sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Para que servem os Tribunais de Contas?

Prestem atenção nesta informação.

A matéria divulgada hoje pelo blog “Amigos do presidente Lula” destacando que a Wikleaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos Estados Unidos, pode ter vários olhares e importâncias. Para mim, se há brasileiros informantes dos Estados Unidos ou de qualquer outro país, é menos importante do que a informação contida no texto sobre o TCU – Tribunal de Contas da União.

Afinal, para que servem os Tribunais de Contas, municipais, estaduais e federal? Como eles são compostos? Por políticos e eleitos entre eles? Uma coisa que precisa acabar no Brasil é esta estrutura jurídica e política de constituição de órgãos compostos exclusivamente por advogados e/ou políticos. Este pessoal não pode estar acima da sociedade. Vejam este caso das Emendas Parlamentares no Estado de São Paulo. Os parlamentares empurraram a investigação para o Ministério Público Estadual. Dá para confiar?

A matéria diz que o TCU em 2006 era APARELHADO PELOS TUCANOS e que faz análises não confiáveis. Isto cabe uma CPI!
Quanto a Fernando Rodrigues, talvez ela seja um palestrante, não um agente com carteirinha da CIA ou do FBI. É comum as empresas e governos convidarem personalidades para fazerem palestras. Como também é comum contratar personalidades. Não quero pré julgar ninguém.

Wikileaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos EUA

Nos documentos vazados pelo Wikileaks, o jornalista Fernando Rodrigues, colunista da Folha de S. Paulo, também aparece como informante, em encontro na embaixada dos EUA.

Numa conversa de 2006, Rodrigues teve um encontro com representantes da embaixada americana, e disse entre as quatro paredes que o TCU (Tribunal de Contas da União) era aparelhado politicamente pelos demo-tucanos, e tinha relatórios feitos para usar como batalha partidária da oposição contra o governo.

Disse que o tribunal faz análises não confiáveis e seus noves ministros são geralmente ex-senadores ou ex-deputados escolhidos por seus colegas para atuarem partidariamente. Rodrigues citou nominalmente o ministro Aroldo Cedraz, a quem classificou como “carlista” – ligado ao finado Antonio Carlos Magalhães.

De acordo com os documentos, Rodrigues também fazia análises políticas para a embaixada americana e avaliou o cenário da Câmara em 2006, que teve como oponentes Arlindo Chinaglia, do PT, e Aldo Rebelo, do PCdoB. Rodrigues disse que, se Aldo perdesse, ganharia como prêmio de consolação o Ministério da Defesa (o que não ocorreu). (Com informações do Portal 247).
Sexta-feira, 28 de outubro de 2011 – Amigos do presidente Lula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário