sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Angela Merkel - mulher, imbatível, 16 anos no poder

Um fenômeno maravilhoso. Os homens têm que bater palmas sim. Saber respeitar as diferenças, saber pensar no seu país, mas levar em consideração as necessidades dos demais países e tantas outras coisas positivas. Esta é Angela Merkel. A imprensa do mundo todo estará falando desta mulher até passar as eleições do domingo. E, como canta Chico Buarque: QUEM É ESTA MULHER? A social democracia europeia é um modelo político mais solidário, mais participativo e com melhor qualidade de vida. Este sistema ficou ofuscado pelo modelo americano do salve-se quem puder e vale tudo por dinheiro, mas com a crise americana, a tendência é que a Alemanha liderando a Europa, fará um bom contraponto com os Estados Unidos e a China. É evidente que, China e Estados Unidos têm sistema político, econômico e social com maior volume que a Alemanha e não creio que esta tenha ambição de ser maior que os outros dois, mas, por direito, a Alemanha estará entre os cinco melhores do mundo. É evidente que este jeito de governar é melhor do que o estilo marketeiro e mentiroso de outros governantes. Tony Blair enganou os ingleses na questão da invasão do Irsaque. Clinton, ente as estripulias sexuais, legalizou e respaldou a flexibilização do sistema financeiro internacional, formalizando o novo imperialismo globalizado e virtual. O imperialismo financeiro com a flexibilização da legislação trabalhista, a destruição das aposentadorias e o uso da China como reserva mundial de mão de obra e de isenções tributárias. Esta aliança entre o sistema financeiro internacional com a China, também tem sido peça chave nas derrotas americanas na economia, na política e no social. Poderia estar muito pior do que está, e, Ângela foi a maior autoridade e liderança resistindo contra o neoliberalisxo exarcerbado. Com certeza, milhões de Angelas surgirão no mundo, da mesma forma que a volta de Lula ao governo brasileiro, está multiplicando os esforços para se retomar a criação de um mundo inclusivo, respeitoso e solidário. Que os deuses de todas as religiões e de todas as florestas protejam esta mulher.

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

O Brasil está ficando inviável

O Brasil desistiu de ser um país para todos? Pegamos um país rico e o transformamos numa massa falida? Vivemos um momento em que nada tem dado certo e ficamos com a sensação de que o Brasil faliu. O mais estranho é o fato de que foi a partir da redemocratização que o Brasil desandou. Precisamos retomar o crescimento econômico, mas os especialistas dizem que somente a partir de final de 2023 teremos algum crescimento. Sem crescimento, a crise continua. Fazer diagnóstico dos problemas ficou relativamente fácil de identifica-los. Difícil mesmo continua ser solucionar os problemas encontrados. Desemprego, inflação, câmbio, infraestrutura deficitária, déficits públicos em todos os níveis, população irritada e descrente, políticos falam muito, mas não apresentam resultados. Saúde, educação, custo de vida, distribuição de renda, a volta ao consumo, etc. A sensação que fica é comparável com sair de férias escolares com os filhos e no meio do caminho o carro faltar gasolina e ninguém se responsabilizar por não ter feito a tarefa. Os militares querem receber mais que os funcionários públicos, que, querem ganhar mais do que os trabalhadores CLT, que querem ganhar mais do que os terceirizados, que querem ganhar mais do que os trabalhadores rurais, que acham que alimentam o Brasil, que a maioria não paga os impostos devidos, por considerar que o governo gasta mal. Nesta cadeia produtiva tem o judiciário e o legislativo que gastam muito do dinheiro público e também acham que não são reconhecidos, mas estes aprovam leis que prejudicam os aposentados. Ao mesmo tempo temos milhares de fechamento de empresas e importamos mais do que exportamos, gerando déficits estruturais. Se todo mundo quer ganhar sem pagar, esta contabilidade nunca vai dar certo. Como o todo é mais do que a soma das partes, OU todos se unem para superar os problemas, OU o Brasil vai falir. E quem vai pagar a conta?

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Aniversariantes ilustres

Tres símbolos do trabalho sindical Cada um com seu estilo, nesta semana temos aniversário de: 1 - NELSON SILVA, dia 19, um gigante no trabalho de base, no motivar os bancários a participarem das greves e dos piquetes. Além de ser bo de base, Nelsão adorava uma brincadeira. Sentado na sala da diretoria, ele atendia o telefone com sua voz grave - Polícia Federal, boa tarde. Do outro lado da linha, uma voz assustada perguntava: Deve ser algum engano, porque eu tenho este número como sendo do sindicato dos bancários de São Paulo. O sr pode repetir o número? E Nelsão, que já tinha identificado de quem era àquela voz assustada, respondia: Boa tarde, Raquel. E ouvia um belo palavrão... 2 - AUGUSTO CAMPOS, fez aniversário no dia 21, e poderíamos escrever livros e mais livros sobre os casos e causos de Augusto. Ele era tão esperto que o sindicato, mesmo sob intervenção doMinistério do Trabalho, Augusto conseguiu comprar a quadra na Rua Tabatinguera e construir o Centro Sindical dos Bancários. A quadra esportiva, na verdade, era o único grande espaço para se fazer assembleias, congressos e conferências para organizarem a classe trabalhadora. 3 - SÍLVIA PORTELA - faz aniversário nesta quarta-feira, 22. Sílvia começou a atuar politicamente ainda no tempo em que a ditadura militar, prendia, torturava, matava ou mandava soltar. Isto obrigava o pessoal a atuar na clandestinidade. Com o tempo, passou a ajudar mais na categoria bancária e ajudando muito na organização da CUT. Sílvia continua ajudando muito na organização e formação da classe trabalhadora. Manteve sua firmeza de ideias, mas sempre manteve um respeito muito grande pelas pessoas. Podemos sistematizar vários anuários, registrando aniversários e históricasde pessoas especiais para nós. Parabéns para todos e todas e vamos trabalhar para mobilizar bastante gente nas manifestações do FORA BOLSONARO.

Taichi, serra elétrica e sabiá

Taichi, serra elétrica e sabiá Depois de acordar às seis horas para se preparar para o Taichi, ao ir à padaria deu de cara com um carro da prefeitura de Sã Paulo dizendo-se especializada em remoção de árvores. Para minha surpresa os homens vieram para mexer nas árvores em frente do nosso prédio. Mesmo antes de começar o Taichi, o barulho da serra elétrica já incomodava. Eu pensava comigo mesmo, talvez a arvore esteja bichada... mas ninguém viu uma faixa ou um cartaz informando nada. Como cantava Adoniran: São os homens das ferramentas, que o dono mandou derrubar... Começamos o Taichi às 8:00h, às 9;30, quando concluímos a aula, o som da serra elétrica continuava. Às 10:15h ainda continua e parece que vão derrubar a árvore. Sem a árvore, não vamos poder ouvir o sabiá cantar na nossa janela. Mesmo que plantem outra árvore, esta levará vários anos até poder receber os pássaros e ouvir seu canto. E quando a sensei (professora) no Taichi dizia... “mais uma vez”, parece que os homens da serra elétrica ouviam e começavam o barulho da serra elétrica. A vida anda assim, quem tem cargo – público ou privado – faz as coisas, sem se sentir na obrigação de informar o porquê. E quando o povo se recusa a ir votar nas eleições, em vez de pesquisarem porque tanta ausência, os homens dizem que o povo é preguiçoso.

domingo, 19 de setembro de 2021

Mais um furo jornalístico de André Singer

As profecias dos Singer contra a besta do apocalipse Paul Singer renovou o debate com a esquerda ao introduzir no Brasil a importância da Economia Solidária. Eu costumava chama-lo de um dos “últimos românticos”. André Singer, tão brilhante quanto o pai, renovou o debate com a esquerda ao sistematizar e traduzir o LULISMO e a democracia de massa. Mais uma vez André Singer consegue brilhar quando escreve sobre o fascismo atual no Brasil e o inferno dantesco que nos ronda. “Para evitar riscos, A oposição democrática precisa Emparedar e reduzir o bolsonarismo A uma franja lunática e isolada.” O chamamento à responsabilidade histórica feito Andrá Singer está publicado em duas páginas do Caderno Ilustríssima da Folha. Um hai kai que pode mudar a história do Brasil e do mundo. André nos fala também da Velha Alemanha que precedeu o nazismo e da violência que matou tanta gente. Uma das mortes mais sentidas foi a de Rosa Luxemburgo. Quando fiz parte de uma delegação brasileira que foi participar de um congresso mundial dos trabalhadores, realizado em Berlim já sem os muros e sem o comunismo, fomos ao Cemitério onde está o túmulo de Rosa Luxemburgo. Para minha surpresa, entre os vários túmulos tinha um que era homônimo do nosso querido professor Paul Singer. Numa outra oportunidade, ao andar pelas ruas da cidade, o sindicalista alemão parou e nos perguntou: Vocês sabem o que são estas ruínas? Como ninguém sabia, ele respondeu orgulhoso: Aqui acabava o território do Império Romano, derrotado pelos bárbaros. E os bárbaros éramos nós, os alemãs... No próximo domingo os alemães irão às urnas para, democraticamente, despedir-se de Angela Merkel e eleger um novo governo. A Alemanha continua sendo uma das principais referências no mundo. O Brasil precisa valorizar tanto os alemãs de lá, como prestigiar os alemãs que vieram para o Brasil, nos ajudar a construir UMA NAÇÃO livre e democrática.

