas.

Bradesco e Santander iniciaram negociações há pouco menos de oito meses, mas as conversas ganharam velocidade nos últimos dois meses. Uma das propostas é a troca de ações entre os bancos, que asseguraria ao Santander a liquidez almejada para capitalizar sua operação na matriz.

Se confirmado, o negócio ainda terá que ser aprovado pelo governo. Comunicado sobre as negociações, o governo manifestou de início preocupação com o aumento de concentração de mercado. Mas o Banco Central já manifestou a alguns interlocutores o receio de que as dificuldades enfrentadas pelo Santander na Espanha possam contaminar as operações no Brasil. Por isso, não colocaria obstáculos a um eventual acordo.

Esta semana, as ações do BB caíram após rumores de que o banco estaria interessado em adquirir a participação no Santander. O interesse pela aquisição de 49% do banco espanhol, no entanto, teria sido vetada pela presidente Dilma Rousseff, segundo o jornal “Estado de S.Paulo”. Segundo o jornal, Dilma teria determinado ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que suspendesse as conversações. A presidente teria visto no negócio o aumento da concentração do setor, num momento em que o governo, em sua cruzada pela redução dos juros bancários, busca uma maior concorrência entre os bancos.

Santander fez várias aquisições no país

Desde sua entrada no mercado brasileiro, em 1957, o Santander fez aquisições de bancos de médio porte. Em 1997, o Grupo Santander comprou o Banco Geral do Comércio, mudando o nome da instituição para Banco Santander Brasil. No ano seguinte, adquiriu o Banco Noroeste e, em 2000, o Meridional, com a subsidiária Banco Bozano, Simonsen.
Em 2007, o Santander Espanha participou de um consórcio com Royal Bank of Scotland e Fortis para comprar o controle do capital do ABN Amro, que controlava o Banco Real. A operação foi aprovada com ressalvas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

No ano seguinte, um acordo com o Fortis deu ao Santander a administração do ABN Amro no Brasil. O Santander Espanha também assumiu o controle do Banco Real, quarto maior banco privado do país em ativos. E, em 2009, o Real foi incorporado ao Santander Brasil e extinto como pessoa jurídica. Segundo o site do Santander, a incorporação está pendente da aprovação do Banco Central do Brasil.

13 comentários:

  1. Num momento em que Brasil está discutindo abrir os arquivos da ditadura e foi aprovada lei que obriga o poder público a passar informações aos cidadãos, porque todos têm direito à informação, acho que mais do que certo divulgar informações que são importantes para os trabalhadores(as). Quando o Banco do Brasil mostrou interesse em comprar o BNC muitos diziam que não era verdade e que não iria acontecer. E, não é que aconteceu: foi divulgado fato relevante e depois a compra que mudou a história de nós ex-funcionários(as) da NOssa Caixa e também do BAnco do Brasil. Não sei o que vai acontecer, mas com compra ou sem compra temos sempre que estarmos atentos.

    ResponderExcluir
  2. Gilmas, continuo apostando que será um banco estrangeiro que fará essa compra. O Bradesco tem "bala na agulha", mas essa concentração de bancos no SFN, não será boa e o Governo que mais bancos aqui no país. Mas o BB continua sem "mulheres" na administração né?! Vamos lançar a campanha "COLOCA DILMA!!!!"

    ResponderExcluir
  3. Mas quando um político nega, não é porque é verdade? Pelo menos é o que a História mostra...

    ResponderExcluir
  4. Os trabalhadores devem ficar com as barbas de molho desde já, afinal, nossas experiências de incorporações mostram que o maior prejudicado é sempre o trabalhador que perde o emprego, em nome da competitividade e rentabilidade almejada pelas instituições financeiras...

    ResponderExcluir
  5. Os trabalhadores devem ficar com as barbas de molho desde já, afinal, nossas experiências de incorporações mostram que o maior prejudicado é sempre o trabalhador que perde o emprego, em nome da competitividade e rentabilidade almejada pelas instituições financeiras...

    ResponderExcluir
  6. Parece que não é mais bem assim... O Bradesco já negou.
    http://oglobo.globo.com/economia/bradesco-diz-que-nao-negocia-compra-do-santander-no-brasil-5036752

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é... e o Itaú não iria comprar o BankBoston, e antes da páscoa compraram e ferraram a vida da gente.

      Excluir
  7. O fato é que estes ditos e desditos estão nos deixando, funcionários e prestadores, numa insegurança total.
    Claro que as circunstâncias são outras, é muito diferente do caso Itau/BankBoston, mas não dá pra confiar nestas "notícias informais".

    O Santander deveria soltar uma nota oficial na impressa desmentindo a venda, caso contrário vamos sempre considerar que eles estão assando o bolo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Notas eles já soltaram várias. Porém grandes segmentos da grande imprensa sempre tem uma nova notícia (e daí vem nota desmentindo). Concordo contigo quanto à insegurança. Nosso dia a dia fica difícil...

      Excluir
    2. Os clientes já estão começando a fazer movimento de retirada de suas aplicações e encerramento de contas. Fica impossível pra quem é gerente segurar as pontas e nossos supervisores ainda nos chamam de incompetentes. Incompentente quem é mesmo? a gente que fica na linha de frente ou os caras que ficam na JK, fazendo porcaria nenhuma, se escondendo da imprensa e aterrorizando os funcionários? Temos um Gerente Geral na Paulista, onde antigamente tinha a decoração de Natal, que sempre falou que o Santander nao era um Bradesco, desdenhando dos funcionários e clientes de lá... Pressiona seus funcionários, nao os valoriza, faz a gente adoecer a ponto de pegar licença, e ainda traz gente de fora pra ganhar o dobro dos que estão aqui suando a camisa. Diz que eles não tem perfil, por isso precisa trazer os amiguinhos que eram do City ou que trabalhavam em lojas de Shopping. Quero ver quando o Bradesco comprar se ele vai falar que o Santander não é Bradesco e se vai chamar os seus funcionários de incompetentes. Vai ser o primeiro a querer fazer o caminho de volta, ou se esconder embaixo da mesa.

      Excluir
  8. http://verdades-ocultass.blogspot.com.br/2010/08/brasil-falido.html

    ResponderExcluir
  9. Gilmar,

    10 comentários num post!! Parabéns!!
    Vc viu mais um arrastão, agora na Pizza Brás em Higienópolis, ao lado do quartel da PM (de novo!).
    Tou começando a acreditar em teorias conspiratórias!
    Abs
    Vitor (Caffe)
    (posto como anonimo, porque ainda não aprendi o que preciso preencher)

    ResponderExcluir
  10. Gilmar, na matéria do Globo há imprecisões: O Santander não iniciou suas operações no Brasil em 1957, mas em 1982, por meio de um escritório de representação. Em 1991 iniciaram as operações de investimentos. E faltou o principal banco estatal paulista, o BANESPA, na lista de instituições financeiras adquiridas pelo Santander.

    ResponderExcluir