quinta-feira, 21 de julho de 2011

Se fosse FHC a imprensa daria capa

Lula, o presidente de diversos Brasis, é homenageado na Fiesp

Vejam abaixo o Boletim da Fiesp, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, divulgando a Homenagem oferecida a LULA. Nossa "grande imprensa" é tão cínica que escondeu a noticia. Sé deu notinhas... Se fosse FHC ela daria capas e capas. É aquela estória, um faz e o outro simula que faz...

Vale a pena ler a mensagem:

Para Paulo Skaf, Lula fez diferença para o Brasil:
"Foi o presidente que mais valorizou o setor produtivo"

Pelo reconhecimento às ações em seu governo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi homenageado na noite desta segunda-feira (18) por aproximadamente 200 representantes do setor produtivo, em jantar reservado na Fiesp.

Um pouco antes, Paulo Skaf, presidente da entidade, surpreendeu Lula com a abertura da exposição fotográfica em sua homenagem, no Centro Cultural Fiesp - Ruth Cardoso: Mostra fotográfica Lula.

A foto que mais sensibilizou o ex-presidente foi na qual ele aparece batendo bola com a camiseta do Corinthians: “Esta é a melhor”, disse orgulhoso, convicto de que ali estava mais uma nação dos diversos Brasis existentes. (leia mais abaixo).

"Durante a campanha à Presidência da República, Lula falava na criação de 10 milhões de empregos no Brasil. Acreditávamos que era ‘conversa de candidato’, que isso seria impossível, mas ele gerou 15 milhões de vagas, tirou 26 milhões de pessoas da miséria e elevou 39 milhões de brasileiros à classe C", disse Skaf.

Lula colocou o Brasil no centro do cenário internacional, lembrou o presidente da Fiesp. “Foi o estadista que correu mundo, como um caixeiro viajante”, brincou. “Aqui [na Fiesp], Lula recebeu duas dezenas de chefes de Estado, valorizando o setor produtivo, e fomos convidados para liderar diversas missões internacionais. O presidente Lula fez diferença para o Brasil”, enfatizou.

Emocionado com a homenagem, Lula reforçou o valor da construção do consenso entre um chefe de Estado e a sociedade brasileira, incluindo os setores organizados e o empresarial: “Foi uma lição de vida”, declarou referindo-se aos seus oito anos de mandato.

Para Lula, na economia não há mágica. "Esse consenso foi baseado na diversidade. Tivemos divergência e temos que ter, pois agimos de modo civilizado para construir o mundo de hoje.” Mas cutucou a dinâmica complexa da política, pois cansou de ouvir sobre a necessária reforma da política tributária: “Mandei duas propostas para o Congresso Nacional e elas estão lá, intactas”.

Bem humorado, o ex-presidente reforçou sua confiança no governo Dilma Rousseff e também na Seleção brasileira: “Na Copa de 2014, nossa meninada vai aprender a bater o pênalti”, finalizou, sobre a eliminação do Brasil na Copa América.

Também integraram a homenagem os ex-ministros Delfim Netto, Celso Amorim, Miguel Jorge, Patrus Ananias, Roberto Rodrigues e o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, além do empresário Josué Gomes da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário