domingo, 22 de abril de 2012

A Farsa do Estadão

Jornal manipula foto e texto

Quem vê a capa do jornal O Estado de São Paulo de hoje, com uma grande fotografia da repressão, imagina que houve uma Grande Manifestação na Avenida Paulista e que a Polícia de Choque do governador Alckmin, do psdb, jogou bombas e bateu nos jovens que eram contra a corrupção.

É matéria forjada, superdimensionada, manipulação chula, parecendo coisa de estudante contra a ditadura. Se fosse um ato contra o psdb, eu diria que era coisa dos trotskistas, mas como era contra o governo federal, portanto, convocado pelo psdb e apoiado pela imprensa, cheira mais a fascismo e stalinismo.

Este pessoal de “Política Nacional” do Estadão merece ser demitido do jornal. Enquanto a direção tenta melhorar a imagem do jornal, reforçar a honestidade editorial, valorizar ainda mais as qualidades dos cadernos Internacional, Economia e Cultura, o pessoal da “disputa rançosa entre psdb e pt” continua baixando o nível.

Ontem à tarde, depois de ler o Estadão e ter escolhido duas opções de filmes recomendados pelo jornal. Uma opção era “A Separação” e a outra era “As neves de Kilimanjaro”, ambos passando no Reserva Cultural, cinema caro, porém, bem localizado, na Avenida Paulista, e com bom estacionamento.

Fomos, todos contentes, fazer o tradicional programa paulistano, ir ao cinema e depois comer pizza. Um percurso que demora 15 a 20 minutos, demorou mais de uma hora. Quando entramos no buraco da Dr. Arnaldo para sair na Avenida Paulista, estava tudo parado. Pacientemente, ficamos conversando e ouvindo músicas. Tudo continuava parado.

Não tinha um guarda de trânsito, não tinha faixas informando nada e, quando eu liguei o rádio na CBN e na Bandeirantes, para saber alguma coisa, nada, apenas futebol... E o trânsito parado. Depois de mais de meia hora, ao chegar ao Conjunto Nacional, consegui pedir ajuda e chegar à Alameda Santos. Também tudo parado.

Resolvi cortar caminho e passar pela Alameda Casabranca, cortando a Paulista pelo MASP. Tudo parado e alguns “gatos pingados” sem faixas e sem bandeiras. Apenas alguns policiais militares da tropa de choque. Ninguém sabia o que era.
Ao chegar ao estacionamento da TV Gazeta, onde fica o Reserva Cultural, perguntei indignado aos manobristas o que estava acontecendo. Ninguém soube esclarecer. Achavam que era coisa de “professores em greve”.

O pior ainda estava por vir: Quando chegamos à bilheteria do cinema, ouvi da vendedora de bilhetes: O filma “A Separação” já começou e não dá para entrar e “As neves de Kilimanjaro” já está esgotado. Isto é, todos os ingressos já foram vendidos.
Demorarmos mais de uma hora para tentar pegar um filme indicado pelo Estadão e quando chegamos, ambos já estavam fora de cogitação. Lamentável!

Dei aquela olhada triste para minha esposa e perguntei: E aí? – Como diz nosso compositor Chico Buarque. Ela respondeu: O negócio é ir comer a pizza, depois pegar um filme na locadora para assistir em casa. Fizemos isto e voltamos para casa.

No Domingo cedo, 7:30h, quando pego os jornais, o Estadão e a Folha, para minha surpresa, a principal foto do jornal estadão é “a grande manifestação popular na Paulista”! – Mentira! Diria novamente Chico Buarque.

Este tipo de manipulação é perigosíssima, enganadora, fere a imagem do jornal. Ainda ontem, sábado, eu fiz questão de mostrar duas boas matérias do Estadão neste blog. Uma sobre a Economia e outra sobre as eleições na França. Ficou faltando uma sobre o disco “Briga de Galo” dos velhos tempos de 1976, que saiu no Caderno2 - Cultural.

Não acredito que o Estadão esteja “esquizofrênico”, nem que tenha aderido ao “vale tudo”.
Eu continuo achando que o problema é que o Editor ou o sub-Editor de Política Nacional ou é fascista ou é stalinista.
Democrata ele não é...

2 comentários:

  1. Esse tipo de coisa "escrita" só ajuda nossa Presidenta, que continua com índices altíssimos de popularidade (Datafolha)e nosso grande LULA cotadíssimo para 2014!!! Continuem assim, sendo parciais e, como bem disse vc Gilmar, "fascistas" e/ou "stalinista", enquanto isso, milhares de brasileiros deixam a pobreza absoluta e outros tantos, começam sua nova vida na classe "c", consumindo e fazendo o País crescer.
    Mas, continua faltando mulheres em escalões de empresas públicas...

    ResponderExcluir
  2. O UOL encheu de fotos para maximizar, mas vc acabava vendo as mesmas faixas e cartazes em qualquer ângulo. No twitter um cara informou estar na praça e contou 16 pessoas na manifestação dos tucanos. No blog do Brizola Neto mostra (com links) a tal campanha ampulheta propagandeada pelo Reinaldo Azevedo, como se tivesse "brotado" das redes sociais e não a partir deles (os blogueiros do PIG) e uma "manifestante apartidária" que é do PSDB.

    ResponderExcluir