quinta-feira, 15 de março de 2012

BB - Dormindo com o Inimigo

Crise de autoridade, é o que estamos presenciando

Se o Ministério da Fazenda, a Polícia Federal, o Banco Central, o Banco do Brasil, enfim, se o governo quiser saber quem está distribuindo informações sigilosas para a imprensa, é fácil descobrir.
Não adianta “fingir de morto”, senão muita gente “vai morrer de fato”, isto é, vai ser demitida.
É preciso acabar com a baixaria no Banco do Brasil.
Dilma e Gilberto Carvalho precisam tomar providências JÁ!

Vejam a matéria da Folha de SP de hoje:

Presidente da Previ pagou casa com dinheiro vivo

Dirigente de fundo de pensão afirma que tomou R$ 190 mil emprestados de empresário

ANDREZA MATAIS – Folha SP – Brasilia – 15/03/12

O presidente da Previ, Ricardo Flores, usou R$ 190 mil em dinheiro vivo para comprar uma casa em Brasília em 2010. Flores afirma que tomou o dinheiro emprestado de um empresário conhecido, que negou a informação.
Funcionário de carreira que chegou à vice-presidência do Banco do Brasil, Flores assumiu em junho de 2010 a Previ, fundo de pensão dos funcionários do banco, que tem ativos de R$ 150 bilhões.

Depois, comprou a casa de uma dentista por R$ 1,65 milhão. Na semana passada, Flores disse à Folha que pagou R$ 900 mil com um empréstimo da Previ e R$ 750 mil com recursos "disponíveis". Flores ganha R$ 50 mil bruto por mês.
A dentista Angela Françolin disse que parte do pagamento foi feito em espécie. "Fui um dia, à tarde, buscar na imobiliária. O dinheiro estava num envelope pardo."

Questionado sobre isso, o presidente da Previ disse que, para completar sua parte, tomou R$ 190 mil emprestados de um empresário e repassou os recursos em espécie a pedido da dona da imobiliária que intermediou a transação.
Segundo documentos que Flores exibiu à Folha, o empresário é Jorge Ferreira, dono de restaurantes em Brasília e amigo de políticos do PT.

Ferreira disse conhecer Flores, mas afirmou que nunca emprestou dinheiro a ele. "Nunca. Para o presidente da Previ? Me tira disso." Procurado novamente ontem, Ferreira não quis dar entrevista.
O presidente do BB, Aldemir Bendine, também usou dinheiro vivo num negócio em 2010, quando pagou R$ 150 mil em espécie por um apartamento em São Paulo.Flores e Bendine são protagonistas de uma disputa política que tem alimentado trocas de acusações. Colaborou ÍTALO NOGUEIRA, do Rio


Outro lado

Flores afirma que origem do dinheiro é legal


Folha de SP – Brasilia

O presidente da Previ, Ricardo Flores, disse que financiou a compra da casa que adquiriu em 2010 de forma legal. Flores disse que usou um empréstimo da própria Previ e pagou o restante com "recursos disponíveis", incluindo aplicações financeiras e o empréstimo de R$ 190 mil do empresário Jorge Ferreira.
"O empréstimo foi realizado de forma absolutamente regular e está registrado em minha declaração de Imposto de Renda, como manda a legislação", afirmou Flores.

"Não houve recursos guardados em casa ou embaixo do colchão. Consegui um empréstimo pessoal", disse.
Informado de que Ferreira negou ter feito o empréstimo a ele, Flores não quis fazer comentários. "Como se trata de questão pessoal, protegida pelo sigilo fiscal, reservo-me o direito de não divulgar mais informações sobre a questão", afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário