sábado, 25 de fevereiro de 2012

Mais um Arrastão em São Paulo

Operação Padrão ou Incompetência?

Meu Deus, pensei que hoje não teria notícias de arrastão por que não estava na capa dos jornais, mas fui passando as páginas e lá estava a maldita notícia: ”Arrastão em prédio de luxo nos jardins”.

O quê é pior para São Paulo?
Ficar refém dos arrastões, assaltos e furtos dos bandidos mascarados; ou ficar refém de disputas eleitorais de políticos que usam o mandato como trampolim? Vamos recorrer a quem? Os juízes também estão brigando entre si. Além de rezar, talvez o melhor seja a própria população organizar-se.

E eu só queria falar de flores neste sábado.
Mas a segurança das pessoas é a coisa mais importante em qualquer cidade.
E nós vivemos com medo e sem a ter a quem recorrer.

Leiam a matéria de hoje:

Bando faz arrastão em prédio residencial de luxo nos Jardins


Foi o 5º caso em condomínios residenciais neste ano em São Paulo; ao menos 3 apartamentos foram invadidos

Folha SP – Rogerio Pagnan e Luisa Pessoa – 25/02/12

Aproveitando um portão deixado aberto por uma visitante, um grupo armado invadiu anteontem um prédio de luxo nos Jardins (zona oeste) e realizou o quinto arrastão a condomínios residenciais neste ano na capital paulista.
A polícia suspeita que quase todos tenham sido praticados por uma só quadrilha ou haja uma ramificação dela nos grupos que agiram nos outros casos. Ninguém foi preso.

Essa suspeita se deve à semelhança física de alguns suspeitos observada pelos policiais nas imagens captadas pelos sistemas de câmeras dos condomínios assaltados. No ano passado, houve 12 arrastões. Para a polícia, não há aumento de crimes, pois os dois primeiros meses de 2011 também tiveram cinco casos.

O roubo de anteontem ocorreu pouco depois das 21h na rua Jerônimo da Veiga, no Jardim Europa.
A via é considerada segura pela polícia, já que há outros prédios com seguranças, até na calçada.
Nenhum deles percebeu, porém, quando dois homens aproveitaram o portão aberto para render o porteiro. Segundo o registro oficial, nem mesmo a visitante que deixou o portão aberto notou.
Com o funcionário sob a mira de armas, os ladrões conseguiram liberar a entrada de quatro comparsas. Todos portavam pistolas e revólveres. O porteiro disse à polícia que o grupo ameaçou atirar em sua nuca, se houvesse reação.

APARTAMENTOS

Pelo menos três apartamentos foram invadidos pela quadrilha - o prédio tem uma unidade por andar.
Até a tarde de ontem, a polícia sabia que dinheiro, joias e cartões bancários haviam sido levados de um dos apartamentos. Quanto aos outros dois, não havia informações detalhadas, pois os moradores não tinham ainda feita queixa.
Conforme o diretor-executivo do grupo de segurança Haganá, Chen Gilad, os ladrões entraram em alguns apartamentos acionando a campainha da porta. Segundo ele, não havia vigilantes profissionais do prédio, função que era feita, em tese, pelo porteiro. O grupo foi contratado emergencialmente ontem pelo condomínio para melhorar o sistema de segurança. Parte da quadrilha deixou o local com o carro de uma das vítimas, um Hyundai Azera, depois abandonado.

Oservação do Blogueiro:
Vejam que coincidência:
O prédio não tinha segurança profissional e depois do assalto contratou a Segurança Haganá, que é a mais cara.
Já vivi situação igual quando morava na Vila Sônia, uma pessoa se apresentou como policial, tinha porte de arma, mostrou o revolver e disse que poderia prestar serviço com mais segurança do que o "guardinha civil". Aos poucos todos os moradores migraram o serviço do "guardinha" para o "policial à paisana".
Não parece com as Milícias do Rio de Janeiro?
Com a palavra o governador e a nossa imprensa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário