quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

De olho no Brasil

O mundo quer saber o quê passa no Brasil

Há 135 países que acompanham o que publicamos no nosso blog.

O curioso é que, ultimamente, além dos países mais desenvolvidos,
há sempre alguns países dos diversos continentes que nos acompanham.

Nos últimos dias, temos recebido visitas do NEPAL, da ÍNDIA, da TURQUIA,
da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes e até da UCRÂNIA.

Isto é um retrato da globalização...


Além da distribuição da grande imprensa, vinculada às empresas,
ao "mercado", ao mundo conservador,
há também a globalização das redes populares e sociais.

O mundo ficou pequeno...


Se podemos globalizar as informações,
precisamos também globalizar o acesso às políticas públicas,
como saúde, educação, transporte, habitação, alimentação,
trabalho, lazer e cultura.

A China é o maior exemplo de inclusão social e econômico

que já tivemos na Terra, em tão pouco tempo.

Tivemos outras experiências relevantes como os Estados Unidos
na época de Roosevelt, a Rússia na época de Stalin, e
vivemos atualmente algo parecido com a Índia.

O Brasil tirou da pobreza mais de 40 milhões de pessoas,

além de melhorar a qualidade de vida de todos os segmentos sociais.
Isto foi nos governos Lula e Dilma, do PT.

Com o golpe do impeachment e a traição dos parlamentares eleitos apoiando
a chapa de Dilma, o Brasil voltou a aumentar a pobreza e a fome.

Enquanto a fome aumenta
, aumentam também as doenças endêmicas como tuberculose
e varíola. O poder judiciário, que poderia ajudar a combater a fome e
as doenças, está priorizando perseguir e condenar aquele que mais
ajudou a combater à fome e às doenças.

A justiça brasileira está perseguindo Lula

e tentando impedir que ele seja candidato à presidência da República.

E este pessoal da Justiça diz que decide em nome do povo. Qual povo?

Quem tem que decidir sobre o que é melhor para o Brasil
é o POVO brasileiro.


Isto sim que podemos chamar de Democracia.

O Brasil que deu certo e o Brasil atual

Convivendo com as incertezas

Tenho lido os jornais e não consigo achar coisas agradáveis para ler. Nem nos cadernos de cultura. Predominam notícias ruins ou tendenciosas. E as pessoas me perguntam porque gasto dinheiro assinando jornais conservadores, manipuladores e repetitivos - até nas fotografias e capas. Gosto de responder que, mesmo só tendo jornais ruins no Brasil, precisamos nos manter atualizados principalmente com a economia, a cultura e o mundo.

Tinha uma livraria em São Paulo, se não me engano na Rua Aurora, no tempo da ditadura, onde se lia na parede e nas embalagens:

- Quem não lê, mal fala, mal ouve e mal vê.

Acompanhar as redes sociais também anda difícil. Tanto pela quantidade, como pelo conteúdo. A esquerda critica a direita e a direita critica a esquerda. Tudo isto parecendo disputa de time de futebol. Tem algo mais chato do que disputa de corintiano com palmeirense e vice versa? Chega ao irracional. Mas conhecer o que os dois lados falam sempre foi importante.

O que sentimos é que o Brasil atual está vivendo uma das piores experiências que já teve. Um país sem carater, um governo desmoralizado, corrupto e serviçal das multinacionais e dos bancos. Os políticos na maioria assumem seu lado mercenário e o povo acompanha tudo com muita desconfiança. Não consegue acreditar muito, nem na oposição e muito menos no governo e seus aliados.

Quando a montanha se moverá?
Quando deixaremos de ficar "deitados eternamente"?
Confesso que não sei.

O que sei é que, ante o medo do presente, também estamos passando por boas experiências.


Nossa geração, que anda entre 60 e 75 anos de idade,
mesmo passando pela tristeza de ver o Brasil tão desmoralizado,
vê seus filhos e filhas se casarem e saírem de casa para trabalhar em outras cidades.

Como reagir ao ver os filhos cumprindo um ritual de passagem
que vivemos como filhos e agora estamos vivendo como pais?

Vejam dois exemplos:

1 - Casamento no interior


Na semana passada estivemos em Bilac, Birigui e Fernandópolis, no casamento de uma sobrinha. Aproveitamos para ir até Bilac, cidade onde morou meu sogro quando chegou ao Brasil em 1926. Veio trabalhar na lavoura de café, como milhares de japoneses e demais imigrantes. Bilac continua uma pequena cidade, mas que consegue emocionar todos os meus cunhados e cunhadas quando chegam à casa onde nasceram e viveram a primeira parte da vida, antes de se mudarem para Birigui. A casa continua igual ao que era em 1945. O ano em que a segunda guerra mundial acabou, afetando a economia cafeeira e a vida dos brasileiros...

Quando a família do meu sogro chegou em Bilac, interior de São Paulo, não tinha escola nem para brasileiros, quanto mais para japoneses recém-chegados. Meu sogro, mesmo morando no campo no Japão, lá frequentava escola, aqui... nada. Eles fundaram escola de japonês e depois conseguiram escolas brasileiras. Meu sogro teve onze filhos e todos fizeram faculdade, incluindo quatro que se formaram em medicina.

Agora seus netos e netas já estão se casando, fazendo os pais chorar de emoção e de incertezas. A festa foi muito bonita e voltamos para casa alegres por ter encontrado muitos amigos e parentes.


2 - Se formar, conseguir emprego, deixar a casa dos pais e deixar de viver em frente ao mar...


Se os japoneses de Bilac, Birigui e Fernandópolis tiveram mais um casamento, nossas japonesas que vivem em Salvador também estão passando por mudanças de vida. Nossa sobrinha, que nasceu em Nagoya, no Japão e veio morar no Brasil, acabou de se formar em engenharia. Com a recessão, não conseguiu um bom emprego em Salvador como gostaria, mas conseguiu um bom emprego em Minas Gerais, lá no interior, onde estão as fábricas de minérios.

De repente, aquela japonezinha que toca, que canta, que conta histórias e estórias, vai deixar a casa dos pais, vai deixar de ver diariamente o mar da Bahia e vai viver nova experiência, vai trabalhar numa multinacional.

Hoje, ao ver a mensagem deixada por ela no facebook, filmando o avião levantando voo e o mar ficando distante, fiquei emocionado. Nossas filhas e filhos estão cumprindo suas missões e nós estamos ficando velhos.

Ter filhos e criá-los antigamente era mais fácil do que atualmente. Hoje ter dois filhos já significa muito gasto, imaginem se fossem onze, como meu sogro, ou mesmo sete, como nossos pais?

De 1945 até hoje, o Brasil cresceu muito,
deixou de ser um país rural para ser um país urbano. De repente, vivemos a sensação de que estamos desistindo do Brasil como país rico e promissor. A impressão é que estamos aceitando ser um país pobre e sem futuro.

Minha forma de passar esperança para as pessoas que reclamam do Brasil atual é comparar com a Europa do início da segunda guerra mundial e comparar o Brasil com os países ocupados pelos nazistas. Imaginem o desespero e o medo. Na Europa morreram mais de 40 milhões de pessoas e as bombas destruíram quase tudo. No entanto, das ruínas das casas e dos prédios, e das cinzas humanas renasceu uma Europa mais moderna e mais democrática.

Hoje há nova crise na Europa, como há no Brasil e no mundo.
Mas a degeneração no Brasil é mais forte. Vivemos um impasse na ética, na transparência, no respeito as diferenças e na falta de tolerância.

Da mesma forma que se demorou para perceber a dimensão da destrutividade das ditaduras nos ano 30 do século passado, ainda não conseguimos perceber em que parte da mudança estamos no Brasil e no mundo.

Só sei que, apesar da vida mais simples que nossos pais tiveram, eles tiveram mais certezas do que temos atualmente. E as incertezas geram angústias e medos, que geram guerras e violências.

Como já estamos velhos, o que mais podemos fazer é torcer para que nossas filhas e nossos filhos consigam impedir que a violência se sobreponha ao respeito, as diferenças e à Democracia.

Como ainda temos muitos anos de vida pela frente, vamos torcer para que a paz se sobreponha à guerra, e que a ética se sobreponha a falta de escrúpulo. Afinal, o todo é mais do que a soma das partes.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A imprensa sangra, querendo tragédias

Como não consegue eleger seu candidato, quer mais sangue...

A imprensa é o melhor retrato do que anda pensando os tucanos do PSDB e judiciário frustrados com as várias derrotas para o PT e para Lula.

Hoje eu não acreditei quando vi a UOL perguntando cinicamente se Lula seria preso, isto é, já dava a condenação como barato, fato consumado. Cabe aos jovens e entusiasmados juízes apenas seguirem às ordens da imprensa, que por sua vez recebe às ordens dos empresários e dos governantes internacionais.

Um imenso país, sem autoestima, sem um empresariado com coragem para se defender e defender seu país. Aceitam ser vassalos e serviçais de multinacionais.

Um país de Macunaímas...

Ricos de dinheiro mas pobres de votos e de idoneidade. Incapazes de representar o povo. Veem o povo como meros consumidores seu autonomia e capacidade para eleger seus verdadeiros representantes.

Quem imaginaria que o Brasil chegaria a isto?

Vergonha, vergonha e vergonha...

Pátria amada, idolatrada, salve! salve!

domingo, 14 de janeiro de 2018

Quando ninguém confia em ninguém

Será que todos estão mentindo?

Esta é a realidade da Política no Brasil.


1 - Se todos os partidos disputam cargos eleitorais e o sistema eleitoral exige dinheiro que nem ladrão acaba, como acreditar que há candidatos 100% inocentes? Ou honestos?

2 - Se todos os jornais, rádios e TVs fazem campanhas partidárias e manipulam informações jurídicas? Como acreditar no que a imprensa diz?

3 - Se todos os dias tomamos conhecimento de algum rolo entre o Judiciário e os políticos ou empresários, como acreditar na neutralidade do Judiciário?

4 - Se todos os governantes querem se reeleger, como acreditar que a prioridade deles seja aplicar o programa eleitoral?

