sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Jardineiro Anônimo

Onde era terra, agora são flores

No final da Rua Isabel de Castela há um pequeno triângulo, separando o fluxo dos carros entre as três vias. Este triângulo era abandonado, com pouca grama e mal cuidado pela prefeitura. De repente alguém começou a transformar aquele pequeno espaço entre os carros, num pequeno jardim. Não dá para saber se é patrocínio de alguma empresa ou se é um voluntário, já que não existe nenhuma placa. A tradição é que, quando é patrocínio, a placa é maior do que o benefício...


Além de cuidar das flores, o “Jardineiro Anônimo” colocou também uma estrutura com uma gaiola vazia, mas com uma parte externa onde ele fixa frutas como maçãs e bananas para os pássaros comerem. Assim, quando as pessoas passam de carro, além de verem muitas flores, podem também ver pássaros como sabiás e periquitos comendo na gaiola com portas abertas.


Como vocês podem ver, graças a este voluntário anônimo, a paisagem foi mudada para melhor. Um dia, ao passar para ir fazer feira, vi um senhor de idade cuidando das plantas. Fiquei com vontade de parar para conversar com ele, mas tinha que fazer a feira.

Hoje o sol amanheceu mais cedo e os pássaros também. Quando fomos tomar café, ouvimos os gritos dos periquitos que estavam no telhado da nossa casa. Era hora também da mãe dar comida ao filhote. Quando fomos ler os jornais, o sabiá andava no nosso jardim atrás das minhocas. Era hora de alimentar o seu filhote. Quando abri a porta da rua para vir trabalhar, um filhote de rolinha estava em nossa árvore, sacudindo as asas e pedindo comida para a mãe.

Na primavera os pássaros cantavam e se amavam. Agora é hora de cuidar dos filhotes já crescidos. A árvore da vizinha, conhecida como “pata de vaca”, que deu lindas flores, agora está cheia de vagens que pipocam soltando sementes que os pássaros comem. Sejam os periquitos, os pombos ou sabiás.


Nosso pé de jabuticaba está com as frutas maduras, onde os pássaros vão bicá-los para saborear os frutos e jogar as sementes no chão. Sem contar as milhares de pitangas que estão nas ruas da Vila Madalena.

Por falar em voluntários, amanhã, a partir das 10:00h, na Praça Vicentina, o pessoal dos cartazes estará fazendo uma atividade e conhecendo novas pessoas. Apesar da especulação imobiliária,ainda há esperanças!

Um comentário:

  1. Quando eu morava em Copacabana, meu apartamento era de fundos e o miolo do quarteirão era de pátios, estacionamentos e árvores, algumas enormes. Eu botava um daqueles frascos de alimentar beija-flor na janela. Depois li que não é bom para os pássaros. Eu não sabia.

    O fato é que a minha casa era visitada todos os dias por beija-flores de vários tipos. Também eram muitos os passarinhos que cantavam de manhã. Em plena Copacabana.

    ResponderExcluir