quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O Amor, o Sorriso e a Flor

Escrever é muito difícil...

O meu amigo Zé Roberto comentou sobre o texto de ontem, “As mulheres são as culpadas” e a reportagem do jornal, enviado por ele, sobre as mulheres da Palestina e de Israel que foram ver e tomar banho no mar. Entre outras coisas, eu respondi para ele que, para mim, escrever era muito difícil, que era uma construção pensada, meditada, sofrida, e que quando surgia o texto, muitas vezes era bem diferente do que eu tinha pensado originalmente.

Estou há dias querendo publicar as novas fotos das flores. E hoje cheguei cedo e decidido a mostrá-las. Mas a vida interfere na pauta... Na dentista vi várias sabiás nas palmeiras. Quando fui pegar o carro, o zelador estava dando água e banana às sabiás...

Eu sentei em frente ao computador e pensei: “Meu Deus, ajuda-me a falar das flores!” Já para pensar no título foi uma dificuldade. “O diálogo das flores”. Mas as rosas não falam, já dizia Cartola. Mas eu consigo entender as flores! Eu falo com elas! Pensei num subtítulo “O olhar, o sorriso e a flor”. Achei esta frase romântica e resolvi pesquisar no Google. Apareceram muitas chamadas com a frase “O amor, o sorriso e a flor”. Eu pensei: Tem gente que pensa parecido, vou ver quem é. O primeiro era João Gilberto. Eu pensei “Coisa de baiano”. Cliquei e abriu o Disco de João Gilberto com texto de apresentação de Tom Jobim.

A apresentação de Tom e o disco são de 1960, a ortografia também, e eu fiquei tão encantado com o texto que resolvi, em vez de publicar minhas flores, publicar o texto de Tom para o disco de João Gilberto. É só amor, sorriso e uma verdadeira flor. Veja o texto de Tom e depois as músicas que estão no disco. Não vou colocar música nem flor. O texto de Tom e as músicas devem ser curtidos e imaginados por todos. É o espírito da Bossa Nova. As Sabiás trouxeram também Tom Jobim, e minhas flores virão depois...


Texto da contracapa, por Tom Jobim:


“ Em janeiro, não aguentei mais e subi a serra. Todos sabem como foram as águas em 60. Como choveu! Cheguei à fazenda, meti-me numas calças velhas e esperei a chegada daquela burrice calma que nos dá nove horas de sono sem sonhos.
O mau tempo e o barro mantinham a todos presos em casa. Bom era quando o dia amanhecia melhorzinho e eu e meu filho, ainda de pijama, íamos ver o trabalho das formigas cortando as roseiras do jardim. Mas qual! Quando o sol começava a querer esquentar vinha logo a chuva e nós corríamos para dentro.
Uma noite, já ia apagar os lampiões, quando ouvi o motor de um carro que pelejava para subir a rampa. João Gilberto e Sra. estavam chegando. Tínhamos combinado que ele viria, mas, devido ao mau tempo já não acreditávamos que Joãozinho chegasse, e logo de taxi!
Depois ele me contou que, atolado na lama, esperou um trator puxar o carro. Vinha cansado e descansou uns dois dias.
Então começamos a trabalhar. Fugíamos da sala onde brincavam as crianças prêsas pela chuva. Íamos para um dos quartos vazios, com fôrro de madeira, que aliás dão boa acústica. Lá, longe da cidade e do telefone, trabalhamos sossegados uns dez dias. De vez em quando o trabalho era interrompido pelas crianças que irrompiam no quarto trazendo algum filhote de tico-tico ou de coleiro "caído" do ninho. Nessa época do ano a trepadeira da varanda fica cheia desses ninhos de passarinhos pequenos. Às vêzes também as patroas entravam com um café cheiroso, biscoitos, e ficavam alí um pouco.
Quando o tempo melhorava vinha o sol quente. Tomávamos banho de cachoeira e íamos flanar um pouco pelas redondêzas.
Aí Joãozinho partiu. Dias depois recebo um recado; o disco estava atrazado e o Aloysio havia marcado a gravação. Desci também e começou a correria: estúdio, cópias, músicos.
E tudo foi feito num ambiente de paz e passarinhos.

P. S. - As crianças adoraram "O Pato".

Antonio Carlos Jobim”

O amor o sorriso e a flor

João Gilberto


1960
Direção musical de Antonio Carlos Jobim
Direção Artística: Aloysio de Oliveira

Samba de uma nota só - Antonio Carlos Jobim / Newton Mendonça
Doralice - A. Almeida / Dorival Caymmi
Só em teus braços - Antonio Carlos Jobim
Trêvo de quatro folhas - M. Dixon / H. Woods / versão de Nilo Sergio
Se é tarde me perdôa - Carlos Lyra / Ronaldo Boscoli
Um abraço no Bonfá - João Gilberto
Meditação - Antonio Carlos Jobim / Newton Mendonça
O pato - Jayme Silva / Neuza Teixeira
Corcovado - Antonio Carlos Jobim
Discussão - Antonio Carlos Jobim / Newton Mendonça
Amor certinho - Roberto Guimarães
Outra vez - Antonio Carlos Jobim

Nenhum comentário:

Postar um comentário