sexta-feira, 2 de março de 2012

Quanto custa uma eleição?

Estamos discutindo dinheiro e cargos.

Um país onde honestidade, coerência, ética, dignidade, compromisso programático, ideológico ou, ao menos,
compromisso com o eleitor NÃO EXISTE.

Resta discutir QUANTO CUSTA UMA ELEIÇÃO financeiramente e quantos cargos cada partido ou parlamentar quer para mudar de posição. Isto é, ser situação ou oposição nos espaços municipais, estaduais e federais.

Para a Direita, tipo nossa imprensa e os tucanos, ser cínico faz parte da regra do jogo, o jogo do vale tudo. Para a esquerda, comprar e ceder cargos justifica-se por que, se não entrar no jogo, não ganha.

E quem perde é a Democracia, a Verdade e os mais pobres. Triste Brasil!

Esta matéria abaixo mostra o cinismo do Estadão.
Torce para implodir o governo Dilma, mas não informa que no governo do estado de São Paulo, esta prosmicuidade é rotina e é prática dos tucanos neoliberais comprarem os apoiadores, oferecendo cargos, mesmo que seja Maluf, Quércia ou qualquer outro que possa abandonar o governo Dilma.

Não foi por acaso que Dilma chorou.
Ainda temos uma presidenta que tem Dignidade.

Que paguemos o preço que eles querem, desde que não ultrapassem o limite da Dignidade e da Ética. A alternativa a esta promiscuidade é chamar o povo para a mobilização geral e convocar nova Constituinte. Aí é o confronto aberto. É o que a direita está tentando nos obrigar a fazer.

A Democracia ainda é a principal proteção contra à barbárie da direita na Imprensa e no PSDB.

Veja a matéria do Estadão:

Com PMDB à frente, base aliada se rebela, e Dilma busca socorro de Lula

Governo. Presidente deixa Brasília e viaja até São Bernardo do Campo (SP) para discutir cenário político agravado por manifesto de 45 dos 76 deputados peemedebistas que acusam o PT de arquitetar um complô eleitoral; outras siglas também ameaçam o Planalto

02 de março de 2012 | 3h 06 - Christiane Samarco, Eugênia Lopes e Vera Rosa - Brasília - O Estado de S.Paulo

Sob pressão da base governista rebelada contra o apoio do Palácio do Planalto ao PT nas eleições municipais de outubro, a presidente Dilma Rousseff foi se aconselhar com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo (SP), ontem, e adiou qualquer mexida no ministério por mais uma semana.

Em conversa de quase três horas, a presidente e seu padrinho político mostraram preocupação com o racha na base aliada do governo e com as dificuldades para agregar apoio em torno da candidatura de Fernando Haddad (PT) à sucessão do prefeito Gilberto Kassab (PSD).

Os adversários do PT acusam o partido de arquitetar um plano para se tornar praticamente hegemônico no cenário político brasileiro a partir das eleições deste ano.

Manifesto - Dilma ficou furiosa com um manifesto subscrito por 45 dos 76 deputados federais do PMDB, com críticas ao PT e ao governo, e não escondeu a contrariedade ao se encontrar com seu antecessor.

A viagem oficial da presidente à Alemanha neste fim de semana vem em boa hora, para dar uma pausa na base conflagrada. Dilma embarcará sob o peso do manifesto do PMDB, contrariada com as exigências do PR, com as defecções do PSB na votação do fundo de previdência do funcionalismo público, a debandada do PDT e a ousadia do discurso crítico do presidente da Força Sindical e deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), dentro do Palácio do Planalto. A disputa de comando no Banco do Brasil também foi abordada na conversa a portas fechadas.

A rebelião da base vem no embalo da pré-campanha municipal, em que todos os partidos - sejam eles governistas ou de oposição - se dizem ameaçados pelo projeto de crescimento do PT, em detrimento dos parceiros da aliança. O pânico maior vem do PMDB, partido que concentra sua força política e eleitoral nas bases municipalistas. Hoje o maior partido do País contabiliza 1.177 prefeitos. Os mais alarmistas diante da movimentação do PT para ampliar suas prefeituras temem que o PMDB acabe reduzido à metade.

"Nós estamos vivendo uma encruzilhada, onde o PT se prepara com ampla estrutura governamental para tirar do PMDB o protagonismo municipalista e assumir seu lugar como maior partido com base municipal no País", diz o manifesto de 25 linhas que será oficialmente encaminhado na segunda-feira ao vice-presidente Michel Temer.
Maus tratos - A iniciativa do protesto partiu do grupo dissidente que não se cansa de reclamar dos maus-tratos do governo, mas os setores mais próximos da cúpula peemedebista acabaram aderindo. Afinal, a preocupação com o apoio do governo à ofensiva petista assombra o conjunto do partido.

Como a eleição de prefeito tem repercussão direta no tamanho das bancadas que sairão das urnas de 2014, o PMDB tem pressa. O manifesto propõe um encontro nacional das bases (prefeitos, vereadores e presidentes de diretórios regionais) no dia 25 de abril, em Brasília. Se o partido encolher em outubro, será difícil tirar do PT a presidência da Câmara em 2013, a despeito do acordo de rodízio no cargo.

Na esteira do lançamento da pré-candidatura do tucano José Serra a prefeito de São Paulo, o PR decidiu pôr suas exigências sobre a mesa. Viu aí a oportunidade de voltar ao Ministério dos Transportes, em troca do apoio a Haddad. O PTB se uniu ao PSC na reivindicação da cadeira de ministro do Trabalho, antes ocupada pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. "Juntos, temos 40 deputados e sempre somos fiéis ao governo", cobrou o deputado Sílvio Costa (PTB-PE), tentando mostrar a boa vontade de seu partido para compensar a debandada dos 26 pedetistas.

No PSB, o descontentamento da bancada ficou claro na votação do fundo de previdência. Foram 16 votos contrários e apenas 10 favoráveis ao governo. O Palácio do Planalto tomou o racha do PSB como uma afronta, deixando tontos os líderes do governo. "Até agora não entendi o que houve com o PSB", desabafou o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Nenhum comentário:

Postar um comentário