segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Renuncia presidente do Banco Central Suíço

Por suspeita de Corrupção

Realmente muitas coisas estão fora de ordem. Vejam a matéria que saiu no Economist. Vou divulgar em inglês por que ainda não tive tempo de fazer a revisão no português.

Procurem ler, mesmo que tenham que pedir para alguém traduzir.
A corrupção faz parte da humanidade, só que em algumas sociedades os controles são mais efetivos.
Na América Latina ainda estamos engatinhando, mas chegaremos lá.

Swiss central bank chief quits

Exit Hildebrand
The Economist - Jan 9th 2012, 16:40 by D.S. | BERLIN

AN EXAMPLE for Christian Wulff, Germany’s beleaguered president? When Philipp Hildebrand resigned as president of the Swiss National Bank (SNB) on January 8th, after a scandal involving personal foreign currency trades, he seemed visibly relieved. He was his old self as he told reporters that he simply could not establish, beyond doubt, that his wife had switched SFr400,000 into dollars on August 15th, two days before a powerful SNB intervention in the foreign exchange market, without his knowledge. “That was the case, but I can’t prove it,” he explained. Rather than compromise his power to make tough central bank decisions in future he was resigning, he said.

That ended nine years at the Swiss central bank, the last two of them as governor. “I’d like to think I’ve been a damn good central banker,” he said. And there are many who would agree. As Swiss governor for the International Monetary Fund, a member of the Basel Committee on Banking Supervision and vice-chairman of the fledgling Financial Stability Board he has been a refreshing figure in international finance, partly because of his former market experience at Moore Capital Management, a hedge fund. He has to surrender those roles along with the SNB presidency. In Switzerland he was one of the first to demand that the two biggest banks raise more capital. And he helped to force through a “Too big to fail” law designed to make their sorties into investment banking safer.

That earned him enemies, particularly among right-wing politicians. Was politics behind the breaches of bank secrecy that provided the details from his personal bank account that led to his resignation? “I think it’s up to you to find that out,” he told reporters. After a break, however, Mr Hildebrand and his lawyer Peter Nobel will be considering what legal action to take, and against whom. Meanwhile, there are questions about the governance of the Swiss National Bank. One issue is the code of ethics, which allows board members too much freedom to trade. With hindsight Mr Hildebrand agreed that personal foreign exchange dealing does not fit with the role of a central bank governor, who should have “absolute credibility”. Another issue is doubts about the independence of a central bank which has a board that includes people with private-sector involvement. Expect a long-overdue shake-up.

Um comentário:

  1. Camarada Gilmar, boa noite.
    Segue tradução.
    Daniel Reis
    Central suíço chefe do banco sai

    Hildebrand de saída
    The Economist - 09 de janeiro de 2012, 16:40 por DS | BERLIN

    UM EXEMPLO para Christian Wulff, presidente sitiado da Alemanha? Quando Philipp Hildebrand renunciou ao cargo de presidente do Banco Nacional da Suíça (SNB) em 08 de janeiro, após um escândalo envolvendo o pessoal de negócios em moeda estrangeira, ele parecia visivelmente aliviado. Era o seu velho eu como ele disse a repórteres que ele simplesmente não foi possível estabelecer, sem sombra de dúvida, que sua esposa tinha mudado SFr400, 000 em dólares em 15 de agosto, dois dias antes de uma intervenção SNB poderosa no mercado de câmbio, sem o seu conhecimento. "Esse foi o caso, mas não posso prová-lo", explicou. Ao invés de comprometer o seu poder para fazer duras decisões do banco central no futuro, ele estava se demitindo, disse ele.

    Que terminou nove anos no banco central da Suíça, os dois últimos deles como governador. "Eu gostaria de pensar que eu tenho sido um bom banqueiro maldita central," disse ele. E há muitos que concordam. Como governador da Suíça para o Fundo Monetário Internacional, membro do Comité de Basileia de Supervisão Bancária e vice-presidente do Conselho de Estabilidade Financeira inexperiente, ele tem sido uma figura refrescante nas finanças internacionais, em parte por causa de sua experiência no mercado ex-Moore Capital Management, um fundo de hedge. Ele tem que entregar os papéis, juntamente com a presidência SNB. Na Suíça, ele foi um dos primeiros a exigir que os dois maiores bancos levantar mais capital. E ele ajudou a força através de um "Too big to fail" lei destinada a fazer suas incursões em investment banking mais seguro.

    Que lhe rendeu inimigos, especialmente entre os políticos de direita. Era política por trás da violação do sigilo bancário que forneceu os detalhes de sua conta bancária pessoal que levou à sua demissão? "Eu acho que é até você para descobrir isso", disse ele a jornalistas. Depois de um intervalo, no entanto, Hildebrand deputado e seu advogado Peter Nobel será considerar as medidas legais a tomar, e contra quem. Entretanto, existem dúvidas sobre a governança do Banco Nacional da Suíça. Uma questão é o código de ética, que permite que os membros do conselho liberdade demais para o comércio. Com Hildebrand retrospectiva deputado concordou que lidar troca pessoal estrangeiro não se coaduna com o papel de um governador do banco central, que deve ter "credibilidade absoluta". Outra questão é a dúvidas sobre a independência de um banco central que tem um conselho que inclui pessoas com envolvimento do setor privado. Esperar um longo atraso shake-up.

    ResponderExcluir