quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Eleições na CUT Nacional

Mais um Ramo Nacional se define

Por várias vezes eu postei matérias sobre “Os sinais dos tempos na CUT Nacional”.
Depois de 29 anos de fundada, tudo indica que, pela primeira vez haverá um presidente oriundo da categoria bancária. Não é qualquer coisa. É um fato histórico, já que havia uma resistência política dentro da própria tendência majoritária em aceitar que a Central fosse presidida por um bancário. Os argumentos foram ficando velho.

Agora, finalmente, a paz deveria ter chegado à Central. Mas os bancários ainda não se entenderam e há dois candidatos na categoria. Um de São Paulo e outro de Brasília. Ambos valorosos e capazes. Mas só um será eleito.

Eu tenho reproduzido neste espaço, declarações de apoio dos ramos nacionais. Sindicatos individuais ou de federações são importantes, mas, quando um ramo nacional se posiciona tem um significado maior. Os rurais têm apoiado Jacy Afonso, mas não tiraram posição nacional, até por que, para nossa tristeza, a Contag desfiliou-se da CUT. Quando receber apoio de ramo nacional para Jacy Afonso, também divulgarei neste espaço.

Desta vez, foram os dirigentes da CNTSS - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social que se posicionaram apoiando majoritariamente Vagner Freitas, já indicado pela Confederação Nacional dos Bancários da CUT, pelos Metalúrgicos e pelos Professores, entre outros ramos. Recebi cópia do documento de apoio da CNTSS, assinado por Maria A. A. G. Faria, coordenadora Nacional da Articulação do Ramo da Seguridade Social.

Lula e outras personalidades também já declararam apoio a Vagner Freitas.

Já declarei publicamente que o ideal seria que Jacy Afonso, dirigente histórico e grande amigo, declinasse de sua candidatura e aceitasse o nome indicado pela Articulação Nacional, tendência majoritária na Central. Creio que, com este gesto, Afonso cresceria mais ainda perante todos. Já vivi este tipo de experiência, quando da sucessão de Jair Meneguelli, e não me considero diminuído por isto.

Aproveito para convidar os dois candidatos bancários a visitarem a importante exposição sobre a ÍNDIA, que está acontecendo no Centro Cultural Banco do Brasil, no Centro de São Paulo.

São mais de 8 mil anos de História, um país continental que, além de ser o berço de diversas religiões, como o Budismo e o Hinduísmo. A Índia já conviveu com vários impérios internos e externos, sendo um dos países mais importantes do mundo.

Vamos aprender com Buda, com Gandhi e com os milhões de indianos.

Os sinais dos tempos são de Paz,
apesar das guerras existentes...



3 comentários:

  1. Quando é o Congresso, Gilmar? Vai ser (pra variar) em São Paulo? E essa disputa, quem me explica? Eu ando completamente por fora. O Jacy Afonso saiu da Articulação? Vai ser decidido dentro da tendência? Tem chance de rachar?

    Outra coisa: não sabia da saída da Contag. Qual a razão?

    Sugestão - aproveita que você continua bem informado, mas já saiu da disputa cotidiana, pra informar sobre o movimento sindical aqui no blog.

    (ou pelo menos me manda um email... rs)

    Abç

    ResponderExcluir
  2. Joel Bueno, o Jacy Afonso não saiu da Articulação, muito pelo contrário.

    Entre no site (http://www.jacyafonsopresidente.com.br/hotsite/) e veja todas as notícias sobre o processo eleitoral na CUT, inclusive os desmentidos de sindicalistas do Ramo noticiado pelo Gilmar e de outro Ramo, o dos Químicos, que negam opção por Freitas.

    O Gilmar recebeu um documento informando da opção, mas outra sindicalista, Margareth Alves Dallaruvena, secretária de Formação da CNTTS e presidente da Federação Nacional dos Assistentes Sociais (Fenas), afirma que a decisão não foi tomada.

    Da mesma forma, o secretário especial de Minérios da CNQ e presidente da Federação Interestadual dos Trabalhadores nas Indústrias da Extração, Pesquisa e Prospecção de Minérios e Metais Básicos, Metálicos e Não Metálicos da CUT (Fitem-CUT), Jorge Luiz Campos, é taxativo sobre a inexistência de posição na Confederação sobre apoio aos candidatos.

    Pelo visto, a chance de rachar, Joel, caminha célere.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A articulação sindical está rachada? Ambos os candidatos pertencem à Articulação Bancária e, pelo que me recordo à época em que estive no SEEB DF, ambos tinham a mesma orientação política dentro do movimento dos bancários.
      Daí vem a pergunta que não quer calar: a disputa é política ou pessoal?

      Excluir