quarta-feira, 14 de março de 2012

Transporte Urbano em São Paulo

Metrô, Trem e Ônibus, você escolhe o problema

Ontem eu conversei com uma colega de trabalho que demora três horas para vir trabalhar e três horas para voltar. Fiquei tão assustado que fui perguntar como ela fazia para trabalhar oito horas, ficar seis horas no trânsito e ter tempo para cozinhar e cuidar de casa. Ela infelizmente parou de estudar.

Ela explicou-me que mora no Jardim das Imbuias, depois de Cidade Dutra, que é depois de Interlagos.
1 – Para vir ao Centro: Ela acorda às 5:30h pega o ônibus às 6:20h até o Terminal Santo Amaro, ao chegar no Terminal Santo Amaro às 8:00h, pegar o ônibus para o Terminal Bandeiras, no Centro, chegando por volta de 9:10 ou 9:20h.
Ela sempre destaca: “Desde que não chova e não tenha acidentes.” Quando isto acontece ela demora muito mais tempo.

2 – Para voltar para Casa:
Pega o ônibus na Praça da Bandeira às 18:00h sentido Terminal Santo Amaro, chega ao Terminal por volta das 19:40h e de lá pega outro ônibus para o Jardim das Imbuias, chegando por volta das 20:50 ou 21:00h. Ela volta a insistir: “Desde que não chova e não tenha acidentes.”

Fiquei desde ontem pensando sobre o esforço desta colega e de milhões de paulistanos. São verdadeiros heróis do mundo do trabalho.

Hoje, quando estava vindo para o Centro, ouvi na Rádio Bandeirantes que o Metrô estava com problemas “raríssimos”, com Estações fechadas e multidões à deriva nas ruas. Depois li na UOL que a CPTM também teve problemas.

Eu sou um grande divulgador da importância do Metrô e do Trem. Sou apaixonado pelo transporte ferroviário. Na Europa e no Japão funcionam maravilhosamente bem. Quando eu cheguei em São Paulo em 1970 já estavam construindo o Metrô e eu estudava na Rua São Joaquim e passava pelos buracos do Metrô em construção na Avenida Liberdade.

Ainda acredito que, mesmo lotado e com problemas, o Metrô e os Trens são melhores do que os ônibus e os automóveis, como alternativa urbana. Mas, nossas autoridades precisam tomar providências para que o povo não seja tão sacrificado com estes problemas diários. Governar é colocar os interesses coletivos em primeiro lugar.

Vejam as notícias da UOL:

Falhas em trens da CPTM e do metrô
prejudicaram quase 200 mil passageiros em SP

Do UOL, em São Paulo - 14/03/201211h56 > Atualizada 14/03/201212h37

Cerca de 200 mil passageiros foram afetados na manhã desta quarta-feira (14) por falhas na linha 9-esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e nas linhas 1-azul e 3-vermelha do Metrô (Companhia do Metropolitano de São Paulo).

O número de afetados na CPTM, de 30 mil passageiros, foi confirmado pelo gerente-geral de manutenção da companhia, Evaldo Ferreira. Diariamente, só pela linha 9 passam cerca de 200 mil pessoas. Pelo Metrô, a assessoria de imprensa informou que foram 65 mil usuários prejudicados na linha azul (Jabaquara/Tucuruvi) e cerca de 100 mil na linha vermelha (Corinthians-Itaquera/Palmeiras-Barra Funda).

Na CPTM, a falha ocorreu por conta de uma pane no sistema de energia na linha 9, o que fez com que os trens circulassem por uma única via, entre as estações Granja Julieta e Santo Amaro, na zona sul, a partir das 6h desta quarta-feira. Segundo a CPTM, a circulação de trens foi normalizada às 8h10.

Falhas anteriores
• Falha na linha 4-amarela do metrô prejudica 16 mil
• Após pane que afetou 16 mil, linha 4-amarela do metrô de SP tem nova falha
• Falha elétrica assusta passageiros no metrô de SP
• Após falha em trem da CPTM passageiros descem na via

Problemas no metrô
Os problemas técnicos no sistema metro-ferroviário da capital afetaram também trens do Metrô: às 6h46 houve uma falha no sistema pneumático de uma composição da linha 3-vermelha (Corinthians-Itaquera / Palmeiras Barra Funda), que seguia para a Barra Funda, quando o trem estava parado na estação Pedro 2º. Os passageiros foram retirados da composição. O trem foi retirado de circulação e será levado para manutenção, segundo o Metrô.

