terça-feira, 25 de outubro de 2011

O mundo e as flores

Cada um vê conforme se sente

Nossa imprensa insiste em mostrar o Brasil e o Mundo como um conjunto de tragédias...

Para a imprensa: as primaveras árabes estão virando apenas barbáries, as eleições na Argentina foram um retrocesso e uma violência contra a liberdade da imprensa reacionária, os bandidos brasileiros são mais legítimos para denunciar má administração do que os políticos e funcionários públicos. Nossa imprensa tem saudade de Ronald Reagan e do “big stick”. Nossa imprensa tem síndrome de vira-lata.

Mas o mundo passa por grandes transformações, de forma bem menos violenta do que foi o mesmo período do século passado. A visão elitista e hegemônica do mundo está sendo superada pela inclusão de centenas de milhões de pessoas na sociedade de consumo e na sociedade da informação. As democracias ainda não estão prontas, estão chegando aos poucos, mas a qualidade de vida de milhões de pessoas indubitavelmente melhorou.

Assim, ao ler jornais todos os dias, eu até posso ficar mau humorado, mas, ao ver as flores na Vila Madalena minha alegria retorna imediatamente.

Vejam estas belas e minúsculas flores rodeadas de folhas verdes. Parece uma homenagem às cores do Brasil. Verde e Amarela. O azul está no céu e o branco está na nossa alegria pacífica e solidária.


A gente fica ainda mais alegre ao receber novos visitantes de outros países no nosso blog. Representando o país número 44, foi alguém na Áustria, e o número 45 foi alguém em Taiwan. Além dos visitantes tradicionais dos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Canadá e Portugal, temos recebidos visitas das Filipinas, da Holanda, Rússia e Israel. Falta alguém na Palestina, Egito, Tunísia, Líbia e Síria... O pessoal da primavera árabe.

E para toda esta gente que nos visita, vou mostrar mais flores...
Vejam esta variação do verde a amarelo!



Mas os reacionários gostam mesmo é deste tipo de foto:


Esta árvore além de ter mais de 50 anos de vida, tinha mais de um metro e trinta centímetros de largura. Ela floria e servia para os bem-ti-vis e sabiás fazerem ninhos. Agora resta um pedaço do tronco ainda não arrancado do chão.

E contra a violência das construtoras, dos reacionários e dos maus administradores, volto a mostrar mais uma foto, como despedida de hoje.


Flores de perto, para evidenciar a beleza e sabedoria da Natureza.

3 comentários:

  1. É de ficar de cabelo em Pé, como o cinismo é forte mais as garras da verdade dia a dia são arremata douras, varrendo o lixo capital a um confinamento onde as voltas deste mundo vai chegar

    ResponderExcluir
  2. É de ficar de cabelo em Pé, como o cinismo é forte mais as garras da verdade dia a dia são arremata douras, varrendo o lixo capital a um confinamento onde as voltas deste mundo vai chegar

    ResponderExcluir
  3. Desculpe, qual o nome dessa flor tão linda?

    ResponderExcluir