quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Globo e Dirceu, juntos?

Após dez anos, acordo vai da Globo a Zé Dirceu

Emissora festeja mudança por poder vender Net a Slim e resguardar conteúdo;petista vê 'fruto de consenso'

NELSON DE SÁ - ARTICULISTA DA FOLHA

A Record resistiu até o último instante, com o sobrinho de Edir Macedo, o senador Marcelo Crivella, argumentando que o projeto é prejudicial por adotar cotas para produção nacional -e por um suposto estímulo à transferência de publicidade da TV aberta para a TV paga.

Também a Bandeirantes resistiu, ela que tem operadora de cabo, a TV Cidade, em propriedade cruzada agora proibida pelo projeto. Também o SBT, que controla a operadora TV Alphaville. Encerrada a votação, a Band saiu acusando o ministro das Comunicações e os parlamentares de permitir "a invasão do galinheiro pelas raposas", as "generosas teles" que "derramaram milhões durante a campanha".

Mas a Globo, que teria reafirmado apoio ao projeto em reunião com o ministro das Comunicações, dois meses atrás, não questionou sequer as cotas para produção nacional, atacadas ruidosamente por parlamentares do PSDB e do DEM.O projeto permite à Globo formalizar a venda da Net para o mexicano Carlos Slim.Por outro lado, resguarda o conteúdo: "Para produzir programas, a empresa terá que ter capital nacional mínimo de 70%", o que barra Slim e a espanhola Telefónica.

As teles, pelo acordo, são proibidas até de comprar direitos sobre eventos e contratar artistas. Na mesma reunião com o ministro, também teria sido aceita a "cota mínima e crescente de produtos nacionais" na TV paga, inclusive "parte deles realizados por produtores independentes".

A aprovação, anteontem, foi imediatamente saudada tanto pela Telebrasil, a associação das teles, como pela ABTA, das empresas de TV por assinatura.

De sua parte, o líder petista José Dirceu, consultor de Slim, também festejou publicamente a aprovação, "já não era sem tempo", depois de dez anos de disputas no Congresso. E justificou que foi "fruto de um consenso no qual todos cederam".

Com a nova lei dependendo agora da sanção da presidente Dilma Rousseff, o ministro das Comunicações comemora publicamente ter desatado o nó que impedia maior concorrência na TV a cabo, um virtual monopólio da Net. Também abre caminho para a entrada no cabo da "campeã nacional", a operadora de telefonia Oi, da "famosa Andrade Gutierrez", como descreve a contrariada Bandeirantes.
Folha SP, 18/08/11 – Caderno Mercado


Nós, militantes,simpatizantes e cidadãos brasileiros,queremos entender primeiro, para comemorar depois. Afinal, quando assinamos TV a Cabo, era para não ter propaganda. Agora está ficando tudo igual e nós pagamos por uma coisa e recebemos outra, de má qualidade.Em vez de ser o ganha-ganha, está parecendo que uns poucos vão ganhar e a maioria vai perder. Que se esclareçam...

Nenhum comentário:

Postar um comentário