quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Nascer e morrer no mar

Tempos e Lugares

O mar da Praia do Forte, principalmente em frente ao Projeto Tamar, tem como característica, quando a maré está baixa, a formação de piscinas naturais.
Dizem os moradores, que estas piscinas naturais servem para as tartaruguinhas se esconderem quando ainda são pequenas.
Para os turistas, servem para as crianças brincarem sem risco de se afogarem.
Estas piscinas, além de bonitas, protegem tanto as crianças, como as tartaruguinhas.

Vejam esta foto do mar, em frente ao Projeto Tamar, pela manhã,
Com as piscinas naturais, quando a maré está baixa:


Andando pela praia pela manhã, é possível encontrar áreas cobertas de fungos verdes e bonitos. Ao tirar a fotografia, ficamos com a impressão que estamos olhando uma floresta, quando estamos no avião, ou estamos olhando uma estepe bem verdinha.





Tudo isto voltará a ficar sob as águas,
Quando a maré voltar a subir.
É o efeito do mar.





Andando mais um pouco, encontraremos regiões que nos lembram os desertos. A aridez das pedras e das areias parecem regiões que antigamente foram fundo de mar e agora são desertos. O mar virou deserto, como o sertão.




E tudo voltará ao mar.
Como o mar virou sertão,
O sertão vai virar mar.


Assim, o mar nos dá uma grande lição.

Num mesmo dia, podemos ter florestas, desertos, piscinas e voltar tudo a ser o mar.
A vida, tanto pode ser medida por dias, meses, anos, décadas, séculos e milênios.

Vejam esta foto do final da tarde, na praia em frente ao Projeto Tamar, na Praia do Forte.


Se a gente souber cuidar da natureza e da nossa própria existência,
a gente pode compartilhar nossas alegrias com o mar.

As tartaruguinhas nascem na praia, correm para o mar
e quando, já grandes, precisam por seus ovos, voltam nas mesmas praias,
para que seus filhotes também voltem para o mar.

Nós também, inconscientemente,
estamos sempre procurando o mar...




Nenhum comentário:

Postar um comentário