terça-feira, 22 de maio de 2012

Para Joel e Sérgio Vianna

Que gostam de futebol, música e política

Muitas pessoas me perguntam se Joel Bueno é meu parente. Eu respondo que é um parente especial. "Parente de vida!" Nos conhecemos na militância sindical, Joel no Rio e eu em São Paulo, ele do Banco do Brasil e eu do BANERJ- Banco do Estado do Rio de Janeiro, antigo BEG – Banco do Estado da Guanabara. Ambos concursados. A vida nos aproximou e viramos “parentes de vida”.

Os leitores do blog conhecem menos Sérgio Vianna, também funcionário do Banco do Brasil, sindicalista, pensador, jurista e que gosta das coisas boas de Brasília. Imagino que Sérgio, como a maioria da população de Brasília, seja mineiro. Eu adoro os mineiros.

Ambos são leitores assíduos e comentaristas do blog.
Por ironia, ficamos mais amigos através do blog do que através da militância sindical. Creio que, no blog, liberamos mais nosso lado cultural, esportivo e humano. O movimento sindical, por natureza é mais “hard”, mais confrontativo.

Ontem, antes de "psicografar" a mensagem de “Elizeth Cardoso para Dilma”,
eu pensava em escrever um texto tipo “Para Lennon e McCartney”, música de Milton Nascimento, para os amigos Joel e Sérgio. Eu queria agradecer o apoio destes dois amigos. E fazer uma mensagem especial para Sérgio Vianna. Ele não é tão assíduo quanto Joel, mas está sempre contribuindo com qualidade.

Como diz o velho Milton Nascimento: Todo dia é dia de viver...

Mas eu não vou apresentar aqui a música de Milton, por que já a apresentei numa outra edição do blog. Vou retomar o gostoso disco de Elizeth Cardoso. Se ontem ela cantou a Mangueira. Hoje, acrescentando as valiosas informações de Joel Bueno, vou apresentar as duas lindas versões de “Foi um rio que passou em minha vida”, tanto a de Paulinho da Viola, como a de Elizeth Cardoso.

A versão de Paulinho lembra-me a cidade de São Paulo,
logo depois que o Brasil foi tri campeão do mundo, em 1970,
ao ver os atletas desfilando no carro dos bombeiros no Anhangabaú,
os auto-falantes cantavam: Foi um rio que passou em minha vida...



O tempo passou e eu ganhei vários amigos, de longe e de perto.
E todos eles andam orgulhosos com os sucessos dos governos Lula e Dilma.
Aí cabe as músicas com Elizeth Cardoso.




E São Paulo também vai voltar a sorrir...

3 comentários:

  1. Nosso amigo Sérgio Vianna é de Juixx de Fora, ou seja - carioca do brejo.
    Fora isso, só tenho a dizer que de vez em quando o Gilmar até me deixa sem graça... e que de fato a amizade se consolidou agora, à distância.
    Tem coisas que só a net.

    ResponderExcluir
  2. Bela homenagem Gilmar.
    Joel, apesar de não conhecê-lo pessoalmente, frequentando seu blog com certa frequência,
    aprendi a admirá-lo.
    Já o Sérgio, com sua cultura e memória
    invejáveis, atento a tudo que se passa
    no mundo, sempre me sugere a leitura de blogs interessantes,assim como o seu.
    Joel já te adiantou quanto a mineirice do Sérgio,
    e, mesmo gostando muito da Capital Federal,
    não aguentou ficar longe da brisa do mar
    e voltou pra Juiz de Fora, que como vc deve saber,
    fica ali pertinho, exxquina com Rio.

    ResponderExcluir
  3. Meu querido Gilmar, você me surpreendeu com sua generosidade. Fiquei sem ação, não sabia o que dizer.

    Nos conhecemos desde quando fui diretor do SEEB Juiz de Fora e participei da fundação da FETEC-MG, logo após a criação da FETEC-SP, na década de 80, quando seu amigo Barão, o Carlos Augusto, então presidente do Sindicato de Juiz de Fora, trabalhou contigo na criação do DNB, segundo relato do Barão dias atrás.

    Depois fui para Brasília onde morei 20 anos e lá participei da direção do Sindicato em três mandatos, sendo Secretário-Geral junto com a presidenta Erika Kokay.

    Aposentei-me depois de 34 anos de bancário, sendo os últimos seis anos na direção da CASSI, como conselheiro deliberativo eleito e depois presidente. Antes disso trabalhei na CASSI em várias gerências e militei na área de saúde do banco junto com Joílson Ferreira, Deli Soares, Deise Lessa, Lúcio, José Onildo, Ana Dantas, e muitos outros.

    Esse "rio que passou em nossas vidas", a militância política e sindical, nos trouxe crescimento que nenhuma outra escola seria capaz de oferecer. Lembrar de nossas façanhas nas décadas de 80 e 90 nos deixa, às vezes, perplexos por termos tantas histórias pra contar.

    Também espírita de formação, o que facilitou nossa aproximação, me fez enxergar o Ser Humano especial que você representa para várias gerações, desde o seu tradicional "Nêgo Véio", saudação que oferecia a todos os companheiros de jornada.

    A minha admiração ao seu trabalho, sempre com muito respeito, desde o Travessia, foi pautada pela percepção de que você sempre estava um passo à frente de todos nós.

    Obrigado pela terna gentileza, e um fraternal abraço do Sérgio Vianna.

    ResponderExcluir