terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Um dia especial

ontem, dia 30 de novembro, meu irmão Gildemar, resolveu tornar publico que era meu aniversario. graças a esta iniciativa, passei o dia e a noite recebendo parabes. irmãos, amigos e colegas são imprescindiveis. obrigado a DEMA, Gildemar, e a todos que mandaram parabens. Hoje é o aniversário de Gilmar. 67 anos. Ele é o quinto filho, eu sou o sexto. Nós dois e minha irmã mais nova, Celia Maria, nascemos em Inhambupe e fomos morar em Serrinha em 1958. Eu sempre fui o mais mirradinho e Gilmar o mais desenvolvido dos sete. Ele era apenas um ano e 3 meses mais velho que eu, mas parecia ser bem mais. Isso me deixava em desvantagem. Eu morria de vontade de entrar na Filarmônica para aprender música, mas quando ele entrou, me disseram que eu era muito novinho ainda. Um ano depois, quando eu tinha a idade de quando ele entrou, continuaram me dizendo que eu ainda estava novinho. Por isso ele aprendeu clarineta na filarmônica, e eu flauta doce na bandinha do ginásio. Como éramos próximos em idade, brigávamos muito. Ele, mais forte, sempre ganhava. Sempre foi o mais comunicativo da família, conquistando todos que o conheciam. Uma vez pedi pra ele me levar pra rua, pra eu aprender a ser mais social, mas ele recusava. Eu era muito novinho. A gente tinha uma relação de amor e ódio. Ele era o mais desenvolto, hábil em tudo que fazia, e eu era o mais intelectual. Os ciúmes eram inevitáveis. Com uns 12 anos ele foi vender panela na feira, aos sábados, e eu fui com ele. Para mim, era um suplício. Depois ele foi trabalhar na venda de Fernando, na casa vermelha que ficava em frente ao mercado. Foi convidado, é claro. Em 1969 estava em São Paulo fazendo o colegial no Colégio Estadual Presidente Roosevelt, na Liberdade. Eu entrei em 1970. Os colegas dele só viviam lá em casa. Marcavam para estudar juntos, e frequentemente saíam para beber com os professores. Depois ele entrou na Fundação Getúlio Vargas, onde fez Administração de Empresas. Os colegas dele iam tudo de motorista particular, e lá ele fez amizade com o então professor Eduardo Suplicy. Os colegas ricos viviam lá em casa. A gente se cotizava para ajudar a pagar a escola cara. Gilmar trabalhava na compensação, de noite, pra fazer o curso de dia. Nós entramos no mesmo concurso do Banco do Estado da Guanabara (depois Berj, depois Banerj), mas sempre trabalhamos em agências diferentes. Logo, ele se engajou no sindicato, se juntou com Luiz Gushiken e outros, tiraram os pelegos e formaram um sindicato bem dinâmico. Tinha um trio elétrico que saía pelo centro de São Paulo avisando das assembleias ou denunciando os gerentes assediantes. Durante a ditadura militar, nem sei quantas vezes foi preso... Participou da fundação do PT e da CUT, foi presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, o mais rico do país, por vários anos, dirigiu as cooperativas de crédito da CUT pelo Brasil todo, viajou por tudo que é país, e hoje está aposentado. Segundo André Luís Rodrigues, colega dele na CUT, é querido por todas alas políticas, por sua posição sensata. Sempre teve uma presença muito marcante. Uma colega de trabalho minha, ao ver uma foto dele, ficou impressionada como é que eu podia ter um irmão tão bonito! Engraçado que sempre achei o contrário! Vivendo no Japão, minha filha achava que toda estátua de ocidentais me representava (pois não eram japoneses). Quando Gilmar esteve lá e pegou ela nos braços, ela não se cansava de olhar pra cara dele e pra minha, como se fosse muito complicado achar o que havia de diferente entre nós. Comparado com a diferença entre minha cara e a dos japoneses, era quase nada. Eu não gosto de ter amigos famosos. São inacessíveis. Prefiro os desconhecidos, como meus alunos que ainda não sendo pesquisadores renomados, têm tempo de sobra pra conversar besteiras comigo. Às vezes descubro que Gilmar passa dias aqui em Salvador e não me manda nem uma mensagem! Mas tenho a impressão de que ele me estima. Sempre fala bem de mim a todo mundo, e quando estive lá na casa dele, a última vez, me tratou na palma da mão. Até me chamou pra aula de Taichichuan que ele faz às 6 horas da manhã! E, como tudo que ele faz, jeitoso como é, faz Taichi muito bem! Feliz aniversário, Gilmar

