quarta-feira, 9 de maio de 2012

Cachoeira-Delta, E se todos forem iguais?

Uma CPI é como uma guerra, sabe-se como começa...

Com a redemocratização do Brasil e com a nova Constituição de 1988, o Brasil melhorou muito, mas duas áreas continuaram com a mesma estrutura do período da ditadura militar: O Poder Judiciário e a Imprensa.

Mas, o melhor remédio para depurar estas instituições, é aumentar a democracia e a transparência no Brasil.
Se a verdade é libertadora, aos poucos, ou o Congresso Nacional reforma o judiciário e a imprensa, ou o congresso ficará refém de ambos.

Se o judiciário e a imprensa forem mais transparentes, casos como este de Cachoeira, da Delta, das viagens de governantes e parlamentares, de caixa-dois de campanhas eleitorais e de liberação de verbas, ficarão mais difíceis de acontecer.

Para o judiciário e a imprensa serem mais transparentes, não podem ser “auto-fiscalizados”, a transparência depende da participação de todos.
Luiz Nassif tem dado contribuições extraordinárias. Já falei que o certo é convidá-lo para depor na CPI. Nassif pode ajudar muito...

Vejam esta matéria de Nassif de hoje:

Como operava o esquema Cachoeira

Luiz Nassif - Coluna Econômica - 09/05/2012

Pelas primeiras avaliações dos parlamentares que compõem a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) funcionava assim a associação criminosa entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e a construtora Delta.

1. A Delta se habilitava a uma licitação na qual houvesse garantia de aditamento do contrato (isto é, de reajuste posterior do contrato).

2. Tendo essa garantia, apresentava um preço imbatível, muitas vezes inexequível. No caso do aeroporto de São Paulo, por exemplo, o maior lance foi de R$ 280 milhões. A Delta apresentou uma proposta de apenas R$ 80 milhões.

3. Ganhava a licitação e depois aguardava o aditivo. Enquanto isto, a empresa ficava sem caixa para bancar seus fornecedores - de peões de obra a vendedores de refeições e cimentos. Aí entrava Cachoeira garantindo o capital de giro da empresa com dinheiro clandestino, do jogo. Ou com o fornecimento de insumos, através de empresas laranjas. Estima-se que o desembolso diário do bicheiro fosse de R$ 7 milhões, mais de R$ 240 milhões por mês.

4. Quando vinha o aditivo, a Delta utilizava o recurso - legal - para quitar as dívidas com Cachoeira, através das empresas laranja. Era dessa maneira que Cachoeira conseguia legalizar o dinheiro do jogo.
Quando algum setor relutava em fazer o aditivo, Cachoeira recorria ao seu arsenal de escândalos e chantagens, valendo-se da revista Veja.

Foi assim no episódio do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte). Aparentemente houve um conflito entre Cachoeira e o diretor Luiz Antonio Pagot. Providenciou-se a denúncia, destinada apenas a derrubar as resistências de Pagot. Como dizia um bom observador das cenas brasilienses, Cachoeira pretendeu assar o porquinho e acabou colocando fogo na choupana.

O que era para ser um alerta para Pagot coincidiu com a ação do governo de demitir a diretoria do DNIT.
O rastreamento das ações de Cachoeira pela CPMI se concentrará nos aditivos contratuais. E também nos pagamentos efetuados pela Delta a fornecedores. A partir daí será possível identificar o enorme laranjal que constituía o esquema Cachoeira, assim como os esquemas de corrupção nos órgãos contratantes.

Outro trabalho será identificar as reportagens da revista - VEJA - que serviram aos propósitos de Cachoeira. No caso da propina dos Correios, por exemplo, sabe-se que o grampo foi armado entre Cachoeira e o diretor da revista (Veja), com vistas a expulsar um esquema rival dos Correios. Detonado o esquema, o próprio Cachoeira assumiu o novo esquema, até ser desmantelado pela Polícia Federal.

Em todo esse processo, foi crucial a ligação do bicheiro com a revista (Veja). Foi graças a ela que Cachoeira conseguiu transformar seu principal operador político - senador Demóstenes Torres - em figura influente, capaz de pressionar a máquina pública em favor do bicheiro. E foi graças a ela que intimidava recalcitrantes na máquina pública.

Ontem O Globo saiu em defesa da Veja, com um editorial em que afirma que "Civita não é Murdoch". Referia-se ao magnata australiano Rupert Murdoch, cujo principal jornal, na Inglaterra, foi flagrado cometendo escutas ilegais para gerar reportagens sensacionalistas.

Em uma coisa O Globo está certo:
Murdoch negociava os grampos com setores da polícia;
Roberto Civita negociou com o crime organizado.

Um comentário:

  1. Fora de pauta:
    Você não quer ir no III Encontro de Blogueiros Progressistas? Vai ser na Bahia. Mais detalhes no http://www.baraodeitarare.org.br/

    ResponderExcluir