Além desta via, a linha 1-azul também teve problemas. Às 8h03 de hoje, um trem que seguia para o Jabaquara, na zona sul, apresentou problema de tração entre as estações Vila Mariana e Santa Cruz. Devido ao problema, a circulação das composições era feita com redução de velocidade, aumentando o tempo da parada nas estações. O trem foi esvaziado.

Todos os dias, pouco mais de 7 milhões de passageiros usam o sistema de trens e metrô em São Paulo --4 milhões apenas no metrô.


4 comentários:

  1. Você pegou leve. Esses tucanos não fizeram nada de metrô comparando-se com Santiago (Chile) que me parece começaram na mesma época e, embora Santiago seja uma cidade muito menor do que São Paulo, a malha metroviária deles é muito maior. Buenos Aires também é outro exemplo de metrô efeciente. Em São Paulo está cada dia pior, a linha amarela que é privatizada, dá problema todo santo dia...haja saco.

    ResponderExcluir
  2. Os cidadãos precisam ser melhor tratados. Pra onde vão nossos impostos?

    ResponderExcluir
  3. A tal secretária do município está certa. Tem que pagar pra morar em Sumpaulo...

    ResponderExcluir
  4. Ana Tercia Sanches16 de março de 2012 10:31

    Gilmar,

    este tema é quente. Este tema fala diretamente com o POVO.
    E o povo sofre. Pena que sofre calado. De tão esgotado que fica com o transporte público em SP e de ser sugado pelo empregador, não deve conseguir reunir energia e tempo para ir atrás de seus direitos.

    Eu sou parte do povo. Se houvesse uma escala para medir o sofrimento com o transporte público eu estaria num dos níveis mais baixos e AINDA ASSIM eu lhe digo: é insuportável utilizar o transporte público na hora de pico. Mas, o que fazer se o trabalho nos coloca como condição encerrar nosso trabalho em horários que convergem milhões de pessoas num mesmo desejo: ir para a casa, seja para trabalhar ainda mais e poder ficar com sua família ou para cumprir qualquer outra agenda.
    O trasnporte público em SP é insuportável. É desumano.
    Nos sentimos como gado, não há outra expressão que possa ser mais síntese desta condição.
    Espremidos, literalmente espremidos. Socados, jogados, derrubados e até colados no suor do corpo do outro, que trabalhou o dia todo no país tropical.
    Vejo senhoras sendo lançadas contra a parede do trem, próximas as portas, pois alguém empurrou lá atrás e aquilo assume outras proporções, machucando de verdade quem está no meio, no lado, etc.
    Vi pessoas que quebraram o braço, que tiveram seus óculos lançados para fora do rosto, cotovelo que crava na cravícola do que se posiciona ao lado, cabelo que ficou preso na bolsa da pessoa ao lado, cheiro do bafo, daquele que aguarda o jantar depois de um longo dia de trabalho, a centímetros de distância do seu nariz, partes do corpos que se compactam, sem haver o menor cabimento de se pensar em pudor. Perde-se objeto,rasga-se roupa, chinga-se o companheiro ao lado, mas não se constói crítica organizada destes que passam por isso TODOS OS DIAS.
    Já ouvi muita gente dizer no metrô: "canso mais para ir e voltar do trabalho do que trabalhando de fato". Isso deve dizer alguma coisa, porque como sabemos nenhum empregador paga o empregado para ficar descansando. O metrô conseguiu superar a exploração no trabalho?
    Nas eleições sugiro aos candidatos que querem uma bandeira boa para defender e ajudar o povo que sofre: Melhorar o transporte público, seja metrô, trêm ou ônibus, pois todos estão consolidando aquilo que não achávamos que éramos: Gado, animal irracional.

    ResponderExcluir