domingo, 29 de novembro de 2020

Eleição volta a piorar

Divisor de aguas... o mundo está tenso e desconfiado. Ontem, sabado, na feira da VILA Madalena, só vi uma velhinha que declarou votar em Bruno. Os trabalhadores nas barracas, a maioria estava apoiando BOULOS e ERUNDINA. HOJE, domingo, parece que a imprensa fechou apoio aberto aos candidatos conservadores. A imprensa percebeu que o povo está votando contra os bolsonaristas. Democracracia é a pratica da liberdade. A IMPRENSA precisa aprender a respeitar a vontade do povo. Vamos ver à noite o que vão dizer as pesquisas de boca de urna e o que o TSE vai dizer. NEm sempre ambos expressam o que o povo quer. O Brasil de olho na Tv e nos celulares.

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Pesquisas tentam alterar o desejo do povo

Pesquisa ajuda ou atrapalha? Se for séria e bem feita, ajuda. Por exemplo, pesquisa de produtos. Se você errar nas amostragens, o resultado vem contaminado... Pesquisa eleitoral, para qualquer tipo de disputa, sempre há uma forte dose de emoções e de interferências nos resultados. Por exemplo, se você quer superestimar os números de seu candidato, você aumenta o segmento que ele é forte e diminui onde ele é fraco. Este tipo de manipulação tem um margem de erro para não desacreditar a pesquisa. Outra forma de alterar resultados de pesquisas é mexer no desvio padrão. Mais ou menos três pode levar a uma diferença de seis pontos, o que afeta o resultado geral. Vamos olhar para a nova pesquisa das eleições em Recife. É muito provável que o universo pesquisado pelo DataFolha foi diferente do pesquisado pelo Ibope. Quem está mais próximo da realidade? Vamos ver a evolução até domingo para ter a resposta. Tudo indica que o Ibope de hoje forçou a mão, protegendo o candidato do governo e prejudicando Marilia Arraes. Pode acontecer de a pesquisa do Ibope interfira no emocional dos dois candidatos e provoque um resultado final diferente do que vinha se desenhando. É o tal do "limite da ilegalidade". Da mesma forma do exemplo de Recife, a eleição em São Paulo também sinaliza que o Ibope forçou a mão à favor do candidato tucano, evitando que a notícia da Folha crie pânico nas fileiras tucanas... Tudo indica que "as montanhas estão se movendo". Pode acontecer de Marília continuar crescendo em Recife e ganhe com boa margem de vantagem. Como pode acontecer em São Paulo, de a dupla Boulos/Erundina crescer muito mas não o suficiente para ganhar. Lembra da eleição americana? Todo mundo dizia que ia ser um banho para Biden, e, no final ele teve que comemorar o 51 a 49%. O importante foi vencer. Os tucanos devem estar fazendo a mesma conta e contam muito com a imprensa para forçar este resultado continuísta. Na verdade, como disseram os democratas nos Estados Unidos, o fundamental é que o máximo de eleitores compareçam para votar. Afinal, o voto é o instrumento mais importante da Democracia e da Liberdade. E seja o quê o povo quiser

A Folha e o PSDB sentiram a virada

São Paulo quer mudança A Folha, que apoia Bruno, alertou aos tucanos. O POVO está querendo BOULOS E ERUNDINA.

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Mário Covas não concorda com Bruno

Propaganda Eleitoral Negativa Bruno não honra o nome do avô com este tipo de propaganda eleitoral Todo mundo que me conhece sabe que sempre gostei de Mario Covas e Franco Montoro. Apoiei Covas em várias eleições, almoçamos juntos para trocar figurinhas, etc. Quando fui eleito pela primeira vez presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, fiz questão de convidar Mário Covas para a posse, ele sentou-se à mesa principal e teve direito à saudação pública. Estive presente e continuo mantendo contato com a Fundação Mário Covas. Nesta eleição para prefeito de São Paulo, enquanto o debate era "quem iria disputar o segundo turno contra Russomano", a discussão estava fácil. Era igual a Mário Covas contra Maluf. Acontece que a Folha estimulou tanto que Boulos dificultasse o crescimento de Jilmar Tato, que Boulos passou para o segundo turno exatamente contra Bruno. Que de Mário Covas herdou muito pouco... Vendo o noticiário na TV vi Bruno Covas dizendo que "votar no Boulos era votar no PT". Reforçando o discurso direitoso e fascista contra o PT... Ouvindo a propaganda eleitoral no rádio do carro hoje, ouvi uma propaganda que era assim: "O que Caetano Veloso, Chico Buarque, e todos estes nome de artistas tem que querer dar palpite em São Paulo se eles nem moram em São Paulo? Eu achei que estava ouvindo mal. Reduzi a velocidade do carro para poder prestar mais atenção. A propaganda era hostil aos artistas.... Fiquei lembrando de Mário Covas, governador de São Paulo, e eu nas reuniões do Conselho de Administração do BNDES defendendo que o banco emprestasse dinheiro para o Metrô de São Paulo. Covas dizia que São Paulo precisava do Rodoanel e do Metrô, mas o Estado não podia se endividar muito...Covas sabia que eu era petista, sempre soube e isto nunca foi empecilho para nosso relacionamento. Por conhecer mais o Mário do que o Bruno, eu achava que Bruno poderia ser melhor que Dória, melhor que Russomano, Maluf entre outros. Enganei-me e agora estou entendendo porque em todos os lugares as pessoas estão dizendo que estão mudando seu voto do primeiro turno. Muitos estão dizendo que vão votar em Boulos e Erundina. A acusação de que Boulos vai incendiar São Paulo e ocupar todos os prédios NÃO está pegando. Boulos é light. Boulos e Erundina formam uma boa combinação do novo com o mais velho. Os jornais também estão dizendo que Bruno Covas está pedindo ajuda para todas as igrejas pentecostais. Inclusive Edir Macedo. Era isto que a Folha queria? Eu amo muito São Paulo. Trabalho há 50 anos no Centro de São Paulo. Nunca o Centro esteve tão destruído como está agora. Vamos fazer São Paulo melhor! Vamos ajudar as pessoas a terem moradia, escolas para os filhos, hospitais por bairro e transporte coletivo de qualidade e quantidade. Vamos criar as condições para o povo ser Feliz. Liberte este lado solidário, fraterno e acolhedor. Vamos votar em quem pode fazer São Paulo uma cidade para todos, com todos e de todos. Vamos votar em Boulos Erundina, para construir juntos uma vida melhor. E, por tabela, vamos dar um presente especial no aniversário de Erundina, no dia 30 de novembro. A Vitória no dia 29. Vamos votar no 50, sem medo de ser feliz

domingo, 22 de novembro de 2020

Estão escondendo as pesquisas?

Algo está errado nas pesquisas Com o segundo turno muito curto, seria de bom senso ter muitas pesquisas. Tivemos a pesquisa para o dia 15, depois tivemos uma para o segundo turno. Neste final de semana as empresas e institutos não apresentaram novas pesquisas. Porque? Para se ter uma tendência clara do eleitorado, precisamos ter no mínimo três pesquisas no segundo turno. Uma pesquisa para saber o ponto de partida do segundo turno; Uma segunda pesquisa para saber qual foi o primeiro movimento do eleitorado; E uma terceira pesquisa na reta de chegada, isto é, no próximo sábado. Sendo que a eleição é no domingo. Com as três pesquisas podemos afirmar que a segunda pesquisa define uma reta e a terceira define uma tendência para cima ou para baixo. Só é permitido publicar pesquisas registradas no TSE. Mas, onde há candidato há pesquisa contratada. O Datafolha e o Ibope estão subordinados à Folha e a Rede Globo, E os demais institutos e partidos? A impressão que fica é que o clima eleitoral está melhorando para os candidatos da oposição... Paes já liquidou a fatura no Rio de Janeiro. Marília Arraes vem crescendo em Recife. E São Paulo? E Porto Alegre? E as grandes cidades? O que eu ouço de São Paulo é que Boulos e Erundina estão crescendo. A dúvida é se o crescimento será numa velocidade que dê para ganhar no próximo domingo. Existe uma tensão entre os apoiadores de Bruno Covas. É a síndrome do "Cavalo Paraguaio". Bom de partida e ruim de chegada... Erundina virou sobre Maluf em apenas uma semana. Mas era outro tempo onde o antimalufismo era muito grande. Agora, há um terço do eleitorado que tende a não votar. Quem conseguir atrair mais votos desta "maioria silenciosa" tenderá a vencer as eleições. Bruno Covas serviu para derrotar os bolsonaristas - base malufista e janista. Boulos serviu para derrotar o PT, mas a Folha não acreditava que ele tivesse chance de vencer. Acontece que a dupla Boulos - Erundina está animando o eleitorado e nos bairros já ouvimos as pessoas dizerem que vão votar em Boulos e Erundina. Como uma onda no mar, tudo pode acontecer até dia 29, próximo domingo. Lembram do voto silencioso? Tem eleição que o povo não abre o voto, não diz em quem vai votar. E quando abrem as urnas, os votos contrariam as pesquisas. Nada do que foi será

