sábado, 28 de janeiro de 2012

Chuva, Frio e Flores

Em pleno Janeiro em São Paulo

Já dizia o poeta que “o sertão vai virar mar, e o mar vai virar sertão”. Pois o inverno chegou em São Paulo em pleno mês de Janeiro. Só esperou passar o aniversário da cidade. São sinais dos tempos. O inverno paulista já não tem mais garoa e o verão agora tem inverno. O que os ecologistas acham disto?

Apesar do frio, acordei muito cedo neste sábado e, depois do café, fui fazer a feira, lá no Sacolão da Vila Sônia. É uma forma de matar a saudade dos mais de vinte anos que moramos lá, esperando chegar o Metrô. Parece que agora vai chegar, está em construção, mas ainda não chegou. Agora moramos na Vila Madalena, que tem Metrô mas não tem integração até o metrô. Só de taxi ou a pé.

Na ida para o Sacolão da Vila Sônia, ao passar pela avenida que liga a Vila Beatriz à Praça Panamericana, vi muitas Flores de São Paulo, tanto do lado direito como do lado esquerdo. E pensei: quando estiver voltando, vou dar uma paradinha para tirar umas fotos. Assim, o tempo estará melhor e mais claro. Eram oito horas da manhã.

Na volta do Sacolão da Vila Sônia, parei o carro para tirar as fotos.
Agora os lados estão invertidos, o que era esquerda, virou direita; e o que era direita, virou esquerda.

Vejam primeiro estas flores mais avermelhadas.
São duas árvores em frente a uma grande casa.


Agora vejam a segunda foto,
com as flores do outro lado da rua e com cores mais escuras.
É somente uma árvore florida e, como está entre outras espécies,
não tem o mesmo impacto que as flores avermelhadas.
Mas estas outras flores são mais frequentes em nossa cidade.


O interessante é que, ontem, quando estava vindo para casa, passei pela Rua Maria Antonia, a famosa rua onde estão a Universidade Mackenzie e a antiga Faculdade de Filosofia, Ciências Sociais e Letras da USP. Observei que na calçada do Mackenzie, em frente à Filosofia da USP, tem uma grande árvore desta acima.

Na época da ditadura militar, muitas batalhas campais entre estudantes que apoiavam a ditadura (Mackenzie) e os agitadores contra a ditadura (Filosofia da USP),aconteceram nesta rua.

Com o tempo,as flores venceram os canhões e hoje,
entre as duas faculdades, existem flores.
E a democracia e a liberdade governam o Brasil.

Talvez se as pessoas prestassem mais atenção nas flores,
não precisariam passar por ditaduras nem guerras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário