sexta-feira, 2 de março de 2012

Lei Burra e Juiz Estúpido

Dilma, por favor, mude a lei!

Não é a primeira vez que isto acontece!
As pessoas têm filhos, casados ou não, depois são obrigados a pagar pensão dos filhos, e, geralmente os Homens desaparecem e deixam as AVÓS para pagar a pensão. Quando estas não pagam são presas!
É uma das maiores vergonhas do Brasil atual.

Se alguém tem que ser preso, deve ser o pai que não está pagando a pensão.
Se não acharam o pai, que mandem a Polícia e a Justiça atrás.
O que não pode é prender as velhinhas que vivem de aposentadorias. Lamentável!

A lei é burra, mal feita e o juiz que manda prender a velhinha é um estúpido! Não tem sentimentos, nem mãe, nem avó!

Dilma, por favor, já que os legisladores não mudaram ainda esta lei,
use seu poder de Presidenta, mãe e avó e faça uma Medida Provisória mudando esta lei.

Vamos salvar as velhinhas dos filhos pilantras, dos juízes estúpidos e das leis burras.

Vejam a matéria da Folha SP de hoje:

Idosa fica 31 horas presa por não pagar pensão dos netos

Aposentada não fez o pagamento nos últimos 6 meses;
hoje ela recebe R$ 292 e precisa pagar R$ 300 à ex-nora
Moradores da cidade se sensibilizaram com o caso e fizeram campanha para juntar dinheiro para soltá-la

LÉO ARCOVERDE - DO “AGORA” – Folha SP – 02/03/2012

A agricultora aposentada Luzia Rodrigues Pereira, 74, ficou 31 horas presa em uma cela da Cadeia Pública de Vianópolis, cidade de 12 mil habitantes do interior de Goiás, porque não pagou seis meses de pensão alimentícia aos quatro netos.

Segundo Luzia, eles têm idades entre 8 e 19 anos. A aposentada pagava R$ 300 por mês à ex-nora.
Luzia foi detida às 9h de terça-feira e libertada às 16h de anteontem. Ela deixou a cadeia após moradores da cidade e a advogada dela arrecadarem, por meio de uma campanha feita por um blog e por uma rádio da cidade, os R$ 1.588 que ela devia.

DECISÃO

Luzia paga pensão há três anos por decisão da Justiça, já que o filho dela não é localizado desde então. Ele, que não teve o nome divulgado, estaria desempregado.

"Eu estava fazendo meu cafezinho quando a polícia chegou à minha casa. Fiquei em uma cela suja, igual a uma criminosa. O mau cheiro na cela era tão grande que pedi para lavarem a cadeia", disse Luzia ontem.
Ela disse, também, que ficou "mais aliviada" quando soube que "todo mundo ajudou" para tirá-la da cadeia.
Luzia conta que trabalhou por 62 anos como boia-fria. Ela recebe R$ 622 mensais. Como contraiu empréstimos, na prática, só ganha R$ 292 - R$ 8 a menos que a pensão. Ela conta que tem problemas de saúde e precisa comprar diversos remédios.

Como não tinha mais como arcar com a despesa, segundo especialistas,
ela poderia ter pedido à Justiça uma revisão do valor
e até conseguir a isenção comprovando que não tem condições de pagar.

5 comentários:

  1. Concordo plenamente Gilmar. Nossa presidenta, que tem a caneta na mão, bem que poderia mudar este aspecto da lei, para evitar juizes sem eira nem beira e pessoas inescrupulosas. Arre !!!!

    ResponderExcluir
  2. Camarada Gilmar, concordo com sua indignação.

    Só faço um reparo. Como defensores da democracia, eu acho que é melhor a presidenta do país mandar um projeto de lei para a Camara Federal, casa de representação do povo (por pior que sejam as figuras lá).

    É lá que devem ser feitas as leis.

    Abraços, William Mendes

    ResponderExcluir
  3. É o maior absurdo da nossa legislação. Parece que existe um princípio fundamental que diz que ninguém deve pagar pelo erro dos outros. Como é que aparece uma lei que obriga os pais a pagar pelos desandos dos filhos? Se o pai não pode sustentar o filho que gerou, o governo é que precisa cuidar disso, e não o avô. Ou a sexta economia do mundo não tem dinheiro e obriga os pobres avós a arcar com o problema da assistência social?

    ResponderExcluir
  4. O juiz que mandou prender a senhora de 74 anos já deve ter concedido a liberdade para muitos estupradores, assassinos e ladrões, sempre seguindo a Lei que permite a soltura após cumprido um sexto da pena.

    Mais um ponto a ser alterado numa próxima Constituinte.

    ResponderExcluir