sábado, 18 de setembro de 2021

Eleição na Alemanha e eleição no Brasil

Democracia e barbárie Enquanto o mundo se prepara para receber o resultado das eleições que acontecem na Alemanha, particularmente com a despedida de Angela Merkel, o Brasil se envolve numa campanha eleitoral de loucos, corrompidos e degenerados de todo tipo. Os normais, mesmo sendo maioria da população, assiste de longe tão louco procedimento. Para os alemãs, é a primeira vez em 75 anos que o governante não sai candidato à reeleição. Angela Merkel, depois de 16 anos, deixará o cargo por livre e espontanea vontade. Com a despedida de Merkel, seu partido, de centro-direita, deve perder as eleições para os sociais democratas, de centro-esquerda. Morreu alguém na eleiçào alemã? Não, lá todos os grandes partidos participam do governo, por ser parlamentarismo e fazer unidade programática é a tradição. No Brasil, a cada dia que passa e a cada pesquisa que a Folha faz, mais Lula se consolida como provável presidente a ser eleito mais uma vez, no ano que vem. Será uma grande responsabilidade para Lula e para todos nós, que defendemos a democracia como princípiio e como aprendizado democrático e social para todos os brasileiros e brasileiras. Afinal, ganha-se em duas ou tres eleições e tambem se perde em duas ou tres eleições e todos colocam o país e o povo em primeiro lugar. A mesma Alemanha que espalhou o terror nazista no século passado, depois de perder duas grandes guerras, resolveu praticar para valer a democracia e a pluralidade. Todos ganhamos com isso. O Brasil só tem ma ganhar se incorporar os fatos positivos da Alemanha.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Aposentar-se ou ser demitido: a dura realidade dos que chegam aos 60

Do sonho da aposentadoria ao desespero Era comum as empresas e os bancos fazerem festa de despedida para os que estavam se aposentando... Com o passar do tempo, as empresas e os bancos passarm a ter como política "demitir os funcionários antes de eles chegarem ao tempo d aposentadoria"... Agora, nem funcionários existem mais, eles são demitidos e recontratados como prestadores de serviço. São "pêjotas". Da mesma forma, era possível encontrar aposentados vestidos de pijama sentados na frente da casa ou encontrá-los nos bares e barbearia jogando cartas oudamas. Pessoas de alto conhecimento profissional e ociosas, por terem se aposentados cedo. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, hoje, o que predomina são os demitidos que ficarão, sem renda, sem emprego e sem ambiente dentro de casa. Estas pessoas idosas ou maduras passam a perambular pelas ruas. O caso da categora bancária serve bem como exemplo. De um milhão de bancários registrados com carteira profissional, direitos especiais como jornada de seis horas e assistência médica melhor que a média nacional, os bancários foram saindo ou demitidos dos bancos e sendo substituidos por terceirizados. Além da informatização intensiva e do surgimento dos bancos virtuais. A data base, quando se corrige os salários é o 1o. de Setembro. Os bancários de todo Brasil começam a telefonar para seus sindicatos perguntando quanto vem de reposição, se vem produtividade e quando vem a PLR - Participação nos Lucros e Resultados - geralmente DOIS SALÁRIOS. O que faz com que a categoria tenha QUINZE SALÁRIOS POR ANO. Os bancários de todo Brasil também têm Ajuda Alimentação, Ticket Refeição, jornada de seis horas e outros benefícios... Durante o período de juventude e maturidade, quem consegue entrar e ficar na categoria bancária é motivo de satisfação pessoal e familiar. Mas, mesmo estes herois, os que se aposentam, com o tempo vão sentindo o peso da discriminação... Não tem mais PLR, não tem mais ajuda alimentação nem ticket refeição, que compoem a renda dos que estão "na ativa". E muitos não tem algo extremamente importante, O CONVÊNIO MÉDICO. Quando você mais precisa de assistência à saúde, o aposentado não tem mais este fator de diferenciação qualitativa de um bom emprego. Sem um bom cconvênio médico, as doenças vão se acumulando e estes avôs e av'ós que eram só alegria de repente vão se transformando em demandadores... Outro fato relevante é que, se antes os aposentados morriam aos 60 ou 70 anos, agora a média subiu para 85 a 90 anos. Sendo que, cada vez mais temos visto aposentados com mas de 100 anos de idade. A China tem mais de 300 milhões de pessoas com mais de 60 anos e o Brasil tem mais de 30 milhões... E o governo vem piorando os direitos dos aposentados, acabando com as proteções sociais e, como empregador, vem cortando salários e benefícios de milhões de brasileiros e brasileiras. Até PELÉ está sentindo o que é ficar velho no Brasil.