quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

São Paulo Sol, Chuva e Flores

O Vermelho, o Amarelo e as Orquídeas

Viver em São Paulo é “padecer no paraíso”. No dia do aniversário da cidade, dia 25 de janeiro, estava um sol muito bonito, um calor de praia e muitas atividades culturais e esportivas. No dia seguinte, chuva, muita chuva.
A cidade pára, o trânsito fica insuportável, como sempre nos dias de chuva.
O que a gente gastaria uma hora para fazer, demora horas e horas, afetando o humor de todos.

Hoje eu não tirei fotografias, só dirigi.
Acordei às cinco horas da manhã, peguei muito trânsito, pedágios e mais pedágios. Paulista adora pegar fila e pagar caros pedágios. Reclamam, mas sempre votam em quem cobra pedágios caros e se dá bem com a imprensa. Não sei quando isto vai mudar. O argumento é que nossas estradas são as melhores do Brasil. A este preço, qualquer coisa fica a melhor do Brasil.
É igual a perfume de mulher. Para ser bom, tem que ser caro?

Mas ontem, dia 25 de janeiro, dia da cidade de São Paulo,
eu tirei muitas fotos.
Duas delas eu deixei para mostrar hoje.
Nem sabia que ia chover tanto.

A primeira é esta combinação de Vermelho e Amarelo.
Flores bonitas, plantadas em frente a uma casa.
O pé é igual aquele da Rua João Moura com suas flores Amarelas.
Este canteiro tem mais flores Vermelhas que Amarelas.
Talvez estejam prenunciando um novo tempo para São Paulo...

Vejam que beleza!
O Vermelho e o Amarelo


Esta combinação de Vermelho com Amarelo, lembra o romance de Stendhal, ”O Vermelho e o Negro”.
Lembra os tempos de mudanças, as dicotomias da vida. Stendhal relata a França pós Napoleão, a Europa sendo reconstruída. O Brasil também está mudando muito, o mundo está em crise aguda, vamos ter eleições municipais em todo Brasil.

Nossa cidade sofre com as chuvas, as inundações, os buracos, as construtoras e as disputas eleitorais.
Como mudar nossa cidade, sem ficar refém da politicagem?
Como ter bons administradores?
Como escolher um bom prefeito?
Como nossa imprensa pode ajudar, em vez de apoiar candidatos só por serem contra os candidatos que a imprensa não gosta?
Como ser realista sem ser chato?
Como contribuir para as mudanças de forma positiva, afirmativa e construtiva?
Talvez a gente precise voltar a ler mais os bons romances e os bons livros de história.
No livro “O Vermelho e o Negro”, as mulheres também desempenham importantes papéis.
É preciso prestar mais atenção no que as mulheres dizem.
Elas podem fazer a diferença.

Enquanto os políticos não resolvem os problemas de São Paulo,
as pessoas plantam flores.

Nas ruas de São Paulo, da Vila Madalena e da Vila Beatriz, irmãs em vida e em bairros, você pode encontrar Orquídeas plantadas nas árvores em frente das casas e dos restaurantes. O interessante é que as pessoas não “roubam” ou se apropriam das Orquídeas plantadas nas árvores,
elas passam a fazer parte da paisagem.


São Paulo é uma rua precisando de mais uma árvore, é um diamante bruto, que bem trabalhada, se transforma em uma jóia que ilumina as idéias, dá força ao trabalho e estimula o lado cultural, esportivo e familiar das pessoas.

É uma cidade conservadora e moderna.
Onde tudo está disponível, embora com muita dificuldade para uma parcela grande da população.

É uma “locomotiva” que aponta caminhos...
Aqui os sonhos podem se realizar. Por mais estranhos que sejam...
É só ter coragem de dar os passos pelos diversos caminhos que vão aparecendo.
E você pode descobrir muitas flores pela cidade. Mesmo em dias de chuva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário