segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Com a palavra os Judeus do Mundo

Unesco reconhece Estado Palestino

Como uma pessoa que apóia abertamente a existência do Estado de Israel, que inclusive já visitou o país e esteve reunido com autoridades locais, que tem muitos amigos brasileiros que são judeus, conclamo os Judeus do Mundo a dar um basta a esta situação insuportável.

Temos que torcer por uma solução negociada e pacífica. Mas o mais forte precisa ser mais magnânimo. E o mais forte há muito tempo é Israel. Os palestinos não podem depender só dos árabes. Eles precisam do apoio do mundo. Afinal, foi a ONU que fez o serviço incompleto.

Se queremos democracia na Síria, no Irã, no Egito e nos demais países árabes, para que tenhamos autoridade para exigir, precisamos contribuir efetivamente para que a solução dos problemas dos Palestinos e Israelenses passe por uma negociação que envolva a ONU. E os Estados Unidos não estão com autoridade para determinarem o processo sozinhos.

Que os Judeus do Mundo se posicionem!
Não se esqueçam da História.

Vejam a matéria do Estadão:

Unesco reconhece Estado palestino como membro pleno


Agência é a primeira a aceitar adesão palestina; decisão pressiona Conselho de Segurança
31 de outubro de 2011 | 10h 47 - estadão.com.br

PARIS - A Conferência Geral da Unesco aprovou nesta segunda-feira, 31, a admissão da Autoridade Palestina (AP) como membro de pleno direito do órgão. A votação, realizada em Paris, contou 107 votos a favor, 14 contra e 49 abstenções, tendo como resultado a adesão do Estado palestino à entidade ligada à Organização das Nações Unidas (ONU).

Vários países latino-americanos, entre eles o Brasil, e potências emergentes, como China e Índia, se posicionaram de forma favorável ao ingresso do Estado palestino à Unesco - braço da ONU voltado para a Educação, Ciência e Cultura. Contrários ao ingresso estão nações como Estados Unidos, Alemanha e Canadá.

A Unesco é a primeira agência da ONU a reconhecer o Estado palestino. Em setembro, o presidente da AP, Mahmoud Abbas, levou o pedido de adesão ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que entregou o documento ao Conselho de Segurança - órgão máximo do organismo internacional que ainda avalia o processo.
O ingresso é uma vitória dos palestinos e pode pressionar os membros do Conselho de Segurança na decisão sobre o reconhecimento do Estado palestino, o objetivo maior da empreitada da AP nas Nações Unidas.

Diplomatas palestinos garantem que não deverão limitar à Unesco sua ofensiva diplomática. Nas próximas semanas, eles prometem solicitar a adesão palestina a entidades como a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, a Unctad, a Organização da ONU para o Desenvolvimento Industrial, a Organização Mundial da Saúde e a União Internacional de Telecomunicações, todas em Genebra, além do Tribunal Penal Internacional.

Os Estados Unidos, que se opõem abertamente à empreitada, ameaçaram cortar as doações à Unesco caso o Estado palestino fosse reconhecido. Washington, membro permanente e com poder de veto no Conselho de Segurança, promete barrar a adesão.
Com Efe e Associated Press.

EUA ameaçam UNESCO e Palestinos

Governo Democrata se acovarda

Parece mentira, quem se lembra na Campanha Eleitoral de Obama com o “Yes, We can”, jamais imaginaria que ele tomaria as posições que está tomando. Seja em relação à Unesco, aos palestinos e aos banqueiros. Não é a toa que o povo americano está em campanha para “Ocupar Wall Street”. Sem Obama, é claro.

Vejam abaixo a triste matéria do Estadão de hoje.

Unesco sofre pressão para rejeitar palestinos

EUA ameaçam cortar sua contribuição financeira
à entidade se adesão da Autoridade Palestina for aprovada em votação prevista para hoje

31 de outubro de 2011 | 3h 04
JAMIL CHADE , CORRESPONDENTE / GENEBRA - O Estado de S.Paulo

A tentativa dos palestinos de tornar seu Estado membro pleno da ONU deve passar por seu primeiro grande teste hoje, data em que a Autoridade Palestina (AP) pediu para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) votar sua adesão ao organismo. Washington alertou que, se a proposta for aprovada, suspenderá sua contribuição financeira à Unesco, o que representa um quarto do orçamento da entidade.

Diplomatas palestinos esperam que a votação ocorra hoje, quando a Unesco abre seu encontro anual na capital francesa. Mas sabem que o tema pode ser adiado por causa da pressão de americanos e europeus. A votação coincidiria com a presença em Paris do ministro de Relações Exteriores da AP, Riyad al-Malki. "Temos a possibilidade de abrir uma nova era para a ONU e para os palestinos", declarou ao Estado o enviado palestino à Unesco, Elias Wadih Sanbar.

A estratégia dos palestinos é simples: na ONU, seu pedido de adesão feito em 23 de setembro terá de passar pelo Conselho de Segurança, onde os EUA têm poder de veto; na Unesco, basta obter o apoio de dois terços dos 193 países que votam.

O presidente americano, Barack Obama, deixou claro que é contra a iniciativa, alegando que apenas um acordo entre palestinos e israelenses pode resultado no reconhecimento de um novo Estado. "Esse voto pode ter sérias repercussões", afirmou a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Victoria Nuland, em nota. "O voto é prematuro e pode minar o processo na ONU em Nova Iorque" disse. "Não acreditamos que o objetivo que todos temos - de ter dois Estados - pode ser atingido por uma organização de ciência e cultura em Paris. Já deixamos claro o que pode ocorrer se a adesão for aprovada", alertou.

Se a pressão americana fracassar, a Casa Branca será colocará em operação duas leis aprovadas em 1990 e 1994, que preveem o fim da contribuição financeira dos Estados Unidos à Unesco. "Esperamos que as autoridades da Unesco entendam que o preço a ser pago pela adesão palestina será muito alto", alertou Nimrod Barkan, embaixador israelense.

Temendo ficar sem dinheiro até para pagar salários e manter programas, a diretora-geral da Unesco, Irena Bokova, publicou na semana passada uma carta aberta pedindo a Washington que não puna sua entidade. Ela lembrou ainda que a Unesco apoia "muitas causas em linha com os interesses americanos" no Iraque e Afeganistão.

Os palestinos e outros membros da ONU já deixaram disseram que estão dispostos a desafiar os americanos. Na semana passada, o Conselho Executivo da entidade aprovou colocar o tema na agenda. Dos 58 países que formam parte do Conselho, apenas quatro votaram contra - Alemanha, Romênia, Letônia e Estados Unidos. Outros 14 se abstiveram, grande parte deles europeus.

O governo francês também tem feito campanha contra a adesão
, alertando que a Unesco "não é a instituição adequada" para tratar da questão do Estado palestino. A adesão à Unesco também teria um efeito prático. Os palestinos são hoje apenas membros observadores e uma participação plena permitiria que pedissem à Unesco a proteção de locais históricos que hoje estão nas áreas ocupadas por Israel.

Lula vai tirar a barba

Lula, Sansão e David

Li nos jornais de hoje que Lula vai tirar a barba. Depois os cabelos e não ficará nem bigode. Ouvi no rádio que há pessoas na internet fazendo campanha baixaria, comemorando a doença e dizendo para ele tratar-se no SUS. É típico do pessoal serrista. Liberaram os demônios e agora o resultado está aí. Até gente da imprensa participa da baixaria.

É engraçado dar destaque a ter que tirar a barba.
Isto me lembra uma história interessante.


Em 1991, nós tivemos a eleição mais difícil da história do Sindicato dos Bancários de São Paulo. Vários grupos políticos se juntaram tentando derrotar a Articulação Sindical. Era a Antártica (Anti-Articulação) contra a Chapa Número 1 (parafraseando a campanha da Brahma na época). Os sindicalistas de todo o Brasil se mobilizaram pela chapa 1 ou pela chapa 2. Era o destino da CUT e do PT que estava em jogo. Era uma concepção mais democrática contra outra mais esquerdista.

Ganhamos as eleições de São Paulo, depois fomos para o Rio de Janeiro e derrotamos a chapa da Convergência Socialista, que dirigia o Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, e assim conseguimos garantir a maioria da Articulação no Congresso Nacional da CUT. Esta maioria da Articulação na CUT foi fundamental para garantir o caráter sindical da central e também para recuperar a maioria da Articulação no PT.

É importante lembrar que, naquela época, na CUT atuavam militantes de dezessete partidos, tendências e agrupamentos políticos. E a Articulação não era só do PT, tinha também PMDB, PSDB, PDT, PSB, a militância da Igreja e outros agrupamentos.

Passadas as eleições, como era 1991 e o mundo vivia a euforia do fim do stanilismo no Leste Europeu, mesmo sendo época de Campanha Salarial dos Bancários, eu resolvi tirar minha barba pela primeira vez, depois de catorze anos. Ninguém no sindicato, nem minha esposa e minha filha, tinham me visto sem barba. E ser barbudo e feio naquela época era uma demonstração de força contra a Ditadura Militar e os pelegos nos sindicatos.

O secretário geral nacional da CUT e presidente do maior sindicato dos bancários do Brasil tirou a barba e assumiu que era para comemorar a derrota do “esquerdismo no Brasil e do stanilismo no Mundo”. Isto foi notícia em todos os jornais e revistas. Alguns jornalistas não se deram por satisfeitos e foram perguntar a Lula, presidente do PT, e a Meneguelli, presidente da CUT, se eles iam também tirar a barba. Além de darem muita risada, Lula disse que não vinha ao caso.

Passados alguns anos, Lula começou a aparar a barba, deixando-a baixinha e bonita, parecendo um executivo. Ainda mais por que ele também passou a usar ternos de grifes. Assim, ele ficou mais simpático, ganhou as eleições presidenciais e virou o melhor presidente que o Brasil já teve.

Agora a barba de Lula volta a ser assunto.

Com certeza a direita vai comemorar quando conseguir uma foto de Lula “pelado”, sem barba, cabelo e bigode. Vão publicar em primeira página e fazer inúmeras matérias. Vão parecer os “filiteus” comemorando o corte de cabelo de Sansão. Mas, além de Sansão ter dado o troco aos filiteus, Lula para nós é maior do que Sansão. Lula é o nosso David, que derrotou Golias e virou rei de Israel unificado e entrou para a História.

Lula já está na História do Brasil como o maior líder sindical, o maior político vinculado aos trabalhadores e o melhor presidente que o Brasil já teve. O Mundo também reconhece isto, apenas nossa direita não reconhece. Esta mesquinhez política da nossa direita lembra à direita americana que, quando começa a perder o jogo, vira a mesa, matando pessoas ou suspendendo repasse de dinheiro, como está ameaçando fazer agora com a UNESCO e a participação dos Palestinos.

Lula é como esta plantinha que se recicla, renasce a cada estação e a cada chuva, florescendo e trazendo alegria e beleza. Esta foto é daquela “Lágrima de Cristo” que estava “pelada”, sem folhas e sem botões, como se fosse sem barba, cabelo e bigode. E hoje está florida e distribuindo felicidades.


Lula vencerá!
Lula viverá muito tempo ainda e será presidente da república quantas vezes quiser e for preciso.

domingo, 30 de outubro de 2011

Brasil como 6ª maior economia mundial

Sinais dos tempos na Folha de SP?

Alguma coisa aconteceu na Folha de SP nesta semana. Saíram publicadas várias matérias mostrando aspectos positivos do país, como a matéria abaixo, e até autocríticas. Poderia ser sempre assim. Mostrar as coisas boas e as ruins. E todo mundo ganha. Mesmo sabendo que “gato escaldado tem medo de água fria”, não posso deixar de registrar este dado positivo. Parabéns ao pessoal boa gente da Folha.

Brasil deve ser neste ano a 6ª maior economia mundial


Consultorias e FMI estimam que país vai ultrapassar o PIB do Reino Unido

Economia brasileira pode superar todos os europeus até 2020; crise nos desenvolvidos justifica o novo ranking.

SÍMBOLO DA EXPANSÃO: Vista de Suape (Pernambuco); crescimento do país fará o porto receber investimento de R$ 24 bilhões, principalmente do setor privado, até 2014

ÉRICA FRAGA - DE SÃO PAULO

A crise dos países desenvolvidos ajudará o Brasil a ganhar posições com mais rapidez no ranking de maiores economias do mundo. Em 2011, o Produto Interno Bruto brasileiro medido em dólares deverá ultrapassar o do Reino Unido, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional e das consultorias EIU (Economist Intelligence Unit) e BMI (Business Monitor International).

A estimativa mais recente, da EIU, prevê que o PIB do Brasil alcance US$ 2,44 trilhões, ante US$ 2,41 trilhões do PIB britânico. Com isso, o Brasil passará a ocupar a posição -inédita desde, pelo menos, 1980- de sexta maior economia do mundo. Em 2010, ao deixar a Itália para trás, o país já havia alcançado o sétimo lugar.

Como a economia brasileira cresce em ritmo menor que a de outros emergentes asiáticos, em 2013, o país deverá perder a sexta posição para a Índia. Mas voltará a recuperá-la em 2014, ano da Copa do Mundo, ao ultrapassar a França, segundo a EIU.
Até o fim da década, o PIB brasileiro se tornará maior do que o de qualquer país europeu, de acordo com projeções da EIU. Depois de passar Reino Unido e França, a economia brasileira deverá deixar a alemã para trás em 2020.

"O fato de que a economia brasileira ultrapassa as de países desenvolvidos reflete os efeitos da entrada de grandes segmentos pobres da população na classe média", afirma Robert Wood, analista sênior da EIU. Segundo Wood, isso ajuda a impulsionar o consumo doméstico.

A tendência de ascensão dos emergentes já era esperada por especialistas há anos, mas tem ganhado velocidade devido à crise global. Quando o banco Goldman Sachs inventou o acrônimo Brics (que se refere a Brasil, Rússia, Índia e China) em 2003, previa que a economia brasileira ultrapassaria a italiana por volta de 2025 e deixaria os PIBs francês e britânico para trás a partir de 2035.

Desde então, não só a expansão da economia brasileira ganhou fôlego - em grande medida, a reboque do apetite chinês por commodities - como também o crescimento de nações desenvolvidas afundou desde 2008.

Embora a EIU tenha reduzido recentemente as projeções de crescimento do Brasil para 3% e 3,5%, respectivamente, em 2011 e 2012, sua expectativa de expansão do Reino Unido é de apenas 0,7% em ambos os anos.
Segundo especialistas, a principal consequência para o Brasil de galgar lugares no ranking das maiores economias é consolidar uma posição de maior relevância no cenário político mundial.

"O Brasil tende a ganhar maior voz em fóruns internacionais, e é importante que se prepare de forma adequada para assumir esse papel", afirma o economista Rogério Sobreira, da Ebape/FGV.

sábado, 29 de outubro de 2011

"Vidas dos Artistas" como Da Vinci e Michelângelo

Imperdível, apesar do preço

Se o Brasil fosse um país sério, comprava um exemplar para cada escola e biblioteca. É impossível pensar o Renascimento sem tomar conhecimento deste livro. É como conhecer Marx e Freud só a partir de textos escritos por outras pessoas.

Em português já existe um outro clássico da pintura e escultura, escrito por E. H. Gombrich, “A História da Arte”, que também é imperdível. Um complementa o outro.
Na música é a mesma coisa. Existem vários bons livros sobre a música e os compositores. Por exemplo, outro dia compramos na Sala São Paulo, o livro de Harold C. Schonberg, “A Vida dos Grandes Compositores”. Erudito e mais para quem já conhece o assunto.

Outro dia quando fui tomar um cafezinho na livraria Martins Fontes da Praça Patriarca, além de tomar o café, acabei encontrando um livro raro e muito interessante: “Uma História da Música para Crianças”, escrito por Monika e Hans-Gunter Heumann e também editado pela Martins Fontes. Comprei pensando nas crianças e adolescentes, mas o livro é muito bom para todo mundo.

É outra obra que deveria estar em todas as escolas e biblioteca. Dinheiro não é problema, por que com apenas nove anos de idade eu e muitos amigos já estávamos aprendendo música na Filarmônica 30 de Junho, de Serrinha - Bahia, isto em 1962.

Por falar em arte, fotografar Moisés, o original, numa velha Igreja de Roma, é como voltar no tempo e recuperar quanto a humanidade já fez e ainda pode fazer.Moisés nos reporta ao Egito antigo, ao judaísmo, ao cristianismo e ao Renascimento. E a arte é a melhor forma de registrar a História. Conhecer a História da Humanidade pela Arte é bem melhor do que pela História das Guerras.


Enfim, vejam a boa crítica escrita por Fábio Cypriano:

Primeiro livro de história da arte sai em português
"Vidas dos Artistas" reúne trajetória e técnicas de produção de pintores
FABIO CYPRIANO - CRÍTICO DA FOLHA SP – 29out2011

"O contorno das pernas é belíssimo, enquanto os flancos esbeltos têm inserções divinas; nem se viu jamais pose tão suave e graciosa que se lhe equipare."
A descrição um tanto apaixonada não faz parte de um romance: é como Giorgio Vasari (1511-1574) apresenta o famoso Davi, de Michelangelo, esculpido entre 1501 e 1504.
Seu livro "Vidas dos Artistas", publicado em 1550, lançado, agora, na íntegra, pela primeira vez no Brasil, e mesmo em língua portuguesa, foi o primeiro grande compêndio sobre os artistas do Renascimento, num misto de relato biográfico e considerações pessoais.
Muito do que se sabe sobre Leonardo da Vinci (1452-1519) e sobre o próprio Michelangelo (1475-1564), de quem Vasari era amigo, é conhecido por conta de sua narrativa preciosista e empolgada.
A primeira parte do livro aborda as diferentes técnicas de produção da arquitetura, escultura e pintura da época e a vida de mais de cem artistas, divididos em três fases.
Na primeira fase dos relatos biográficos, que tem início com Giovanni Cimabue, Vasari fala de artistas que começaram a imitar os antigos.
Na segunda, o autor trata dos que inventaram o uso da perspectiva, como Botticelli e Andrea Mantegna.
Finalmente, na terceira fase, ele aborda de Da Vinci até Michelangelo, porque depois dele, deixa claro, nada restava a um imitador fazer.
A narrativa, recheada de adjetivos, nem de longe coloca dúvidas sobre a pesquisa minuciosa para a publicação de 500 anos. Sobre "A Última Ceia", de Da Vinci, o afresco na parede de um convento em Milão, apontada como uma das obras seminais do Renascimento, o autor chega a relatar detalhes de bastidor:
"A nobreza da pintura [...] provocou no rei da França o desejo de levá-la ao reino, coisa que ele tentou por todos os meios, pensando em recorrer a arquitetos que com vigas de madeira e ferros a sustentassem de tal maneira que ela pudesse ser levada incólume". O esforço, conclui, foi em vão.
Vasari foi também pintor e arquiteto, mas o que de fato o fez fundamental foi ter iniciado uma narrativa tão bem articulada a ponto de ser tido como pai da história da arte.

VIDAS DOS ARTISTAS
AUTORA Giorgio Vasari
EDITORA WMF Martins Fontes
TRADUÇÃO Ivone Castilho Bennedetti
QUANTO R$ 125 (856 págs.)
AVALIAÇÃO ótimo

Depois da crise, as flores

Na vida, dias podem durar eternidades

Em pouco tempo, todo o glamour do desempenho do Ministério do Esporte para valorizar o Brasil e trazer a Copa do Mundo e as Olimpíadas, virou pó e ressentimentos. Os predadores saciados abandonam momentaneamente a caça e busca novas oportunidades e novas necessidades. Tem o dia da caça e o dia do caçador.

E como hoje é sábado, prefiro encerrar a semana com flores e vida.





Vejam como a “Lágrimas de Cristo” está ficando bonita! Esta foto foi tirada no dia 27/outubro/2011.










Vejam que há quinze dias atrás, as folhas estavam nascendo e já tinham alguns botões. Isto foi no dia 12.


E por último, vejam que há apenas vinte e cinco dias, isto é, no dia 2 de outubro, ainda predominam os gravetos secos e começam a aparecer pequenas folhas.

Assim é a vida. Em apenas vinte e cinco dias, saímos de quase nada e já estamos vendo belas flores e muito verde. Esta singela planta ainda ficará mais bonita. E depois voltará a secar, perder as folhas e esperar uma nova estação.

O tempo pode ser o maior adversário, mas se bem compreendido pode tornar-se o nosso maior aliado. Seja na relação afetiva, no trabalho ou na política. O tempo precisa ser respeitado e levado em consideração.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Para que servem os Tribunais de Contas?

Prestem atenção nesta informação.

A matéria divulgada hoje pelo blog “Amigos do presidente Lula” destacando que a Wikleaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos Estados Unidos, pode ter vários olhares e importâncias. Para mim, se há brasileiros informantes dos Estados Unidos ou de qualquer outro país, é menos importante do que a informação contida no texto sobre o TCU – Tribunal de Contas da União.

Afinal, para que servem os Tribunais de Contas, municipais, estaduais e federal? Como eles são compostos? Por políticos e eleitos entre eles? Uma coisa que precisa acabar no Brasil é esta estrutura jurídica e política de constituição de órgãos compostos exclusivamente por advogados e/ou políticos. Este pessoal não pode estar acima da sociedade. Vejam este caso das Emendas Parlamentares no Estado de São Paulo. Os parlamentares empurraram a investigação para o Ministério Público Estadual. Dá para confiar?

A matéria diz que o TCU em 2006 era APARELHADO PELOS TUCANOS e que faz análises não confiáveis. Isto cabe uma CPI!
Quanto a Fernando Rodrigues, talvez ela seja um palestrante, não um agente com carteirinha da CIA ou do FBI. É comum as empresas e governos convidarem personalidades para fazerem palestras. Como também é comum contratar personalidades. Não quero pré julgar ninguém.

Wikileaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos EUA

Nos documentos vazados pelo Wikileaks, o jornalista Fernando Rodrigues, colunista da Folha de S. Paulo, também aparece como informante, em encontro na embaixada dos EUA.

Numa conversa de 2006, Rodrigues teve um encontro com representantes da embaixada americana, e disse entre as quatro paredes que o TCU (Tribunal de Contas da União) era aparelhado politicamente pelos demo-tucanos, e tinha relatórios feitos para usar como batalha partidária da oposição contra o governo.

Disse que o tribunal faz análises não confiáveis e seus noves ministros são geralmente ex-senadores ou ex-deputados escolhidos por seus colegas para atuarem partidariamente. Rodrigues citou nominalmente o ministro Aroldo Cedraz, a quem classificou como “carlista” – ligado ao finado Antonio Carlos Magalhães.

De acordo com os documentos, Rodrigues também fazia análises políticas para a embaixada americana e avaliou o cenário da Câmara em 2006, que teve como oponentes Arlindo Chinaglia, do PT, e Aldo Rebelo, do PCdoB. Rodrigues disse que, se Aldo perdesse, ganharia como prêmio de consolação o Ministério da Defesa (o que não ocorreu). (Com informações do Portal 247).
Sexta-feira, 28 de outubro de 2011 – Amigos do presidente Lula.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

As Flores, os Frutos e a Saúde

Vamos falar de coisas bonitas

Se você tiver um pequeno espaço em sua casa ou apartamento, você também pode compartilhar uma alegria desta. Conviver com pequenas belezas que alegram nosso quotidiano.

Vejam estas pequenas flores da Nandina:


- Esta plantinha está florindo na calçada entre uma garagem e outra. Um quadrado de 20x20cm.

Destas singelas flores, surgem vermelhos frutos que duram meses:


– Esta foto depois da chuva é emblemática!

E as flores e os frutos só aparecem depois de muitas folhas nascerem, morrerem e nascerem outras:


- O sol deixa as folhas vermelhas e a chuva deixa as folhas bem verdinhas.

Os filhos, são como as flores.

Esta noite tivemos a imensa alegria de saber que ontem foi o último dia de aula no curso de medicina de nossa filha. Em novembro teremos a formatura e ela ainda terá uma bateria de provas para tentar entrar na Residência Médica. É uma maratona...

Quanto custa formar um médico no Brasil? Quanto ganha um médico no serviço público?
Por que depois de seis anos de estudos e trabalhos, ainda tem que passar por mais uma série de vestibulares disputadíssimos e tem que pagar por cada inscrição um valor médio de R$500,00?

Esta alegria, de ver a filha formar-se em medicina, não tem preço.

Como não tem preço o esforço que fazemos para ver as flores, os frutos e as folhas das plantas do nosso bairro e da nossa cidade.

Vida longa às plantas e à nossa filha.

A árvore, a floresta e o Brasil

Sinais especiais na política

Executado Kadafi, digo, derrubado o ministro Orlando Silva
, ele deixa de ser “corrupto” para ser mais uma vítima da estrutura partidária e jurídica brasileira. Assim se comporta a imprensa e a direita. Não deveria separar a imprensa da direita, mas é bom mostrar que, embora esteja articulada entre si, são atores complementares.

A crítica agora não é mais pessoal a Orlando, a responsabilidade passa a ser da forma como o PC do B funcionava no ministério. Como se os outros partidos fossem diferentes. O problema é que no Brasil todos os partidos estão funcionando da mesma forma, a tal da porteira fechada. No estado de São Paulo, ninho de tucanos, não é diferente. O ministro Orlando foi apenas uma árvore na floresta.

E por falar em floresta, o fato mais importante de ontem não foi a queda do ministro, ele já era favas contadas. O fato mais importante foi a apresentação da bancada federal do PSD. As pessoas podem não saber qual partido é este, por isto, junto com o nome do partido sempre vem o nome do “dono do partido”, o partido de Kassab. Todo mundo estava lá, bajulando o novo partido...

E quem é o principal aliado do PSD de Kassab?
Declaradamente é o PSB. De Erundina? Não, de Eduardo Campos, governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB. Gente muito boa, de verdade. A novidade parou por aí? Não. Todo mundo sabe que a maioria dos prefeitos, governadores e parlamentares do novo partido, o PSD, apóia o Governo Dilma.

Assim, aos poucos o Brasil vai conhecendo um novo jogo partidário. Três novos partidos vão se compondo e deixando os demais partidos, que não são poucos, são “apenas 27”, estes 27 partidos vão ficando como coadjuvantes. O Brasil tem 30 partidos!

Mas eu falei em três novos partidos e só nominei dois,
o PSD e o PSB, qual é o terceiro novo partido? É o PDD, Partido De Dilma. Mas Dilma não é do PT? É, mas Dilma está ficando maior do que o partido. Como o PSD ficou maior do que o PSDB. Quem lançou Kassab na política foi Serra e agora Kassab está maior do que Serra. E ainda temos outros grandes importantes partidos como o PMDB, o PDT e o PTB. Como eles ficarão ou como eles reagirão? Só o tempo dirá...

Enquanto isto, o pessoal vai derrubando as árvores. Árvores ruins e árvores boas. Os machados, as serras elétricas e os tratores não distinguem o bom do ruim, eles são pagos para derrubar. Ainda bem que Dilma tem feito mais o bem, apesar de aceitar derrubar ministros em função da imprensa e de políticos que sempre apoiaram a corrupção deles mesmos.

Como dizem os generais americanos, nas eternas guerras: “Os soldados e oficiais que vão para o campo de batalha são passíveis de morrer, mas todos entrarão para o Museu do Herói Nacional Americano”. No Brasil, os soldados e oficiais são esquecidos. Só se registram a “elite” inescrupulosa.

Este ministro não caiu pelo que ele fez
, caiu pelo que deixou de fazer e por que os fazendeiros precisavam sacrificar um boi para que a boiada passasse.

Orlando, como não posso dar-lhe um abraço pessoalmente, segue uma música que, apesar de ser de 1962, é de um símbolo de São Paulo, chamado Paulo Vanzolini, e já consolou muita gente boa.

A vida continua, e a luta também.

Noite Ilustrada - Volta por cima (1962)
Letra de Paulo Vanzolini

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Governo: Bobeou, Dançou

Quem não aprende no amor, aprende na dor

Vejam este texto publicado hoje por Luiz Nassif.
É mais uma aula de como deve ser a administração pública. Nassif tem autoridade para falar destas coisas. Estou reproduzindo a matéria para que “nosso povo e nossa militância” tomem coragem para não ficar calado nem ser conivente com fatos desabonadores.

Fundamos nosso partido e nossa central sindical, em parceria com a militância libertária e histórica deste país, e agora que estamos no governo, portanto, não podemos admitir que os ladrões de ontem se transformem em algozes de amadores e displicentes na administração pública.

Temos que ter competência, iniciativa e manter nossa palavra de ordem: “Orai e Vigiai, sempre.”

Não sei se Dilma tem religião, mas ela está trabalhando direitinho.
Gilberto Carvalho deve continuar fazendo suas orações diárias e trabalhando muito.

“Os novos controles públicos
Luiz Nassif - Coluna Econômica - 26/10/2011

Há duas notícias sobre os recentes episódios envolvendo o Ministério dos Esportes:uma boa, outra ruim.

A ruim é a constatação de que o aparelhamento ainda é uma constante na vida pública nacional. No plano federal, os esportes com o PCdoB; em São Paulo, os esportes com o PTB.

A notícia boa é que o recente festival de denúncias contra o Ministério se deveu ao fato de haver transparência inédita nas ações públicas nacionais.

Não se pense que as denúncias demandaram tempo e esforço para serem levantadas.
A maioria absoluta dos episódios denunciados constava de denúncias feitas pelo próprio Ministério contra ONGs que desviaram dinheiro; apurações da Controladoria Geral da União (CGU), Ministério Público, Polícia Federal e Tribunal de Contas da União.
Ou seja, foram reportagens sobre investigações já em curso, objeto de providências tomadas pelos órgãos de controle.

Mas o Ministério está sendo punido adequadamente pelo descaso com que analisou as propostas e aprovou ONGs picaretas, mediante a mera filiação partidária de seus controladores.

Antes mesmo das denúncias, a identificação das estripulias tinha levado a presidente Dilma Rousseff a ordenar o fim e convênios com ONG e a concentração de recursos em prefeituras - onde o controle poderia ser mais formal. Aliás, atendendo a recomendações do próprio TCU.

Há um expediente antigo de repórteres, de receberem informações sobre episódios que já estão sendo apurados e denunciá-los como se fosse algo inédito e ainda fora dos sistemas de fiscalização do Estado.

Lembro-me no governo Collor de episódio envolvendo o então Ministro da Agricultura Antonio Cabrera. Ele tinha identificado irregularidades em determinada área do Ministério, denunciado e já estava tomando as providências necessárias. Mas cometeu a imprudência de relatar o episódio a um jornalista de Brasília, pedindo para segurar as informações por mais alguns dias.
No dia seguinte, o jornalista fez a denúncia, como se tivesse sido levantada por ele. Na própria coluna cobrava providências do Ministério - que já tinham sido tomadas. No outro dia, outra coluna informando que, graças às suas denúncias, o Ministério tinha agido e tomado as providências sugeridas. O que era mérito do Ministro transformou-se em culpa.

Seja qual for o efeito, o aumento da transparência é irreversível e consegue, por si próprio, definir limites ao aparelhamento do Estado.

Mesmo depurando as denúncias de todos os exageros, é evidente que havia um aparelhamento no Ministério dos Esportes e a assinatura de convênios com ONGs ligadas a militantes do PCdoB. Mesmo antes das denúncias virem a público, no entanto, a própria exposição das irregularidades, além de levar o Ministério a denunciar vários convênios, obrigou-o a mudar a rota e passar a fechar convênios somente com prefeituras.

A lição que se tira:

- A transparência precisa aumentar, assim como as denúncias e a exposição das irregularidades.

- Mas há que se reconhecer que a cada ano tem-se um país mais transparente, inclusive para não criar a falsa sensação de que toda ação pública é fundamentalmente corrupta.”

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Nelson Freire os Russos e os Brasileiros

A música une os povos

One the eve of the Moscow Easter Festival, the Concert Hall of the Mariinsky Theatre presented a programme of works by Johannes Brahms which opened with his Second Piano Concerto. Nelson Freire was the soloist performing with the Symphony Orchestra under the baton of Valery Gergiev.




Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro



O mundo pode ser singelo como Nelson Freire.

Um brasileiro de Minas para o mundo.
Todos os anos ele tem se apresentado no Brasil, como para semear flores de esperança por um mundo melhor.
Há um filme e vários CDs de Nelson Freire.
Alimente a semente que existe dentro de você, com Nelson Freire.

O mundo e as flores

Cada um vê conforme se sente

Nossa imprensa insiste em mostrar o Brasil e o Mundo como um conjunto de tragédias...

Para a imprensa: as primaveras árabes estão virando apenas barbáries, as eleições na Argentina foram um retrocesso e uma violência contra a liberdade da imprensa reacionária, os bandidos brasileiros são mais legítimos para denunciar má administração do que os políticos e funcionários públicos. Nossa imprensa tem saudade de Ronald Reagan e do “big stick”. Nossa imprensa tem síndrome de vira-lata.

Mas o mundo passa por grandes transformações, de forma bem menos violenta do que foi o mesmo período do século passado. A visão elitista e hegemônica do mundo está sendo superada pela inclusão de centenas de milhões de pessoas na sociedade de consumo e na sociedade da informação. As democracias ainda não estão prontas, estão chegando aos poucos, mas a qualidade de vida de milhões de pessoas indubitavelmente melhorou.

Assim, ao ler jornais todos os dias, eu até posso ficar mau humorado, mas, ao ver as flores na Vila Madalena minha alegria retorna imediatamente.

Vejam estas belas e minúsculas flores rodeadas de folhas verdes. Parece uma homenagem às cores do Brasil. Verde e Amarela. O azul está no céu e o branco está na nossa alegria pacífica e solidária.


A gente fica ainda mais alegre ao receber novos visitantes de outros países no nosso blog. Representando o país número 44, foi alguém na Áustria, e o número 45 foi alguém em Taiwan. Além dos visitantes tradicionais dos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Canadá e Portugal, temos recebidos visitas das Filipinas, da Holanda, Rússia e Israel. Falta alguém na Palestina, Egito, Tunísia, Líbia e Síria... O pessoal da primavera árabe.

E para toda esta gente que nos visita, vou mostrar mais flores...
Vejam esta variação do verde a amarelo!



Mas os reacionários gostam mesmo é deste tipo de foto:


Esta árvore além de ter mais de 50 anos de vida, tinha mais de um metro e trinta centímetros de largura. Ela floria e servia para os bem-ti-vis e sabiás fazerem ninhos. Agora resta um pedaço do tronco ainda não arrancado do chão.

E contra a violência das construtoras, dos reacionários e dos maus administradores, volto a mostrar mais uma foto, como despedida de hoje.


Flores de perto, para evidenciar a beleza e sabedoria da Natureza.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ainda a Barbárie

Barbárie Árabe e na Imprensa Brasileira

A semana começa com muitos assuntos para serem abordados. Crise nos Esportes, Banco Panamericano e seus segredos bancários e administrativos, vitória fácil dos peronistas na Argentina, e a guerra suja da nossa imprensa contra tudo que possa ajudar o governo petista. Os corruptos da direita podem tudo e tudo é tolerado, mas qualquer erro ou corrupção vinculado ao governo vai para execração pública.

A transparência e a honestidade são requisitos em tudo. Seja na administração pública ou na privada. O PT, além de governar para o povo, com o povo e pelo povo, deve primar pela boa administração, mesmo que, para isto precise mudar o sistema administrativo brasileiro. A ditadura militar acabou, mas muito da nossas leis ainda são heranças da ditadura. Inclusive a concentração excessiva da imprensa nas mãos de poucas famílias. Vivemos numa economia de mercado e é possível e necessário abrir mais o mercado da imprensa, mesmo para empresas internacionais.

Eu assino os dois jornais conservadores de São Paulo e gosto de reproduzir matérias que considero educativas. Quando eles querem, eles são ótimos. Este artigo de Vinicius Mota sobre a Líbia, por exemplo. Recupera o quanto a humanidade ainda tem de barbárie.

Os gregos ainda são “os pais da civilização ocidental” e nós ainda temos muito a aprender com eles e com os demais filósofos e historiadores.
Vinicius Mota – FSP – 24out11 – pág2.

Vingança na carne

SÃO PAULO - Multidões fizeram fila para ver o cadáver esbugalhado do ditador Gaddafi, disposto numa câmara frigorífica na cidade de Misrata. A exposição dos seus despojos começou assim que foi morto, após a ajuda crucial da aviação de Nicolas Sarkozy -esse Napoleão em versão "pocket".

As imagens da Líbia lembraram o destino dos corpos de Mussolini, pendurado e humilhado numa praça de Milão, e de Ceausescu, fuzilado na Romênia. Evocaram os métodos punitivos utilizados pelos mais sádicos tiranos no exercício do poder.
Cadáveres de inimigos apodrecendo em público, alamedas de crucificados ou de cabeças na ponta de estacas a demonstrar a força impiedosa do império. Restos de rivais alimentando crocodilos no zoo do déspota.

O grego Heródoto, do 5º século antes de Cristo, narra a vingança de Astíages, rei dos medos, contra Harpago, seu general que descumpriu a ordem de matar o recém-nascido Ciro -o qual mais tarde fundaria o império persa. Astíages convidou o traidor para um banquete onde serviu carne do próprio filho de Harpago.

Ao enfatizar a brutalidade dos costumes asiáticos, Heródoto demarcava a distância para os cultivados gregos. Seu contemporâneo Sófocles, dramaturgo, trouxe o debate para dentro de casa. Em "Antígona", a protagonista desafia a ordem do rei de Tebas, Creonte, que proíbe o sepultamento de Polínices, irmão de Antígona acusado de traição.

O respeito à incolumidade dos corpos, dos vivos e dos mortos, é marca antiga e fundamental da civilização. É uma das primeiras fronteiras a serem cruzadas pelos tiranos em todos os tempos.

Um caminho sem volta para esses celerados, como se vê nos epílogos sangrentos de autocratas que caem nas mãos de inimigos ou dos povos que oprimiram. Hitler, consciente disso, com os russos à porta, matou-se e ordenou que queimassem o seu cadáver.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2410201103.htm

domingo, 23 de outubro de 2011

Manhã de Sol e Sabiá

Sabiá visitando as flores

Hoje cedo, além do sol, tivemos a visita do Sabiá.

Vejam que beleza! A Sabiá está no chão, do lado direito da foto.


As flores morreram de alegria, e eu tive que me esconder para conseguir tirar a foto. A Sabiá corria e eu caminhava devagar para ela não voar.

E o domingo foi um bom dia.

sábado, 22 de outubro de 2011

Ditaduras Argentina, Brasil e Chile

Nosso passado recente nos condena

Ficar comemorando a tragédia dos outros é fácil, difícil é reconhecer suas próprias tragédias. Há um clima de que os árabes são bárbaros e nós somos civilizados. É só ler a matéria de Ruy Castro, na Folha de SP deste sábado para a gente acordar e lembrar que nosso passado recente nos condena... Nossos assassinados pelas ditaduras ainda continua desaparecidos e os responsáveis ainda não foram identificados e condenados.

Ruy Castro – Folha SP – 22out2011

Placa para Tenório

RIO DE JANEIRO - No dia 18 de março de 1976, o pianista brasileiro Francisco Tenório Jr., 33, estava em Buenos Aires para uma temporada no Teatro Rex com seus patrícios Vinicius de Moraes e Toquinho. Naquela noite, saiu do hotel Normandie, onde estavam hospedados, e deixou um bilhete: "Vou comprar cigarros e um remédio. Volto já". Não voltou - nunca mais.

Fora confundido com um militante procurado pela ditadura argentina e levado preso. Por falar bem espanhol e com sotaque portenho, não acreditaram que fosse brasileiro, músico e inocente. Passaram a torturá-lo, com a colaboração, a partir do quinto dia, de agentes brasileiros da Operação Condor, braço internacional das ditaduras argentina, brasileira, chilena e uruguaia.

Nove dias depois, seus algozes se convenceram de que tinham se enganado. Mas, já então, Tenório estava cruelmente machucado. Pior: vira o rosto deles. Não podiam devolvê-lo à rua. O jeito era matá-lo, o que fizeram com um tiro, no dia 27. Dali Tenório foi dado como "desaparecido", e o Brasil nunca se empenhou em elucidar o fim de um de seus filhos mais talentosos -autor, em 1964, aos 21 anos, do grande disco instrumental "Embalo".

Os detalhes gravíssimos sobre a morte de Tenório só começaram a aparecer dez anos depois, em 1986, e mesmo assim porque um membro da inteligência argentina resolveu contar. Pois, agora, os argentinos, que não estão varrendo a sua ditadura para debaixo do tapete, nos darão em breve nova lição.

No dia 16 de novembro, às 14 h, a cidade de Buenos Aires, por iniciativa do deputado portenho Raul Puy, homenageará Tenório com uma placa na fachada do hotel Normandie, na rua Rodríguez Peña, 320, de onde ele saiu para morrer. Ela dirá: "Aqui se hospedou este brilhante músico brasileiro, vítima da ditadura militar argentina".

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2210201105.htm

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Primavera de Sangue e Barbárie

Líbia, a loucura humana dos dois lados

O quê levou Kadafi a ficar cego à sua realidade? O quê faz uma pessoa querer ficar como “dono do poder” por 40 anos? Por que em pleno século 21 ainda temos monarquias e absolutismos?

Por que Kadafi não fez uma transição como no Egito? Ou por que ele não renunciou e passou para seus ministros fazerem uma transição democrática? Ele que derrubou uma monarquia e viu o país ficar rico, não soube passar o bastão para novos governantes. Ele virou um monarca, como profecia shakespeariana.

Por que, em nome da primavera, carregamos canhões e executamos prisioneiros como se fossem galinhas? O quê virá depois das primaveras? Quando será resolvida a primavera do Irã? Como ficará a Síria? E as nossas primaveras?

A democracia e os valores ocidentais ainda não conseguiram ser referências sólidas para o Oriente Médio e a Ásia. Mesmo Israel que é um país com valores ocidentais, cada vez mais fica parecido com os países do Oriente Médio. Os Ortodoxos estão mandando no país e a liberdade, nos valores ocidentais, está ficando em segundo plano.

Por apoiar quem luta contra os ditadores no Oriente Médio, o Ocidente não pode ser avalista da barbárie. A liberdade não pode se transformar em banho de sangue nem em execuções sumárias. Os países ocidentais não têm uma tradição muito longa de democracia e liberdade. Até aqui no Brasil, muitos que comemoram as primaveras no Oriente Médio, até recentemente apoiavam a ditadura militar e se beneficiaram dela. A Liberdade deve ser um modelo para todos os povos. O Ocidente e os países Latino Americanos precisam avançar mais na sua Democracia.

Estamos a menos de um século das últimas guerras mundiais. A primeira guerra mundial gerou vários monstros que atuaram na segunda guerra mundial. O Japão que foi um dos vencedores na primeira guerra, foi ocupado na segunda e o povo japonês pagou pelos erros de seus militares e governantes.

Os americanos jogaram duas bombas atômicas sobre o Japão
como retaliação pelos ataques a Pearl Harbour. A guerra já estava ganha e as crianças, mulheres e velhos que estavam em Hiroshima e Nagasaki não podiam ser responsabilizados pela brutalidade dos militares.

Como canta Ney Matogrosso: “Pensem nas crianças, nas meninas, nas mulheres...

Pensem N'A ROSA DE HIROSHIMA

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Nossa imprensa não quer ver

A violência na Colômbia

Nossa imprensa sempre gostou de elogiar Uribe, o ex-presidente da Colômbia, assim como escondia a violência paramilitar que existe naquele país há mais de cinqüenta anos. É claro que lá também tem uns guerrilheiros loucos e ligados ao narcotráfico. Mas, como lá virou um quintal dos Estados Unidos, com direito a bases militares e outras coisas, nossa imprensa justifica tudo...

Nossa imprensa no início também elogiava Fujimori do Peru, depois que o mundo inteiro denunciou que ele ignorava as regras democráticas e era corrupto, a nossa imprensa passou a registrar as críticas, embora sem destaque.

O presidente atual, Sr. Santos, mesmo tendo sido apoiado por Uribe, tem demonstrado ser um bom democrata e tem dialogado com todos os segmentos da sociedade colombiana, estabelecendo um clima bem melhor do que Uribe. Mas as mortes continuam, mesmo que sejam em menor quantidade. O relevante é que, apesar das denúncias internacionais, nossa imprensa continua ignorando. Talvez esperando ordens americanas.

A Veja bem que gostaria que o Brasil também virasse uma Colômbia...

Abaixo reproduzo mais um assassinato dos paramilitares colombianos. São milhares...

“Colômbia: Assassinado dirigente na Ecopetrol

A Federação Internacional de Sindicatos da Química, Minas, Energia e Industrias Diversas (ICEM) condena o assassinato a sangue frio de um trabalhador sub-contratado que militava na filial da Unión Sindical Obrera (USO) na campanha para dar direitos sindicais plenos para os trabalhadores temporários da Ecopetrol em Barrancabermeja, onde há um complexo petroquímico e de refino no departamento de Santander.

Isidro Rivera Barrera, 45, estava em Barrancabermeja, na frente de sua casa, consertando uma máquina de lavar roupa, às 16h da tarde de 26 de setembro, quando um homem armado saltou de uma moto e atirou nele três vezes à queima-roupa. O assassino e seu cúmplice fugiram a toda velocidade em uma motocicleta de alta potência.

"Este ato covarde nos lembra novamente que a Colômbia é um país com risco de vida para aqueles que exercem a liberdade de associação e direitos de livre expressão", disse o secretário geral da ICEM Manfred Warda. "Reiteramos o apelo da nossa filiada Unión Sindical Obrera (USO), para que o Ministério Público da Colômbia use todos os meios ao seu alcance para prender e processar criminosos e mandantes deste crime hediondo."

A ICEM também pediu a empresa Ecopetrol, em Barrancabermeja, e sua contratatista principal, Foster Wheeler AG, e outros subcontratistas, que garantam a segurança para todos os trabalhadores na indústria do petróleo naquela cidade. A ICEM também exortou os proprietários da Ecopetrol (que é de 90% de propriedade do Estado) e seus contratantes para criarem um ambiente de trabalho onde a liberdade de associação e o direito de sindicalização e de negociação coletiva sejam considerados como garantias das liberdades civis. (...) (ICEM, 02.10.2011)”

www.csa-csi.org
Américas Info - Confederação Sindical dos Trabalhadores das Américas
CSI – CSA - Américas Info nº. 19 - 17 de outubro de 2011

O efeito da chuva nas plantas

Nas pedras e nas pessoas

As flores dão vida às plantas, mas as gotas de chuva podem tornar as plantas tão bonitas quanto às flores.

Vejam esta foto de Nandinas depois da chuva! Não é uma obra de arte da Natureza?


1 – Nandina na chuva

Além de belas, são duráveis e ocupam pouco espaço.

Vejam este pé de Nandina, plantado num pequeno quadrado da calçada e encostado no muro do jardim. Com a chuva, algumas flores da primavera cairam sobre a Nandina, deixando-a mais bonita. Vejam que estão brotando botões que irão virar pequenas flores e depois sementes vermelhas.



2 – Nandina florindo


Além da beleza da Nandina, a chuva também torna as pedras mais bonitas do que já são.

Vejam esta foto. Tudo está bonito. As folhas, as flores e principalmente as pedras molhadas.





3 – Folhas, flores e pedras na chuva.


Tem muita gente que não gosta de chuva. Nem de banho.
Da mesma forma que a chuva renova a natureza, o banho torna as pessoas mais alegres e cheirosas, como as flores.



Além de dar mais banho no corpo, as pessoas precisam dar mais banho na alma. Por exemplo, sendo mais educadas, prestando mais atenção no que os outros estão falando e principalmente se colocando no lugar do outro. Andar de metrô é muito importante, mas a pressa das pessoas e a falta de educação torna algo necessário em algo quase insuportável.

Assim como fazemos jardins em pequenos espaços das casas e das calçadas, podemos fazer pequenos gestos de urbanidade e respeito para com todos e com a nossa cidade.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Chuva, Sol e Vinícius de Moraes

Apesar dos cínicos, a beleza está viva

Hoje é um dia especial.
Hoje não é sábado, como dizia Vinícius, mas HOJE é o Aniversário do grande poeta, escritor, cantor, boêmio, embaixador e animador VINICIUS DE MORAES.

Hoje eu só queria falar de coisas bonitas.
Queria mostrar algumas fotos bonitas da chuva nas plantas da Vila Madalena. Queria buscar uma bela música como “Canção de amor demais” ou tantas outras belas canções feitas por Vinicius e seus parceiros maravilhosos. Até pedi ajuda para Joel Bueno.

Mas, ontem eu recebi um e-mail do pessoal que está convocando uma manifestação para 15 de novembro, no MASP, Museu de Arte de São Paulo, que, aparentemente é contra a corrupção, mas é uma longa mensagem onde “eles” escrevem tanta coisa contra tudo e contra todos que eu fiquei assustado.

O curioso é que ninguém assina a convocatória.
Parecendo aqueles textos baixarias da campanha eleitoral de Serra. Só faltava o nome daquele bispo maluco de Guarulhos e a TFP. Mas eu ainda vou fazer um texto sobre isto. Não podemos fazer de conta que “eles” não existem. Agora, além da imprensa privada, “eles” contam também com a TV Cultura, com Cabo Anselmo, com Bolsonaro e tantos outros afins. Na Espanha, na Itália e na Alemanha, “eles” começaram assim. E todos sabemos como acabou.


Mas, Vinícius é mais importante do que todos “eles”.

Mesmo tendo sido “cassado” por “eles”.

Vamos falar de coisas boas.
Primeiro eu vou mostrar duas fotos da Chuva neste fim de semana em São Paulo e lembrar que, apesar de ter que ficar em casa lendo, sem sair, também deu para ver a beleza da chuva nas plantas...

Nesta primeira foto, tudo brilha e a gota d’água tem mais destaque.


Nesta segunda foto, o contraste é outro, e o fruto da nandina tem mais destaque.


Assim é a música. Vinícius compôs muitas músicas com Baden Powel, mas eu escolhi esta música, que é composição de Baden com Aldir Blanc, eu não sei se Vinicius participou com a letra, mas, como a letra é triste, eu fiz questão de colocar duas versões orquestradas, sem voz, para mostrar a beleza da melodia e esconder minha tristeza com a conjuntura.

A primeira versão é com o próprio Baden tocando de forma sempre especial.
Baden Powell - Samba Triste - Europe



A segunda versão é com outro músico maravilhoso que também já partiu para engrossar a orquestra no céu. Paulo Moura em parceria com uma grande revelação jovem no violão, Yamandu Costa. Ambos tocando divinamente bem e lembrando a época de Vinícius, Elis Regina e tantos outros que devem estar tristes com as baixarias que andam acontecendo no Brasil.

Paulo Moura & Yamandu Costa - Samba Triste - Lapinha



Mas, como a ditadura militar passou, “eles”, as viúvas da ditadura também passarão.

A arte e a vida Vencerão!
Viva Vinicius!
Viva Paulo Moura!
Viva Elis Regina!
Viva Nara Leão!
Viva Noel Rosa!
Viva Pixinguinha!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Uma Greve e muitas Histórias

Muitos lutaram e todos se beneficiaram

No dia 05 de Agosto, no início da Campanha Salarial deste ano, Daniel Reis, diretor do nosso Sindicato, enviou-me uma proposta de texto para eu colocar neste blog. Além do texto de Daniel, divulguei também um texto sobre a campanha salarial de 1985 e o nascimento da minha filha naquele 05 da Agosto: "Uma foto e muitas histórias".

Hoje, ao chegar ao trabalho, além de ver o sol brilhando nos prédios do Centro de São Paulo, ouvi vários diretores e assessores do sindicato comentando que tinham voltado a ver os filhos, os netos e as esposas ou maridos.

Era como voltar para casa depois de uma guerra. E não era qualquer guerra. Fazer uma greve em si já é difícil, organizar uma greve no Brasil inteiro, do Amapá ao Rio Grande do Sul é muito mais difícil. E levar esta greve nacional à vitória, depois de 21 dias de paralisação, é ainda muito mais difícil. E os bancários de São Paulo, com seus colegas do Brasil, tinham conseguido. Não foi a primeira vitória e não será a última. São 88 anos de existência do nosso sindicato e os jornais e boletins registram estas lutas e estas vitórias.

Daniel, representando os pais de famílias, que deixaram de ver as filhas e os filhos, deixaram de ver os sítios e as flores existentes nestes sítios, deixaram de fazer feira e supermercado, todos estes homens e mulheres estão de parabéns.

Juvândia, nossa presidenta, ainda é jovem e solteira, não tem filhos. Teve seu grande desafio, como primeira mulher eleita presidenta do nosso sindicato, no seu primeiro ano na função de presidenta eleita e negociadora pelos bancários de São Paulo. O maior e mais importante sindicato dos bancários do Brasil.

Vejam esta foto. Juvândia falando para os bancários durante a greve. O sol separa a dirigente dos grevistas. Mas eles escutam com atenção. Até por que Juvândia é ótima oradora. Fala com calma, firmeza e lucidez. Assim, sem pressa, conduziu as negociações, as manifestações, as comissões de esclarecimentos ou piquetes e orientou o material de comunicação.

Carlos Cordeiro é o presidente da Contrafcut, Confederação Nacional dos Bancários da CUT, entidade nacional e coordenadora nacional da campanha. Carlão, como é conhecido, tem três filhas adolescentes. Também pouco viu suas filhas e sua esposa durante estes 21 dias de greve. A cada campanha salarial Carlão cresce como articulador e porta-voz dos bancários do Brasil.
Esta campanha salarial vitoriosa tem muito a ver com os estilos de Juvândia e Carlão.

E nós, os presidentes das gestões anteriores, como mostra esta foto recente, damos parabéns a estes jovens que estão dando continuidade ao nosso trabalho e à nossa luta.

Da esquerda para a direita:
Ricardo Berzoini, Gilmar Carneiro, Luiz Gushiken, Juvândia Moreira,
Augusto Campos, João Vaccari e Luiz Cláudio Marcolino.

Precisamos agora comemorar mais esta conquista e registrar nos anais da nossa história, tanto a história do sindicalismo, como também a história que deve ser ensinada nas escolas para nossos filhos e nas faculdades para que os jovens aprendam que tudo que eles têm foi conquistado com luta, com greve, prisões, ausências da família e, muitas vezes, demissões e morte, como Salvador Tollezano, Santo Dias da Silva e muitos outros.

Da mesma forma que o Brasil está reescrevendo sua história e incluindo a contribuição dos negros, precisamos reescrever nossa história para incluir a contribuição da classe trabalhadora na construção do nosso país.

E que, aqueles bancários que se beneficiaram das conquistas desta campanha salarial mas não participaram da greve, aprendam que, se muitos mais participarem, as conquistas serão maiores e o mundo será mais justo e mais fraterno.

E nos meses de Setembro sempre temos as campanhas salariais e as primaveras. Espero que as flores das primaveras sempre ajudem os bancários e os trabalhadores em geral a construírem um Brasil melhor, um Brasil para todos.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Com flores e com chuva

A beleza continua...

Como o tempo resolveu pregar uma peça em São Paulo, estamos chegando ao terceiro dia de chuva. O trânsito fica difícil, o humor das pessoas piora, as agências bancários ficam cheias de gente em função do fim da greve e, no trabalho, apesar de problemas com a internet, consigo “revelar” as fotografias e botar as mensagens em dia.

Vou mostrar algumas das fotos das flores e plantas na chuva:

Ainda no sábado, além de tempo para ler, ficamos olhando a chuva lá fora...

1 – Flores na chuva


Já no domingo, com a chuva não pudemos ir caminhar no Parque Villa Lobos, ficamos lendo e olhando a chuva nas plantas...

2 – As nandinas são as mais fotogênicas
















3 – Flores da primavera no chão.



Até as flores da primavera sentem o impacto de tanta chuva. E caem para embelezar o chão e partirem...



E o bambu também mantém as gotas da chuva, como forma de recuperar a cor verde e embelezar mais ainda nossa vida.

4 – Bambu na chuva















Como a música diz: "Senhor, eu pedi para chover, mas chover de mansinho..." Este mansinho quando dura vários dias, também interfere no nosso humor. Mas a chuva e o sol são como a noite e o dia. Um é tão importante quanto o outro e devemos aprender a lidar com todos eles.
E viva a diferença!

domingo, 16 de outubro de 2011

Sem flores e com serpente

A serpente política Madeleine Albright

São dois dias de chuvas na cidade de São Paulo. Tirei fotos maravilhosas para colocar no blog, mas o computador está insuportável. Travou a impressora desde ontem, não consigo salvar as fotos. É uma das razões do por que os computadores são cada vez mais individualizados, quando são de uso coletivo, o risco de, quando você precisar dele, não estar disponível é muito grande. Mas, faz parte da vida coletiva. Aprender juntos e ser tolerante com os erros e não conhecimentos dos outros. Faz parte da democracia aprender a “amar o próximo”.

Já que não consigo divulgar as fotos,
vou colocar a introdução da ótima entrevista publicada no Estadão de hoje, feita por Laura Greenhalgh com Madeleine Albright. Não vou publicar toda a entrevista por que é longa, mas vale a pena ser lida. Esta mulher foi muito poderosa na década de 90 e representava uma forma de confronto com quem não concordava com a linha americana. Nesta entrevista ela está mais cuidadosa e fala coisas muito interessantes.

Mas uma vez, parabéns ao Estadão e a Laura pela iniciativa. Precisamos aprender com a direita, com a esquerda e com o centro. Todos são importantes, principalmente se respeitarem a Democracia. Muitos dos citados por ela nesta entrevista já se foram...

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-charme-da-serpente,786072,0.htm

O charme da 'serpente'

Saddam a comparou aos ofídios. Pois ela usou a ofensa para compor o insuperável 'estilo Madeleine Albright', que marcou a virada do século 21

16 de outubro de 2011 | 3h 10 - Laura Greenhalgh - O Estado de S.Paulo

Madeleine Albright estava de bom humor na manhã da última sexta-feira. E não apenas porque abraçara o primo que vive em São Paulo e ela não conhecia, como contou cheia de entusiasmo, ecoando incredulidade: "Cousin Pedro, my cousin Pedro...". Não fosse esse motivo suficiente para uma dose matinal de alegria, o bom humor poderia ser traduzido num detalhe vistoso espetado no vestido marinho, na altura do ombro esquerdo: um broche em formato circular, de ouro e salpicado de pedras, representando uma guirlanda de flores. Para quem transformou em código diplomático sua formidável coleção de broches, ou "pins", para os americanos, coleção que foi até alvo de uma exposição no Museu de Artes e Design de Nova York, pode-se concluir que o estado de espírito da primeira mulher secretária de Estado dos Estados Unidos, na sexta chuvosa em São Paulo, chegava a ser primaveril.

Para Saddam Husseim, ela reservava o broche em forma de serpente. Com Arafat usou outro em forma de abelha. Putin assustou-se ao vê-la com um adereço que lembrava um míssil na lapela do tailleur, e assim, de broche em broche, a ex-representante dos EUA na ONU e ex-chefe do Departamento de Estado, cargos que ocupou na era Clinton, firmou seu estilo pessoal. De passagem pelo Brasil nessa semana, quando visitou o chanceler Antonio Patriota, jantou com Fernando Henrique e palestrou para homens de negócios, Madeleine Albright também concedeu esta entrevista exclusiva ao caderno Aliás, repassando páginas da diplomacia americana, a relação com chefes de Estado, sua visão de um mundo "mais complicado hoje, nos dias do presidente Obama, do que nos dias do presidente Clinton" e ainda opinou sobre acontecimentos recentes, como os levantes em países árabes e as manifestações populares que agitam cidades americanas. Prevê que o bordão "it's the economy, stupid", usado em campanha por Clinton, voltará contundente na próxima corrida presidencial americana - convertendo-se numa espada sobre a cabeça de Obama e num argumento de ocasião para os republicanos.

A secretária Albright, como ainda hoje é chamada, uma das personalidades decisivas do mundo que se seguiu ao desmoronamento soviético, conta a seguir histórias de sua vida, de família e de carreira, ressaltando que "ser mulher é bom e divertido" - e que o diga a boa forma de seus 74 anos. Prega que as companheiras no poder ainda se ajudem mutuamente. De Hillary Clinton, uma de suas melhores amigas, não arrisca predizer o futuro. "Num fórum sobre democracia na Polônia, no ano passado, ela nos impactou ao revelar como ficou tocada com o gesto de Obama ao convidá-la para seu governo, e como está comprometida com suas funções no Departamento de Estado. E olhe que ambos competiram pesado pela indicação democrata...", pondera. Sobre outro vulto feminino na política americana, Sarah Palin, o falsete mais estridente do Tea Party, Madeleine prefere nem comentar. Não é fatia de bolo que acompanhe seu chazinho...

sábado, 15 de outubro de 2011

Bancários conquistam vitórias

Bancos e Governo poderiam ter evitado a greve

Os Bancos e o Governo precisam prestar conta para àqueles que foram prejudicados com a greve, o porquê de não querer fazer um bom acordo sem uma greve nacional dos bancários por mais de vinte dias.

Se as Montadoras e os Metalúrgicos puderam fazer um bom acordo salarial, sem greve, por que os bancos e o governo não fizeram este mesmo acordo que foram obrigados a fazer depois da greve?

Este tipo de transparência é importante para fortalecer a Democracia.

A categoria bancária e seus dirigentes sindicais estão de parabéns pela forma como fizeram a greve, sem violência, sem deixar de atender os necessitados, como os aposentados e, principalmente, por não entrarem nas provocações dos bancos quando estes abusaram do uso de Interditos Proibitórios, com a cumplicidade de alguns juízes.

Vejam as principais conquistas:

Aumento real – Em negociação que tomou todo essa sexta-feira 14, os banqueiros ofereceram reajuste salarial de 9%, que representa aumento real de 1,5%. “A luta dos bancários arranca aumento real de salário pelo oitavo ano consecutivo”, destaca Juvandia. “A média de aumento real dos 418 acordos fechados no primeiro semestre foi de 1,35%.”

PLR maior
– A regra básica da Participação nos Lucros e Resultados será de 90% do salário mais valor fixo de R$ 1.400. Assim, essa parte fixa, que em 2010 foi de R$ 1.100,80, será reajustada em 27,18%.

A regra determina, ainda, que devem ser distribuídos no mínimo 5% do lucro líquido. Se isso não acontecer, os valores de PLR devem ser aumentados até chegar a 2,2 salários com teto de R$ 17.220,04.

Aumento na PLR adicional
– Pela proposta, o teto do valor da PLR adicional – que distribui 2% do lucro líquido – passará de R$ 2.400 para R$ 2.800, o que significa aumento de 16,66% em relação ao que foi pago em 2010.

“Com os aumentos na parte fixa da regra básica e no teto do adicional, os bancários avançam na participação maior no lucro dos bancos, um dos principais objetivos da nossa mobilização”, salienta a presidenta do Sindicato.

Antecipação – Caso a proposta seja aprovada, em até dez dias após a assinatura do acordo, os bancários recebem a antecipação da regra básica de 54% do salário já reajustado acrescido do valor fixo de R$ 840,00, limitado ao valor individual de R$ 4.696,37. A antecipação da parcela adicional será paga de acordo com o equivalente a 2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2011 dividido igualmente entre os funcionários até o limite individual de R$ 1.400. A antecipação da parcela adicional não será compensável de planos próprios.

Piso Salarial – O reajuste proposto para o piso foi de 12%, aumento real de 4,30%. No caso do escriturário, passa de R$ 1.250 para R$ 1.400. “Pelo segundo ano consecutivo conseguimos arrancar na luta a valorização para o piso da categoria, acima do aumento real conquistado para os salários. Isso é muito importante para avançarmos rumo à redução das desigualdades dentro dos bancos.”

Dias Parados – O Comando Nacional dos Bancários também garantiu, junto à federação dos bancos, que não será descontado nenhum dia dos trabalhadores em greve. Pela proposta da Fenaban, haverá compensação desses dias no máximo até 15 de dezembro. O que não for compensado até essa data, será anistiado.
“Durante toda a sexta-feira a negociação ficou travada porque os bancos queriam descontar os dias. Com a resistência do Comando, horas depois a Fenaban propôs compensação até junho de 2012, o que também foi veementemente rejeitado. Deixamos claro que não aceitaríamos represálias ao direito de greve e somente ao final da noite ela veio com a proposta final.”

Os bancários do BB e CEF têm conquistas complementares.


- É importante destacar que o Acordo só tem validade depois de aprovado nas ASSEMBLÈIAS.

E, como neste domingo, dia 16, a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, uma das principais negociadoras do Comando Nacional dos Bancários, Juvândia Moreira faz ANIVERSÁRIO, aproveitei para gravar umas musiquinhas dos nossos poetinhas do Brasil....

Tom Vinícius Toquinho e Miúcha 15 - Berimbau / Chega de Saudade / Canto Ossanha
Show antológico gravado em 18 de outubro de 1978 em Milão, na Itália, com a dupla Jobim e Vinícius, acompanhada pelo violão de Toquinho e pela voz de Miúcha.

A Crise chega à China

Como uma nuvem ou uma onda

Uma coisa é torcer para não acontecer, outra é trabalhar para evitar, outra também é conseguir evitar que os reflexos da crise americana e européia cheguem à China e, por tabela, aos países fornecedores de matérias prima como o Brasil. Quando falamos desta crise, estamos falando da crise econômica. Os que sonham com uma crise política que leve a uma “primavera chinesa” podem aguardar ainda um bom tempo.

Mas, contra fatos não há argumentos. E, mais uma vez, Gilles Lapouge, talvez por estar em Paris, tenha um olhar mais didático e menos maniqueísta do que a maioria dos nossos analistas brasileiros. A montanha está se movendo...

Sombras sobre a China

15/10/2011- Estadão - Gilles Lapouge – correspondente internacional

Sinais inquietantes chegam da China. Em agosto e setembro, o superávit comercial chinês, tradicionalmente colossal, recuou. A razão é evidente: com a redução do consumo na Europa e nos EUA, a China viu seus mercados encolherem.

Podem-se ilustrar essas dificuldades comerciais pelo pânico que atinge as pequenas e médias empresas (PME) Na província de Zhejiang, 400 quilômetros ao sul de Xangai, que está repleta de pequenas empresas exportadoras, as falências aumentaram. Desde o início do ano, fecharam 72 mil pequenas empresas das 360 mil PME da região. Os jornais de Hong Kong se alarmam. A epidemia de falências assume as proporções de uma "histeria", dizem eles.

Segundo a internet chinesa, fato confirmado pela imprensa, 200 empresários da região desapareceram, no último ano, abandonando seus negócios. Essa hemorragia culminará no período do ano-novo. Trata-se de um hábito chinês: os empresários em dificuldade aproveitam o ano-novo para desaparecer sem pagar seus assalariados.

O mesmo fenômeno é assinalado em outras regiões.
Ocorre que a economia chinesa repousa precisamente sobre as pequenas empresas. Segundo a agência Nova China, as PME criam 80% dos empregos do país. Em Pequim, planos de urgência são imaginados às pressas para aliviar os pequenos proprietários. Esses planos passam por uma reforma do sistema de crédito. A verdade é que os bancos preferem antes emprestar às grandes empresas que às pequenas. Uma consequência disso é que as PME cujos caixas estão vazios recorrem a "sociedades de garantia privadas" que praticam taxas de juros abusivas: no mínimo 20%. Em certos casos, até 100%. É a morte.

A desaceleração da China é observada também em outros países da Ásia
. O Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou um alerta. É fato que a região asiática resiste melhor que os EUA e, sobretudo, que uma Europa em debandada. Mas ela começa a sofrer. E sofre, precisamente, por causa da queda de atividade nos outros continentes. A China está doente. Seu mal se chama Estados Unidos e Europa. Pela primeira vez, o FMI salienta "a vulnerabilidade da Ásia e da China à deterioração da zona do euro".

Outro perigo se perfila:
parte das monumentais reservas cambiais chinesas está no Ocidente. Esse é outro pesadelo de Pequim porque essas reservas poderiam se encontrar em perigo no futuro por artes da globalização. / Tradução Celso Paciornik

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O Mundo e suas Histórias

Visitas da Turquia e de “Trinidad e Tobago”

Dialogar com o mundo e respeitar a história e a tradição de cada povo e de cada país, esta é a missão do século XXI.

Os grandes impérios começaram, acabaram e muitos deles quase que não são conhecidos atualmente. É importante conhecer todas as histórias, para se repetir o que foi positivo e evitar os erros e as atrocidades. Confúcio, Buda, Abraão, Platão, Jesus e Maomé. Até hoje o mundo reflete suas vidas e seus ensinamentos.

No Egito, Napoleão venceu a famosa Batalha das Pirâmides, onde proferiu a famosa frase: “Soldados, do alto destas pirâmides, quarenta séculos vos contemplam”. Entretanto, no Mediterrâneo, próximo ao Egito, os franceses foram derrotados pelo Almirante Nelson, na famosa batalha naval de Abukir.

Enquanto Napoleão estava no Egito, na Europa o Diretório continua com sua política de anexação territorial em plena paz e intensifica a propaganda revolucionária. Esses fatos provocaram a formação da Segunda Coligação contra a França (1799), da qual participaram a Inglaterra, o rei de Nápoles, a Turquia e a Rússia. As primeiras operações militares são desfavoráveis à França e os exércitos franceses são obrigados a abandonar as regiões anteriormente conquistadas e anexadas.

Depois de Napoleão, a França nunca mais teve o mesmo glamour. Mas continua sendo o país mais visitado pelos turistas de todo o mundo. E Paris continua sendo a cidade dos sonhos.

Esta experiência de ascensão e queda do Império Napoleônico, também serve para o Império Americano. A grande maioria dos soldados que estão no Afeganistão não tem ideia de que há três mil anos atrás este país juntamente com a Índia, o Irã (Pérsia), a China e a Turquia formavam a região (a Eurásia) que foi base para a colonização urbana da Europa, do Oriente e da Ásia. O mundo passou por ali e deu bons frutos…

O blog recebeu visitas da Turquia e de Trinidad e Tobago.

A Turquia também teve sua época de luzes, quando foi mais importante do que o Ocidente inteiro. Foi mais aberta e libertária do que o cristianismo da época. Mas o Império Turco Otomano e seus descendentes não souberam fazer a revolução industrial e financeira necessárias para entrar no mundo moderno. A riqueza do petróleo ajudou a cegar o mundo árabe e muçulmano. A Turquia continua a ser a esperança de parceria recíproca com o mundo ocidental. Sem negar seu passado muçulmano, seu lado helênico e sua modernidade do pós primeira guerra mundial.

Uma das esquinas do mundo está na Turquia, é Istambul, antiga Constantinopla. Que o Brasil seja um grande parceiro da Turquia e de toda região.

Trinidad e Tobago ou Trindade e Tobago
(em inglês Trinidad and Tobago) é um país caribenho situado ao largo da costa da Venezuela. É constituído pelas ilhas de Trinidad e de Tobago e faz fronteira marítima com a Venezuela, a sul e a oeste, e com Granada, a noroeste.

Em 1498, Cristóvão Colombo chega a Trinidad e Tobago.

Depois ocupada pelos holandeses, logo é tomada pelos espanhóis em 1632.
Em 1802, os ingleses conquistam as ilhas, mas 12 anos depois, em 1814 é cedida ao Reino Unido. As ilhas de Tobago passam a constituír uma colônia apenas em 1888.
O jornalista e escritor português Ferreira Fernandes afirma no seu livro Madeirenses Errantes que alguns madeirenses protestantes, radicados em Trinidad e Tobago após a sua expulsão de Portugal por motivos religiosos, se encontram entre os principais responsáveis pela revolução que se deu neste país.

Trinidad e Tobago tornou-se independente da Grã-Bretanha em 2 de agosto de 1962. Tornou-se uma república parlamentarista e multipartidarista.

Tão perto do Brasil e tão longe do nosso conhecimento histórico.
A América Central e Caribe não são apenas turismo, praias e cassinos.
Lá tem muito da nossa história e do nosso futuro.

A beleza nas flores e nas pessoas

Vejam que presente especial

A tecnologia tem possibilitado aproximar as pessoas, como também torná-las mais individualizadas. Cada um com sua TV, com seu i-phone e i-pad, seu carro e sua solidão. Mas, se não fosse a tecnologia, eu não teria contatos freqüentes com pessoas com Reiko, Coelho, Joel e tantos outros amigos que fomos conhecendo com o tempo.

Liliana Pinheiro é uma destas pessoas especiais. Sempre foi uma jornalista competente e acabou casando com outro amigo de caminhada. Ambos jornalistas.

Sabedora da minha paixão por flores, árvores e música, aproveitou o clima de sexta-feira e enviou-me a mensagem abaixo. Como não sei mexer no “Face” e a gravação é muito bonita, resolvi fazer uma edição especial só com o presente de Liliana.

Com certeza todos que virem irão gostar.

“Para seu blog ou página no Face: “

Notícias do fim do mundo

Onde é o fim e onde é o começo?

Depende de quem olha. Para quem está no Brasil, aqui é o começo, mas para quem está na Letônia, o mundo começa lá. No fundo, as pessoas se sentem o centro do mundo. E, na verdade, cada um é seu mundo.

Hoje, ao ler os jornais Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, a única notícia boa e bonita que eu vi nos dois jornais, foi o relato do Show de Eric Clapton em São Paulo. As expressões eram Divino! e Ótimo! Mas já fiz duas matérias com Eric Clapton. Acho que ele merece mais, mas precisamos andar para frente...

Como os jornais só têm notícias ruins, de todo o mundo, acho melhor falar de flores e de contatos pelo mundo. Por exemplo, no meu blog, além dos acessos de países tradicionais como Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Suíça e França, adoro quando recebo visitas de pessoas da Letônia, Moçambique, Romênia e, nos últimos dias, tivemos gente de Hong Kong e da Malásia. Esta ideia de que o mundo é o nosso país é muito boa. Já são mais de quarenta países... O pessoal podia mandar fotos de flores naturais e eu as divulgo.

Os jornais escritos estão comemorando que ainda são mais lidos do que a internet. É uma questão de tempo. Da mesma forma que a imprensa substituiu os padres, como porta-voz do saber, a internet rapidamente será bem maior do que a imprensa escrita. São diferentes, complementares, mas a internet é muito mais importante e plural do que esta imprensa privada e pretensiosa.

Em homenagem ao pessoal da Malásia e de Hong Kong
, que são os mais recentes a acessar este blog, vou divulgar as flores das goiabeiras que estão nas ruas da Vila Madalena. Goiaba é uma fruta bonita e saborosa, podendo ser comida de várias formas.


A cidade de São Paulo é cheia de contradições e loucuras.

Esta loucura de ruas cheias de árvores com flores e frutas é uma loucura maravilhosamente saudável.


O doente é a administração da prefeitura que vende o espaço público para as construtoras cimentarem nossa cidade e nossa vida.

Mas eles passarão...

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Guerras religiosas e Primaveras

Dois mil anos de guerras, em nome de Deus

Já ouvi de várias pessoas que a situação no Egito, depois da vitoriosa campanha popular para derrubar o presidente Mubarak, está pior do que estava antes. Nesta matéria abaixo, o correspondente internacional do Estadão informa que quem está mandando no Egito são as Forças Armadas e o ministro do exército da era Mubarak. Isto é, mudaram os nomes, mas não mudou o regime. Agora estão matando cristãos egípcios!

Aprender a respeitar as minorias, em regimes democráticos, é a coisa mais difícil para a humanidade. Muçulmanos, judeus, católicos, evangélicos e protestantes precisam aprender a respeitar a pluralidade religiosa e garantir os Estados laicos, em vez de Estados religiosos e ortodoxos. Caso contrário as primaveras virarão “banhos de sangue”, como na Iugoslávia depois da morte de Tito. Está na hora de a ONU voltar a servir para alguma coisa...

“A ira dos cristãos coptas no Egito
13 de outubro de 2011 - GILLES LAPOUGE - O Estado de S.Paulo

O Egito enterra suas vítimas após os tumultos dos últimos dias, nos quais 26 manifestantes cristãos coptas foram mortos. Quem os matou? Para os coptas, a resposta é clara: o Exército abriu fogo contra manifestantes pacíficos que protestavam contra os incêndios de igrejas perpetrados por muçulmanos. Os militares teriam lançado carros blindados com metralhadoras sobre a multidão, o que explica o horror do espetáculo: corpos estraçalhados e crânios esmagados.

Essa ignomínia ocorreu alguns meses depois que o regime de Hosni Mubarak foi deposto e semanas antes que as eleições, previstas para 28 de novembro, criem uma Assembleia Legislativa. O derramamento de sangue é um mau augúrio para o futuro de um Egito, enfim, livre da ditadura.
É fato que, desde os tempos de Mubarak, os coptas estavam expostos a perseguições do regime e, às vezes, até a agressões toleradas de certos muçulmanos fanáticos. No entanto, o último massacre provou que a queda do ditador e sua substituição por "democratas" não desarmaram os atritos religiosos no país.

A continuidade da rejeição aos coptas coloca em questão a mudança ocorrida no Egito. Atualmente, o poder Executivo egípcio está nas mãos dos militares, mais exatamente do Conselho Supremo das Forças Armadas. No entanto, quem está à frente do Conselho? O ex-ministro da Defesa de Mubarak.

Nos últimos dias, uma informação percorria as ruas do Cairo. Os militares lançaram uma mensagem clara: se não aceitarem que o Conselho Supremo organize a transição, ele permanecerá no poder.
Isso significa que as eleições legislativas de novembro são incertas. Os generais que estão no poder enfrentam uma onda de greves que paralisa a economia já extenuada. Os antigos membros do partido de Mubarak partem para o ataque: ameaçam semear o caos se forem excluídos da eleição, como a oposição democrática exige.

Os liberais desejam uma transferência rápida do poder para os civis. E há os islâmicos radicais. Não nos esqueçamos que o islamismo fundamentalista mundial tem origem no Egito, na Irmandade Muçulmana, que já pregava no país mesmo antes da 2.ª Guerra. Eles continuam presentes, são numerosos, organizados e poderosos, apesar das garantias de que "evoluíram" e adoram a democracia.
Esse é o jogo confuso no qual os coptas desempenham também seu papel sacrificial e infeliz. Eles constituem uma minoria cristã no meio de muçulmanos, mas não são negligenciáveis.

Os coptas são parte da maior igreja cristã do Oriente Médio, abrangendo 10% dos egípcios. A maioria dos coptas (90%) é de rito ortodoxo. Eles já estavam ali na aurora do cristianismo, quando o Egito ainda fazia parte do Império Romano. “

/ Tradução de Celso Paciornik

Flores com chuva e esperança

12 mil acessos em 40 países

Com apenas um pouco mais de seis meses de existência, o blog já atingiu mais de 12 mil acessos em 40 países e estamos com mais de 1.900 contatos no facebook. Parece que estamos sendo útil. Temos até recebido fotos de flores e sugestões de temas para serem abordados. Tenho observado que, conforme o tema apresentado, o número de acessos aumenta ou não, mas a idéia foi ser um blog de “casos e causos” e não um blog de um tema só. A diversidade é importante.

Por exemplo, neste mês de outubro estamos convivendo com alguns temas muito delicados:
1 – greve nacional dos bancários e dos correios; 2 – CNJ – conselho nacional de justiça querendo restringir a liberdade de fiscalização; 3 – manifestações contra corrupção, estimulada pela imprensa; 4 – ocupação das praças e ruas nos Estados Unidos contra a crise de desemprego provocada pelos banqueiros americanos; 5 – candidaturas à prefeitura de São Paulo.

Mas também tenho dado bom destaque para as músicas e as flores.

Por exemplo, na terça-feira passada, dia 10, ao abrir a porta da garagem para sair de casa, vi que a Nandina estava cheia de gotas da chuva que caiu durante a noite. Não consegui divulgar a foto no mesmo dia, mas hoje quero dar um destaque especial.


Já falei muito de como nossa primavera está bonita, mas não consigo tirar uma foto boa. Meu celular não tem foco à distância e eu precisaria colocar uma escada para tirar uma foto de perto. Mas ontem eu tirei uma da janela do nosso quarto, dá para ver a quantidade de flores, mas não dimensiona a beleza e o brilho destas flores.















Mas, o que mais me chamou atenção neste feriado, dia 12, foi ver o pé de “Lágrimas de Cristo”, que já foi tão abordado aqui, e constatar que, além de brotar de ponta a ponta como mostrei no dia “02 de outubro” com o tema “Reconstruindo a Vida”, os brotos já apresentam botões que viram flores rapidamente.




Quando estas flores virarem cachos de flores eu vou mostrar para vocês. A Natureza nos ensina e estimula nas pequenas coisas. Pena que nem sempre estamos abertos para ver e sentir. Mas as estações das plantas vão e voltam e a Natureza está sempre aberta e acolhedora para nos receber e ensinar.