sábado, 21 de novembro de 2020

O Brasil do passado quer matar o Brasil do presente

O Brasil do passado teima em bloquear o BRASIL do presente 1 - Assassinato de negro em Carrefour de Porto Alegre horroriza o mundo 2 - História da Odebrecht também poderia horrorizar o mundo 3 - Diretor de estatal ganhar R$ 2,9 milhões ao ano também é um horror Tudo isto num mesmo caderno de Mercado na edição da Folha de hoje. – Matar negro e pobre no Brasil sempre foi ROTINA. Por mês morre mais gente no Brasil do que na maioria dos países em guerras. – Acontece que não existe PENA DE MORTE no Brasil. Se nem ao Estado/Governo é facultado o direito de matar pessoas, porque se mata tanta gente? Porque sempre houve uma tolerância por parte dos poderes e da própria população. – O mundo não aceita mais essa impunidade e essa violência contra o cidadão comum. E o Brasil, apesar da resistência, está sendo obrigado a respeitar as pessoas e as instituições. - Além de não se poder matar, deve-se parar de contar piadas preconceituosas, agredir pessoas verbalmente e parar de achar que pobre e/ou negro não merecem respeito. - João Alberto Silveira Freitas, jovem de apenas 40 anos, negro, morador em Porto Alegre, cidade das mais cultas do Brasil, de repente é assassinado cinematograficamente por seguranças de uma rede internacional, com sede em Paris. O Carrefour não honrou a imagem de seu país, não respeitou às leis brasileiras e agora vai ficar com a marca de empresa que mata facilmente... 2.1 – Matar pobres e negros é uma prática vergonhosa para um pais que quer modernizar-se como o Brasil. Mas a história da corrupção no Brasil também ainda está longe de acabar. 2.2 – A jornalista Malu Gaspar acaba de lançar o livro “A Organização – A Odebrecht e o Esquema de Corrupção que Chocou o Mundo”. Pela Companhia das Letras. 2.3 – Segundo a jornalista, as omissões apontadas por Marcelo nas conversas com seus familiares incluíam detalhes sobre o relacionamento da Odebrecht com os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Fernando Collor (Pros) e José Sarney (MDB), além de parlamentares que foram alvo da Lava Jato. 2.4 – A IMPRENSA E A ODEBRECHT Curiosamente, no cantinho inferior direito da página inteira sobre a Odebrecht, há uma notinha da Folha com os seguintes dizeres: “Grupo buscou aproximação com imprensa nos anos 1990, diz autora – O livro de Malu Gaspar conta que Emílio Odebrecht fez um esforço para se aproximar dos principais veículos de comunicação do país nos anos 1990, quando a imagem da sua empresa foi atingida por vários escândalos. Ela afirma que a construção do parque gráfico inaugurado pela FOLHA em 1995 fez parte da estratégia. A Odebrecht executou a obra, e a Folha pagou pelos serviços com espaço para anúncios da empreiteira no jornal. Segundo Gaspar, a Odebrecht também construiu um parque gráfico para O GLOBO e adiantou recursos para o ESTADÃO, Gazeta Mercantil e Jornal do Brasil na mesma época.” Para bom entendedor, meia palavra basta. As afirmações acima já seriam suficientes para se fazer um bom livro e vários processos... Diretor de ESTATAL ganha até R$ 2,9 milhões ao ano... Este total equivale a uma renda mensal de aproximadamente 240 mil reais – POR MES – sendo que o salario dos concursados é de APENAS 31,3 mil por mês. O pagamento mais alto é da Petrobrás com 2,9 milhões ao ano; O Banco do Brasil é de 1,6 milhão de reais por ano; Na Eletrobras, em média foi de UM MILHÃO ao ano; Mesmo o Banco do Nordeste a remuneração chega a 958 mil por ano. Vejam que, em apenas três páginas de um jornal, encontramos assuntos que deixa qualquer cidadão de país civilizado assustado. O Brasil ainda está longe da civilidade, da transparência e do equilíbrio orçamentário. E o SALÁRIO MINIMO no Brasil ainda está em 1.045,00 Um mil e quarenta e cinco reais por mês. Sem contar os milhões de brasileiros que não ganham nem um salário mínimo.... E ainda chamam os pobres e negros de radicais