quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Conselhos e Mau-Olhado

Duas Veras e Duas Histórias

A vida e suas histórias... Há dias que venho pensando em falar das Veras, estas pessoas interessantes e boas profissionais. Outro dia eu escrevi sobre uma boa reportagem no Estadão sobre o Governo Dilma, e uma das autoras da reportagem era Vera Rosa. Eu ainda disse que a jornalista era séria e boa profissional.

Hoje, ao folhear o Estadão, lá estava uma nova matéria dizendo que ”Lula recomenda a Dilma conversar mais com o PMDB”. Palavras sábias do nosso maior líder que o Brasil já gerou. A voz da experiência... E quem assinava a matéria? Vera Rosa. Ao abrir o computador no trabalho, procuro a matéria para salvar no meu arquivo e escrever este texto. Como é o titulo que achei? “Dilma pede conselhos a Lula”. Quem assina a matéria? Vera Rosa. É Vera e é Rosa...

Outro dia, cheguei para trabalhar, e Dona Vera, a nossa copeira, trouxe para eu ver, toda orgulhosa, um vaso com uma plantinha e duas ou três flores. Era um pé de Pimenta, daquelas que protege de mau-olhado e “olho-gordo”. Dona Vera é uma senhora pernambucana, avó e evangélica! Mas, na dúvida, também acredita numa fézinha contra “mau-olhado”. E Dona Vera também viaja de avião para Recife, tem casa própria e paga dízimos. Faz parte da Nova Classe Média de Lula. Este Lula...


Já sei que Dilma gosta de Conselhos, principalmente de um padrinho forte como Lula, mas não sei se Dilma acredita em “mau-olhado” e “olho-gordo”. Na dúvida, além de falar das Veras, vou enviar a fotografia da plantinha de Dona Vera. O pé de Pimenta em Flor. A foto foi tirada com a plantinha sobre minha mesa de trabalho. Dá sorte! Tão singela, tão frágil e tão simbólica.

Como eu falei da Dilma, mineira, que gosta de Milton Nascimento e Fernando Brant, hoje eu procurei uma música, que marcou minha vida, mas não a encontrei com Caetano Veloso, achei com a gauchinha mais importante de todos os tempos, Elis Regina. É uma música a partir da letra do maior escritor português, Fernando Pessoa. A música é “Os Argonautas”.

Navegar é preciso. Viver?


Nenhum comentário:

Postar um comentário