quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Dilma com o povo de São Paulo

No Centro Sindical dos Bancários

Estamos na véspera do Natal e uma grande multidão faz fila na Rua Tabatinguera, 192. O Centro Sindical dos Bancários. Não é greve dos bancários, nem assembléia do Banco do Brasil ou do Banespa. Também não é distribuição de cestas básicas ou presentes.

São os trabalhadores e trabalhadoras que coletam papel e papelão nas ruas de São Paulo para serem reciclados. É uma profissão dos excluídos e abandonados pelos governos anteriores a Lula e Dilma. Agora eles são gente que sentam e cantam com a presidenta da república e seus ministros presentes.

Estavam presentes também dirigentes sindicais da CUT e da UGT, dirigentes de estatais como BB, Petrobrás, BNDES e Correios. Velhos e novos militantes que enfrentaram a ditadura nas ruas e nas prisões e que hoje ao se encontrem rememoram as velhas lutas e as novas conquistas.

Dilma reafirma seu compromisso em ser a presidenta de todos os brasileiros, especialmente dos mais pobres.

Todos também homenagearam Lula
e desejaram muito sucesso no seu tratamento. Ele não pôde comparecer, mas todos estavam com ele.

Vejam Dilma falando no Centro Sindical dos Bancários, na manhã de hoje. A foto é de longe, mas é importante ter esta visão abrangente.


Neste mesmo Centro Sindical há muitos anos atrás, nós promovemos um show diferente. Um show alternativo. E foi o dia que esta quadra esportiva viu mais gente. Era uma fila que ia até a Praça João Mendes. E as pessoas perguntavam o que ia acontecer ali. E a resposta era uma só:

Vai ter um show de Raul Seixas!

Hoje cedo, quando vinha para o Centro, escutei na Rádio USP, várias canções antigas. E ri comigo mesmo ao ouvir o locutor dizer que “Tente outra vez” era composição de Raul Seixas e Paulo Coelho. Dois monstros da nossa história dos anos sessenta para cá.

E naquele Centro Sindical de hoje, vários monstros da nossa história política estavam presentes. Muitos deles ouviram esta música quando ainda estavam na clandestinidade. Usando outros nomes e sobrenomes. E se alimentavam das músicas de Raul Seixas e Paulo Coelho.

Por ironia, ontem a noite tivemos o lançamento também no Sindicato dos Bancários de São Paulo, do livro “Privataria Tucana” e compareceram mais de quinhentas pessoas. Foram vendidos 350 livros, por que não tinha mais para vender. Parece que os tempos estão mudando...

Neste Natal, as músicas do velho Raul Seixas podem estar sinalizando uma nova fase para aqueles que lutaram por um mundo mais solidário, mais humano e mais fraterno. E mesmo Paulo Coelho morando longe e Raul continuar cantando no céu, nós aqui no Brasil vamos continuar trabalhando para um Brasil Sem Miséria.

E quando estivermos desanimados, nos lembraremos destes trabalhadores e trabalhadoras das Ruas do Brasil e cantaremos: Tente outra vez... Mataremos a saudade dos velhos tempos, e ficaremos felizes com o que fizemos e continuamos a fazer.

Tente outra vez... Música de Raul Seixas e Paulo Coelho

Um comentário:

  1. "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo."

    "O Universo me espanta e não posso imaginar que esse relógio exista e não tenha um relojoeiro."

    "Deus é aquilo que me falta para compreender o que não compreendo."

    "Ninguém morre, as pessoas despertam do sonho da vida."

    "O Ponto de vista é o ponto da questão."

    "...Você tem dois pés para cruzar a ponte... Nada acabou! Tente. Levante sua mão sedenta e recomece a andar... Não pense que a cabeça aguenta se você parar... Você será capaz de sacudir o mundo. Tente outra vez..."

    =======

    Há pessoas que passam por nós igual a um cometa.

    Brilho igual só vemos uma vez na vida.

    Resta uma vaga lembrança na memória, que fica marcada por uma saudade irremovível.

    São muitos os cometas, mas cada um tem sua marca própria. Um deles foi Raul Seixas.

    ResponderExcluir