sexta-feira, 20 de abril de 2012

Walter Salles Na Estrada

O artista que se renova

Mesmo gostando de falar sobre “Estradas e Caminhos”, Walter Salles está sempre trazendo algo novo e agradável nos seus trabalhos. Walter Salles faz bem ao Brasil!

Vejam a matéria da Folha de hoje.

O começo da estrada


Adaptação de "On the Road" por Walter Salles inicia sua carreira entre os 22 filmes da competição de Cannes

RODRIGO SALEM – Folha SP - DE SÃO PAULO – 20/04/2012

No instante em que "Na Estrada", adaptação da obra de Jack Kerouac pelas mãos do brasileiro Walter Salles, estrear no 65º Festival de Cannes, uma jornada de mais de 30 anos estará concluída.

O caminho que ontem deu na seleção oficial do evento (de 16 a 27/5) começou em 1979, quando Francis Ford Coppola comprou os direitos para cinema. Desde então, o cineasta tentava levar o texto às telas.

Mas o projeto só tomou forma quando Salles subiu a bordo, em 2004.

"Alguém da produtora dele viu 'Diários de Motocicleta' e nos encontramos para falar de 'On the Road'", lembra Salles, 56. "O livro tinha me impactado, aos 18 anos. Fiquei marcado pela liberdade radical dos personagens. Era o oposto do que vivíamos no Brasil dos anos 1970."
"As dificuldades que encontramos foram sobretudo ligadas à complexidade do projeto e à necessidade de fazer o filme com um orçamento apertado [de US$ 25 milhões]. Mas os limites funcionaram a favor do longa."

Outros pontos ajudaram a produção, como a paixão dos atores pela obra original. Caso de Kristen Stewart, que vive Marylou. "'On the Road' era um dos livro de cabeceira dela", diz Salles, que dirigiu a estrela de "Crepúsculo" sem problemas, mesmo nas cenas de nudez total.
"Há uma qualidade libertária em Marylou, um desejo de experimentação, que Kristen conhecia bem."

Sam Riley, que faz o alter ego de Kerouac, Sal Paradise, e Garrett Hedlund (o amigo Dean Moriarty), embarcaram logo depois. Mas quem impressionou foi Viggo Mortensen, no papel de William Burroughs. "Ele chegou pronto no set, com a roupa do personagem, a máquina de escrever e o revólver que ele usava em 1949. Foi uma transformação impressionante."

A viagem libertária dos amigos levou a equipe ao Canadá, EUA e México.
Em vários pontos, usando a réplica do carro que a dupla dirigiu nos anos 1940.
"Tivemos de ir longe em busca daquela última fronteira norte-americana que os personagens almejam encontrar. Rodamos 100 mil quilômetros."

A ida ao festival francês é o início de um novo périplo.
"Cannes é antes de mais nada um ponto de encontro.
'Na Estrada' é o resultado de uma obsessão de juventude e vai vir ao mundo no festival."

Como homenagem especial: A voz dos Sonhos, personificada em Ella Fritzgerald.


Nenhum comentário:

Postar um comentário