5 - Se os movimentos populares também têm seus candidatos, dentro do mesmo sistema eleitoral vigente, como acreditar que estes movimentos populares não se aliam aos políticos corruptos?

6 - Se a direita e os golpistas do PSDB e seus partidos aliados, acha que representa a vontade da maioria do povo, porque preferiram dar o golpe e continuam querendo que o judiciário impeça Lula de ser candidato? Isto é honestidade?

7 - Se todo mundo que vira ministro, depois sai candidato, como saber se eles colocaram as prioridades do povo acima de suas prioridades? E se eles fizeram caixa-dois?

8 - Se até a OAB - Ordem dos Advogados do Brasil, apoiou o golpe do impeachment, como podemos acreditar nos milhares de advogados ligados à OAB?

9 - Se impedirem a candidatura de Lula e depois também impedirem a candidatura de Bolsonaro, como forma de facilitar a eleição de Alckmin, como estes políticos poderão dizer que no Brasil tem democracia?

10 - Se os pastores e bispos evangélicos, na sua grande maioria, está apoiando os golpistas e os corruptos, como ficam o fiéis destas Igrejas? Para que serve a "palavra de Deus"???

- Se Moisés, ao ver parte dos hebreus cultuando o cordeiro de ouro perdeu a paciência e quebrou a tábua dos dez mandamentos, imaginem se fosse hoje e Moisés visse tanto político e pastor mentirosos e corruptos, o quê será que Moisés quebraria?

- Se Jesus expulsou os vendilhões do Templo, imaginem o que merecem estes políticos corruptos e seus apoiadores?

- Ante tanta corrupção e manipulação, por que em vez de se fazer eleições presidenciais neste ano, em vez de se fazer só isso, porque não se convoca uma Constituinte, livre e soberana para escrever uma Nova Constituição que estabeleça novas regras e novas leis para todos de forma iguais e soberanas?

- Talvez esteja na hora de o povo se rebelar e fazer uma Nova Revolução de Conceitos e de Valores Sociais, Econômicos e Políticos.

- É preciso que alguém acredite nesta possibilidade e comece a ser reivindicada como uma campanha espontânea. Como Gandhi quando fez a campanha do sal na luta pela independência da Índia. Eu acredito e topo ajudar...

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Golpe contra Lula e Bolsonaro

PSDB quer ganhar de qualquer jeito

Além da farsa da Lava Jato contra Lula, agora a imprensa prepara notícias que sirvam para os tucanos no PSDB abrirem processos contra Bolsonaro.

Todos que nas pesquisas estiverem na frente de Alckmin serão derrubados por torpedos. parece luta romana onde somente os indicados pelos imperadores podiam ganhar.

O PSDB estÁ desesperado e está vendendo a alma ao diabo para ver se consegue evitar perder mais uma grande disputa.

ENquanto isto, os golpistas insistem em querer julgar Lula.

O povo não aceitará está bobagem e ignorância.

Nossa imprensa Alem de ser careira,é mentirosa,

Alguém precisa botar limite nesta loucura conhecida como imprensa e judiciário brasileiros.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Quem representa o povo sao os eleitos. são os eleit

Sem voto não existe Democracia

Depois do golpe do impeachment, o Brasil vive subordinado a uma forma jurídica e midiática ditatorial, sem respeito às regras democráticas e à liberdade.

Vivemos sob uma farsa, com a manipulação da justiça e da imprensa.

O povo assiste a tudo sem se considerar parte deste governo ilegítimo e corrupto.

Quando haverá reação?

Nas eleições.

Ou nem as eleições serão suficientes?

A farsa jurídica já decide quem pode ser nomeado ou não. Como decide quem deve ser preso ou não, mesmo os processos sendo forjados em denúncias vazias e depoimentos manipulados.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Vale tudo para eleger Alckmin???

Quantos crimes serão necessários???


Primeiro crime quando derrubaram o governo Dilma. Um crime hediondo que levou ao governo uma quadrilha de corruptos e entreguistas;

Segundo crime, quando tentaram destruir Lula através da imprensa e do judiciário. Não deu certo. O povo continua querendo Luka de volta. Estão armando o segundo crime, ao usar o judiciário para condenar Lula e impedi-lo de ser candidato a presidente;

terceiro crime, quando vão ter que arranjar motivos par impedir a candidatura de Bolsonaro. Assim abrem o caminha para a candidatura de Alckmin, do PSDB.

O Problema é que o PSDB achou que seria fácil se desfazer do PMDB. Não deu certo. O PSDB achiu que seria fácil se desfazer de Bolsonaro, o candidato da direita fascista e militarista. No voto Alckmin não ganha nem de Lula nem de Bolsonaro...

Depois de três crimes seguidos, haveria alguém do PSDB capaz de se eleger pelo voto do povo e sem fraude no sistema eleitoral? duvido!

O pior ainda é comprovar que o sistema judiciário está sendo usado para cometerem crimes eleitorais e contra a Constituição.

Gostei da notícia de Elio Gaspari de que há juízes em Brasília defendendo que a Constituição seja respeitada e que, tanto Lula quanto Bolsonaro possam ser candidatos.

E que o povo decida com transparência!