terça-feira, 17 de abril de 2012

Santander - O Silêncio que fala

Precisamos saber a verdade

No último dia 12, quinta-feira, reproduzi neste blog a Nota da Colunista do Jornal O Estado de São Paulo, Sônia Racy, sobre uma possível incorporação do Santander Brasil pelo Bradesco ou pelo Banco do Brasil. Já tinha publicado um texto uma vez em 08/12/2011, como hipótese.

Além dos bancos citados, já fui informado que o BTG de André Esteves também pode estar interessado em disputar a aquisição do Santander Brasil, afinal, ambos são grandes parceiros dos investidores árabes. Esta alternativa está sendo vista como uma forma de manter três grandes players privados. Já que, se o BB incorporar o Santander, o mercado fica na mão praticamente de apenas três grandes bancos: Itaú, Bradesco e Governo Federal.

Passados cinco dias, ninguém esclareceu nada. Os bancos citados silenciaram, o Banco Central manteve seu silêncio costumaz, e, curiosamente, as entidades representantes dos trabalhadores também silenciaram.

O silêncio dos negociadores é compreensível; o silêncio das entidades representativas pode traduzir o medo dos funcionários ante o risco do desemprego. O Itaú incorporou o Unibanco e mais de dez mil funcionários já foram demitidos, principalmente para reduzir custos salariais.

Com o silêncio dos envolvidos, os maiores perdedores podem ser os funcionários, os clientes e os pequenos acionistas.

Acontece que mais de duas mil pessoas já acessaram este blog, procurando informações sobre o assunto e, apenas em quatro dias, gente de países como Estados Unidos, Alemanha, França, Suíça, Espanha, Canadá, Portugal, Holanda, Rússia, Reino Unido, Irlanda, Itália, Ucrânia, Argentina, Uruguai, Angola, China e Japão também já acessaram as matérias sobre o Santander Brasil. Sem contar as mensagens que tenho recebido de várias partes do Brasil.

Se o jornal não negou a notícia, se a colunista manteve a notícia e, mesmo assim, os bancos e as instituições do mercado se calam, para que não caia no esquecimento, reproduzo abaixo partes das matérias já publicadas.

Dia 12/04/2012 – Santander Brasil à Venda – 17:29h.


Nota da colunista Sonia Racy, no Estadão, insinua negociações da instituição comandada por Marcial Portela com Bradesco e BB; bancos espanhóis estão acossados pela crise internacional.
12 de Abril de 2012 às 08:48 – Brasil 247 e Estadão.
“Para acompanhar”:
“Alguns integrantes do Banco do Brasil andam cochichando que o Santander estaria mantendo conversas com o Bradesco – rumo a uma união. Já pelo mercado, a versão é outra: quem quer mesmo se casar com o pessoal do Santander é o pessoal do BB.”

No dia 13 de abril, sexta-feira

E os funcionários do Santander?
Serão tratados com Dignidade?

Depois do trauma do Banespa, o pessoal do Santander, mesmo a maioria não tendo vivido a privatização, começa a viver a ansiedade e a dúvida se seu banco vai ser vendido ou não.
O “mercado financeiro”, as Bolsas, os Sindicatos de Bancários do Brasil, da Espanha, da América Latina e do Mundo, além dos funcionários do Santander, viverão um período de incertezas. É a “doença espanhola” chegando ao Brasil e ao Mundo.

Finalmente:
- O silêncio também fala. Quem cala, consente.
- A omissão muitas vezes pode ser vista como conivência, covardia ou traição.
- Neste caso, os funcionários, os clientes e os pequenos acionistas podem estar sendo traídos na sua confiança, emprego, investimento e credibilidade institucional do Sistema Financeiro Brasileiro.


6 comentários:

  1. Onde há fumaça, há fogo!!! As grandes transações entre bancos sempre foram feitas desta forma: Boato, silêncio e depois a concretização do negócio. e os maiores prejudicados são os funcionários que ficam sem emprego diante da ganância destes banqueiros!!!

    ResponderExcluir
  2. O Itaú fez assim com o saudoso BankBoston. Numa semana, o pessoal do boston poderia comprar um grande banco aqui no Brasil, provavelmente compraria o Unibanco. Na semana seguinte, foi comprado pelo Itaú. e coitados dos funcionários do Boston. Sofreram tanto que a maioria preferiu sair do que viver naquele inferno que era o Itaú. Congelamento de salários, rebaixamento de benefícios, hostilidade dos funcionários do Itaú, repasse de atividades inferiores à suas capacidades.Foi como se as Pernambucanas tivessem comprado a Daslu

    ResponderExcluir
  3. Está acontecendo a mesma coisa quando o antigo BANCO NOSSA CAIXA S.A. foi incorporado pelo BB.
    No início era só especulação, depois o negócio andou de tal forma que quando o pessoal foi ver, já estava fechado...
    Se há boato de que o Santander vai ser comprado por algum outro Banco, pode ter certeza que isso vai acontecer, e não vai demorar...

    ResponderExcluir
  4. o BB tem dinheiro pra comprar o Santander (Brasil) segundo a Bloomberg o Banco mais sólido do nosso país ? Vcs sabiam disso ?

    ResponderExcluir
  5. KKKK Alberto boa comparação do Bankboston com a Daslu , isso mesmo o Santander (Brasil) mesmo sendo o mais capitalizado do Brasil e ai o amigo está certo , não pode ser vendido neste momento depois do IPO só depois de 5 anos , o que o Bradesco e o BB querem comprar são os 8 % que o Santander ficou de lançar no mercado nesse prazo de cinco anos .Então brasileiros os espenhóis não vendem dinheiro vivo , e só quem cacique pra comprar é o Bradesco no momento e segundo mais capitalizado no Brasil e um dos maiores do Mundo e acreditem atrás do Santander (Brasil) em solidez .Grande Abraço .

    ResponderExcluir
  6. BB fora da competição pela fatia do Santander , Dilma vetou .....e agora só teme ele e mais ninguém o Bradesco ,

    ResponderExcluir