sábado, 14 de abril de 2012

Juros Bancários e o Rabo de Foguete

Dilma viaja e deixa a cobrança pública aos bancos

O Brasil quer ser do primeiro mundo.
Chega de cultura de pobreza e terceiromundista.
A regra vale para todos. Vale para as universidades, para as empresas, para o agronegócio, para os políticos, jornalistas, juízes, militares e, vale também, para os Banqueiros.

Distribuição de Renda, melhoria da qualidade de vida
e REDUÇÃO DOS JUROS. Esta é conversa de gente grande.

Como diria Elis Regina, com sua voz maravilhosa: Dilma viajou e deixou um rabo de foguete para os banqueiros...

Dilma bate de novo nos juros dos bancos e pede 'padrão internacional'
Do UOL, em São Paulo – 13/04/2012 – 12:38h

A presidente Dilma Rousseff continuou a bater nos juros dos bancos nesta sexta-feira (13).
Ela disse que o Brasil precisa colocar os juros e os spreads (lucros dos bancos com juros) no nível dos "padrões internacionais".

A presidente fez a declaração em encontro com representantes da indústria, na Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, um dia após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ter criticado os bancos.

Nos últimos dias, o governo federal tem travado uma batalha para baixar os juros. Na última semana, sob determinação do governo, os bancos oficiais (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) derrubaram os juros para tentar influenciar o restante do mercado.
Na terça-feira (10), os bancos privados reclamaram das medidas. Eles fizeram uma reunião no Ministério da Fazenda, cobraram uma dívida de R$ 300 milhões da Receita Federal e pediram menos impostos para só depois cortarem os juros.
Na quinta-feira (12), Mantega, criticou os bancos, dizendo que eles ganham muito e têm margem para cortar os juros.

O Banco do Brasil anunciou no dia 4 um conjunto de medidas para reduzir as taxas de juros das principais linhas de crédito para pessoas físicas e micro e pequenas empresas.
Para financiamento de bens e serviços de consumo --por exemplo, eletrônicos, computador, materiais de construção e pacotes de viagem-- os juros médios serão reduzidos em 45%.

Já o financiamento de carros, com crédito pré-aprovado e sem tarifas embutidas, terá queda de pelo menos 19%, segundo o BB. O cliente poderá financiar a aquisição de um veículo com taxa de juros a partir de 0,99% ao mês.
O BB vai também aumentar em R$ 26,8 bilhões os limites de crédito para micro e pequenas empresas, e em R$ 16,3 bilhões os limites para pessoas físicas.

No dia 9 (segunda-feira passada), foi a vez de a Caixa Econômica anunciar um corte nos juros em uma série de linhas de financiamento, seguindo a decisão anunciada na semana passada pelo Banco do Brasil.
O juro do cheque especial foi cortado em até 67%, para 4,27% ao mês, enquanto as linhas de crédito rotativo de cartão de crédito foram cortadas em 40%, para 9,47%, e nos financiamentos consignados houve diminuição de 34%.


E para reanimar as esperanças...

Elis Regina - O Bêbado e A Equilibrista


Um comentário:

  1. É Gilmar, a nossa Presidenta manda e a Diretoria do BB se faz de morta. Veja a matéria que a Folha publicou hoje com a ajuda da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (ProTeste) e ainda, a bobagem que eles fizeram na Alesp para exposição do Micro Crédito!!! Precisa sair não só o Ricardo Oliveira...

    ResponderExcluir